10.10.17

Capítulo 50

Três dias longe de tudo e todos. Sem celular, notebook, acesso à internet e informações. Demi simplesmente se fechou para o mundo do qual pertencia para tentar associar os últimos acontecimentos, aproveitando também o atestado médico. Não tinha hora para as duas “atividades” que ela vinha praticando: dormir e comer.

Na primeira tarde Demi simplesmente deitou no sofá, pensou nas mentiras da mãe e chorou porque ela acreditava que Dianna tinha mudado.

Na segunda tarde ela já não chorava mais porque tinha refletido muito sobre a situação em geral. A mentira de Dianna, ter um pai, Joe esconder a verdade. Não tinha como jogar a culpa para Joe ou Inácio uma vez que ela pertencia a Dianna. A mulher sempre tinha que fazer besteira. No final daquele dia Demi procurou por um mercado e comprou duas latas de cerveja e uma caixa de bis. Ela não tinha costume de beber, porém não foi ruim apreciar a bebida e comer o bis sentada ao banco do Central Park vendo o sol se pôr. Provavelmente beber não estava nas recomendações médicas, porém Demi não se importava. Na volta para casa ela fez o caminho que passava pelo apartamento de Joe propositalmente mesmo sabendo que ele não estaria lá. Era impossível não sentir falta dele e da pequena Lucy. Eram dias ruins e estranhos, e Demi estava quase cedendo para voltar para os braços do namorado, porém seguiu caminho pensando que deveria ser o efeito da cerveja.

No terceiro dia o sono foi pesado e quando acordou era quase meio dia. Ela preparou o soro, tomou a vitamina e fez o café da manhã. O sofá era a melhor companhia e nele Demi se deitou de qualquer jeito ligando a televisão no canal de desenho animado. O misto acabou que ela nem mesmo percebeu já que a animação conseguia envolvê-la o suficiente. Então depois de repousar o copo de leite no tapete felpudo, ela acabou dormindo agarrada a uma almofada.

Mais tarde Demi acordou com o barulho da televisão, espreguiçou-se e optou por ficar no melhor lugar daquele apartamento: a cama. Era um esforço imenso ter que ignorar o celular e notebook, mas Demi o fez mais uma vez e se deitou a cama. A gatinha de pelúcia que ela tinha ganhado de Joe foi abraçada contra o peito e Demi fechou os olhos por alguns instantes. Ela mesma fez carinho no couro cabeludo como gostava, abriu os olhos fitando o teto e agarrou mais a pelúcia como uma criança com medo.

O que as pessoas ganham com a mentira? Pensou umedecendo os lábios. Ela não tinha o hábito de mentir, então não conseguia entender o sentido. Mas de certa forma sabia que não era bom e muito menos correto. O que será que Dianna ganhava com mentiras? Tudo bem que quando ela era mais nova a mãe conseguia ganhar dinheiro, mas agora? Será que era alguma brincadeira o que estava acontecendo? Demi franziu o cenho, mordeu o lábio inferior e cogitou a ideia de ser a vítima de uma daquelas pegadinhas estúpidas que passavam na televisão.

Eu sinto, de verdade, muito. O seu pai nunca me machucou dessa forma. Filha, eu queria contar, mas.. Mas a cada dia que nós ficávamos juntas, eu me apaixonava um pouquinho mais por você e quando descobri que te amava, eu não queria te perder para minha mentira.

Ela se lembrou de todos os detalhes. Dos lábios bonitos da mãe moldados naquelas palavras que soavam como se Dianna estivesse realmente machucada, dos olhos escuros fixos aos dela, das roupas impecáveis e de como doeu como se tivesse um buraco no peito. Então ela tinha fitado o homem que sempre quis como pai e mostrar que o amava sem nem mesmo o conhecer. Agora sim ela podia assimilar a semelhança da cor dos olhos com a dos olhos de Edward, ou melhor, Inácio. Ela tinha olhos marrons como os do pai, pele clara e com certeza a cor do cabelo também deveria ser da mesma, só não era muito percetível porque Inácio tinha fios marrons e grisalhos. Nem precisava de teste de DNA.

Era tudo mentira! Era claro que era. Dianna nunca demonstrou que a amava, nem mesmo que nutria algum sentimento positivo. Colocar a culpa no amor? Se a mãe a conhecesse, saberia que bastava contar toda a verdade, tudo bem que ela ficaria chateada por alguns dias, mas seria melhor que descobrir daquela forma.

Acreditar numa cobra traiçoeira não era uma ação inteligente. E Demi se culpou por ter caído numa das armadilhas da mãe novamente. Deveria ser divertido fazê-la de palhaça, só podia.

Dormir era bom e uma das melhores atividades, segundo Demi. Mas dormir durante todo o dia estava inviável. Ela até poderia tentar, mas acabaria frustrada. Tomar um banho morno a ajudaria a relaxar e se sentir melhor. Então Demi caminhou para o banheiro, despiu-se e desfrutou da paz que teve enquanto a água lavava o corpo por minutos e mais minutos. Quando os dedos já estavam enrugados, ela buscou pela toalha branca e se secou sem pressa. Por um acaso ela fitou o próprio reflexo no espelho e preferiu desviar o olhar porque se sentia péssima. O que ela faria dali pra frente? Engolindo em seco, ela se olhou novamente estudando cada pedacinho do corpo e os olhos marejaram com a lembrança da verdade. Não tinha como se conformar. Se Dianna não tivesse mentido certamente ela não teria: conhecido Jake, magoado Selena, demorado a corresponder os sentimentos de Joe e brigado com Ed. Sem contar que o corpo não ficaria vulnerável como ficou. Jake poderia muito bem ter transmitido alguma doença ou ela poderia ter engravidado de um filho dele. Tudo porque a mãe era uma egoísta e sem coração. Era melhor nem pensar nos vídeos que ainda circulavam nos sites pornográficos...

Tudo se resumia a desgosto. Demi não sabia se era mais forte em relação a mãe ou a ela mesma por ter acredito mais uma vez. Quando sentiu frio, Demi fitou mais uma vez o reflexo e se enrolou na toalha, caminhou para o closet e sentou-se ao puff pensando no que faria. Não estava tarde e ela não queria dormir.

Enquanto procurava por uma roupa para vestir, ela resolveu separar peças que não usava para doar a uma instituição de caridade. Só porque as pessoas que ela amava não faziam bem a ela, não significava que ela deveria agir da mesma forma com o próximo. Eram calças, blusas, vestidos, roupas sociais, sapatos. Meia hora mais tarde e já tinha uma boa quantidade de peças. Demi levou o que conseguiu para área de serviço para que pudesse lavar as roupas e depois ela passaria cada uma delas.

O guarda-roupa ainda estava cheio, porém mais organizado e objetivo. O entretenimento com as roupas foi tão grande que Demi estava enrolada na mesma toalha que tinha saído do banheiro. Ela procurou por um vestido e o vestiu sem se preocupar com o sutiã e muito menos a calcinha. Havia peças a serem dobradas e foi o que ela fez. Organizou as que ficavam nas prateleiras e nos cabides.

Distraída com o cheiro maravilhoso da camisa de Joe, a próxima peça quase arrancou lágrimas e soluços. O blazer impecável era a cara dela. Aliás, tudo caro e luxuoso tinha relação com Dianna. Demi não soube o que fazer com o blazer, mas uma coisa era certa: ela não o queria. Não iria rasga-lo, queima-lo ou destrui-lo. Pacientemente o levou para a lavanderia e o colocou junto as roupas que doaria.

Eram seis horas e não tinha mais roupas para arrumar, estava sem sono e assistir televisão estava fora de cogitação. Restou pentear o cabelo úmido ainda do banho e se olhar timidamente no espelho. Uma repaginada cairia bem. Nada muito radical. Demi analisou as sobrancelhas, as sardas, os lábios e a pele clara. Não era ruim e não tinha como mudar. O físico também não estava ruim e sempre foi daquele jeito: curvas bem desenhadas, seios médios e um travesseiro exageradamente grande, claro, segundo Selena. O que ela queria mudar estava entre os dedos e os dentes do pente. Demi observou o cabelo castanho molhado e o imaginou loiro ou ruivo. Deveria ficar bom, mas faltava coragem. Talvez cortar as pontas a aguardaria. O cabelo estava com um tamanho bom batendo quase abaixo da metade das costas, volumoso e saudável. Joe gostava de enlaçar os dedos nas mechas e puxa-las quando eles faziam sexo. Principalmente quando ela estava por cima. As bochechas de Demi coraram quando ela se lembrou do namorado e como ele conseguia ser o homem mais bonito e fofo que ela já tinha estado. Demi adorava como os olhos dele eram verdes, bem desenhados e intensamente quentes. A pele morena clara era rosada como se Joe fosse o cara mais saudável do planeta, o cabelo escuro em mechas lisas e de fios grossos. E bem.. Os músculos dele eram o suficiente para excita-la.

Não pense nele. Pensou Demi buscando pela calça jeans e uma camisa legal. Joe era um amor, mas também tinha a magoado por ter escondido a verdade. Dianna já era de costume, mas Joe? Demi confessava que estava surpresa e que não sabia o que pensar a respeito. Se ela descobrisse algo importante sobre ele, não levaria dez minutos e Joe saberia de toda história em detalhes! Era daquele jeito que as coisas deveriam funcionar entre casais: sem segredos e mentiras!

Demi não tinha costume de andar impecável, para ela o que importava era a harmonia entre as cores das roupas e estar confortável. Então vestir jeans apertados, camisa baby look com alguma frase de uma série famosa e calçar all stars estava bom demais. Ela só passou batom, colocou brincos sutis e pegou a bolsa de ombro.

Pra que dormir quando Nova York poderia oferecer tudo que ela quisesse? Assim que pisou na calçada do prédio, Demi olhou na direção do apartamento que frequentava mias que o dela com a esperança de ver Joe nem que fosse de longe. Ele tinha tentado visita-la no dia passado, porém ela tinha dado regras claríssimas ao porteiro para não deixar ninguém subir. Joe deveria estar se organizando para ir trabalhar. Aliás, aquele era o dia que ele faria trabalho voluntário. De qualquer forma aquele era o horário que Joe estava chegando em casa e se organizando para sair para o trabalho.

Os pés a guiaram para bem longe do apartamento dele, conforme caminhava distraída Demi observava os prédios pensando na construção deles em todos os aspectos desde a engenharia moderna ao design sofisticado. Era melhor não planejar o que faria detalhadamente. O objetivo era procurar um salão de beleza, mas durante o caminho Demi se envolveu com as vitrines das lojas, parou para comer churros e ficou mais tempo do deveria assistindo ao show de um artista de rua na Time Square. Era interessante como os truques de mágica conseguiam envolver as pessoas, principalmente as crianças. Demi recostou-se num poste e preferiu manter certa distância. Quando mais pessoas se aproximaram, ela deixou uma gorjeta para o homem e caminhou sem saber para onde iria, só pararia quando encontrasse um salão de beleza que a agradasse, e em Nova York o que não faltava era aquele tipo de negócio.

Minutos mais tarde ela estava sentada numa daquelas cadeiras ajustáveis e acolchoadas. O cabelo estava perfeitamente penteado e úmido. Demi preferia ficar calada e o mais imóvel possível para que o cabeleireiro simpático tirasse apenas  três dedos de comprimento do cabelo, ou seja, aparar as pontas.

Demi não imaginava que a quantidade de cabelo cortada faria tanta faltava quando se olhou no espelho. Ela jogou o cabelo, analisou por alguns minutos e assentiu calada quando o homem perguntou se estava bom. E estava. Não era uma diferença abruptamente notável, porém para ela era um passo gigantesco já que eram raras as vezes que tinha cortado o cabelo depois dos dezoito.

Para onde ela poderia ir? Voltar a Time Square não pareceu uma boa ideia e nem mesmo continuar andando do salão a frente, era noite e infelizmente Demi tinha medo de andar sozinha em lugares desconhecidos depois que quase foi violentada. A ideia de comer uma pizza era agradável, mas ela não comeria sozinha e também o churros ainda a mantinha satisfeita. O que fazer? Demi segurou com mais força a alça da bolsa, caminhou um pouco até que encontrou um caixa eletrônico onde sacou mais dinheiro. Ela não deveria gastar muito já que o dinheiro que estava no banco era para eventuais emergências e para o futuro carro que compraria, mas para isso primeiro ela deveria tirar a carteira de habilitação. Selena a ensinou o básico sobre como dirigir um carro, mas infelizmente não era o suficiente para dirigir um nas ruas de Nova York com aquele senhor trânsito.

Decidir o próximo passo não foi difícil. Ela chamou por um táxi e quando o adentrou, deu o endereço de uma das pessoas que mais prezava. Era uma visita em cima da hora, consequentemente não planejada. Mas quando o taxista a deixou em frente a casa dos Gomez, Demi afirmou consigo mesma que tinha sido a melhor coisa que ela tinha feito. O tempo de ficar sozinha já tinha passado, ela precisava da melhor amiga mesmo que fosse para compartilhar o silêncio.

A casa de Selena era grande com direito a jardim, piscina e tudo mais. Os Gomez não eram ricos, mas tinham boas condições. Demi tocou a campainha duas vezes num intervalo aceitável de tempo, fitou o tênis que calçava e quando ouviu passos, torceu para que não fosse a mãe de Selena. Não era que ela não gostava de Mandy, bem pelo contrário, ela só não queria chorar. Foi pura sorte quando a voz de Selena soou num educado ”Boa noite, quem é?”. Demi sabia que Sel odiava atender à porta, ainda mais quando o interfone estava quebrado. Ela podia se lembrar muito bem da amiga reclamando alguns dias atrás. “Meus pais não arrumaram a droga do interfone e toda vez que alguém toca a maldita campainha eles me mandam atender. E se for um bandido armado?”

   - Demi. – Nos dias que tinha ficado sozinha, ela não falou muito, e se falou foi murmurando algum palavrão. Então quando disse o nome, foi timidamente e quase que ela não reconheceu a própria voz.

Quantas trancas tinham naquele portão? Demi franziu o cenho enquanto ouvia o barulho do metal sendo movido por pelo menos dois minutos. A saudade era tanta, mas ela não fez nada mais que abaixar a cabeça. Selena a olhou de cima a baixo e se aproximou para envolvê-la num abraço apertado e que segundos depois Demi retribuiu se sentindo mais forte e menos sozinha nos braços da amiga.

   - Ei! Que surpresa. – Disse Selena esboçando um sorriso a olhando nos olhos e Demi não conseguiu demonstrar a mesma felicidade. – Vamos entrar? Nós não queremos ser assaltadas. – Bem, não tinha ninguém na rua e não parecia perigoso, mas era Selena quem conhecia o bairro onde morava.

A situação estava ligeiramente estranha, e a felicidade de Selena era o salvava o momento, tanto que quando levou Demi para dentro de casa, foi de braços enlaçados e com um sorriso estampado no rosto. A maioria das luzes estavam acesas e a televisão ligada num volume consideravelmente alto. Então Demi entendeu que Sel estava sozinha.

   - Estou cozinhando. – Disse Selena trancando a porta principal deixando a chave no miolo da maçaneta, e quando ela atravessou a sala com Demi, não apagou a luz. – Meus pais saíram, foram jantar fora. Na verdade é um jantar de negócios da mamãe, mas eu não estava muito interessada para sair para comer. – Disse sustentando o olhar de Demi por alguns segundos. – Você quer alguma coisa? Nós podemos comer torradas e beber suco ou café enquanto a minha torta de maçã assa.

   - Tudo bem. Suco está bom. – Disse Demi pausadamente e Selena assentiu se apressando para servi-las com exagerados copos e uma forma de torradas amanteigadas com orégano.

   - Você está melhor? – Sel perguntou alguns minutos mais tarde e quando Demi a olhou, ela bebericou o suco e se ajeitou a cadeira. – Sem vômitos e tonturas? – Acrescentou e Demi assentiu prontamente.

   - O Joseph comprou o que a médica pediu na receita e deixou na recepção do meu prédio. Tomei o soro e ainda estou tomando as vitaminas, mas estou bem. – Elas sustentaram o olhar durante o tempo que conseguiram e seguiram em silêncio desfrutando das deliciosas torradas. – Eu fiquei sem saber se.. – Começou a dizer Demi e na pausa que fez, ela fitou o próprio colo, umedeceu os lábios e voltou a fitar os olhos da melhor amiga que estava atenta ao que ela iria dizer. – Se eu deveria vir aqui. Eu não queria estragar a sua noite com o Ed, pensei que vocês estariam juntos. Enfim, acho que vou para casa. – Antes mesmo que ela pudesse se levantar, Sel guiou a mão a dela e negou com um balanço de cabeça.

   - Eu e o Ed.. Nós brigamos. Foi explosivo e complicado. – Quando tocou no nome do namorado, foi de se perceber como ela estava chateada e vulnerável. – Então nós preferimos ficar um longe do outro para não piorar as coisas. – Selena fitou a aliança de compromisso que usava e Demi também a fitou logo fitando a que Joe comprou para oficializar o relacionamento deles.

   - Relacionamentos são bons, mas às vezes podem ser frustrantes também. – Disse tirando a aliança para examina-la e Selena franziu o cenho a observando. – Por que vocês brigaram? – Perguntou sustentando o olhar da amiga que franziu a boca e umedeceu os lábios.

   - Eu não queria falar sobre isso. – Disse Sel colocando uma mexa do cabelo atrás da orelha e se ajeitando na cadeira. – Digo, eu não sei se você está preparada para falar sobre.. – Comentou e Demi nada disse, desviou o olhar e mordeu o lábio inferior. E como ela não protestou, Sel interpretou como um passe livre. – Bem, ele também sabia sobre os seus pais. – Demi continuou sem olha-la e tudo que ela ouviu foi “os seus pais” sem saber como associar a frase a Dianna e Inácio. – Ele e o Joe. Eles não disseram nada e eu estou muito brava com eles. – Completou um pouquinho nervosa pela falta de reação da amiga, e como elas estavam sozinhas na casa, o silêncio era só quebrado pelo barulho da televisão que mesmo assim não era suficiente para criar um clima propriamente dito agradável.

   - Confesso que estou brava com o Joe. – Disse Demi quebrando o gelo entre elas. – Não exatamente brava, acho que me expressei mal. – Ela respirou fundo pensando em como se sentiu quando Joe contou a respeito. – Estou decepcionada. Nós conversamos sobre segredos e mentiras e concordamos que sempre contaríamos tudo um para o outro. Sempre fui honesta com ele sobre quem eu sou, de onde eu vim e das coisas que passei. Acho que as pessoas pensam que podem brincar com os meus sentimentos como se eu não fosse sentir dor, entende? Eu não sei o que eu mostro ser, mas eu acho que ninguém tem o direito de me machucar. Eu sempre tento não machucar as pessoas, sei que ultimamente machuquei muitas pessoas, inclusive você, mas não foi porque eu quis. – Demi forçou um sorriso triste quando Sel enlaçou os dedos aos dela e lançou o olhar confidente que elas sempre trocavam. – Não vou mais ser um alvo. Cansei. Resolvi que não vou mais ficar me lamentando pelo que não tive. Vou tentar não chorar, por mais difícil que seja. Eu não quero mais ser uma vítima, Sel. Eu quero ser forte e conseguir dar a volta por cima.

   - Ei, vem cá. – Elas se abraçaram por minutos e foi simplesmente incrível sentir a conexão que as envolvia quebrar todo o clima desagradável. Eram melhores amigas e se amavam tanto que uma era capaz de tudo pela outra. Eram como irmãs de alma e não tinha nada mais bonito e especial que aquela amizade, tanto que quando Demi derramou lágrimas foi porque ela sentiu falta de Selena e estava feliz em estar nos braços dela. – E eu estarei com você sempre. Vou te dar broncas, te ajudar a levantar e cuidar de você. – Disse fitando os lindos olhos marrons da amiga que assentiu.

   - Eu também estarei com você sempre. – Demi descansou a cabeça no peito de Selena por algum tempo sendo envolvida pelo melhor abraço que poderia receber no momento. Alguns minutos depois o forno apitou anunciando que a torta estava pronta e elas sorriram desfazendo o abraço.

   - Você cortou o cabelo. Ficou muito bom. – Disse Sel sentindo que finalmente poderia ser ela mesma com Demi sem receios. E de tanto que ela observava o caimento do cabelo de Demi, quase que queimou os dedos porque a forma estava quente.

   - Fiquei com vontade de cortar. – Disse Demi se escorando sobre o balcão onde Sel organizava a torta. – Separei algumas roupas que não estou usando. Pensei em levar para instituição de caridade. – Selena arqueou uma sobrancelha e Demi assentiu.

   - Nós podemos levar esse final de semana, o que você acha? – Sel tirou as luvas e buscou por dois pratos no armário. – Vamos esperar esfriar um pouquinho. – Disse e Demi assentiu.

    - Eu ainda vou lavar e passar. Se der tempo, nós podemos levar no final de semana. – Elas sorriram e Selena se aproximou para abraçar Demi por trás e aperta-la até que elas estavam rindo como nos velhos tempos.

   - O que você fez nesses dias? – Perguntou Sel ainda abraçando Demi que enlaçou os dedos aos dela e se acomodou da melhor forma que podia ao abraço.

   - Pensei sobre muitas coisas. – Demi se esforçou para fitar os olhos de Selena porque precisava fita-los. – Chorei o que eu tinha para chorar, dormi, tomei cerveja e andei por aí sem rumo. – Selena riu com o rosto escondido no ombro de Demi.

   - São raras as vezes que você toma cerveja. – Disse dando um suave beijo no maxilar de Demi para então desfazer a abraço. – E você não deveria tomar já que ainda está se recuperando.

   - Eu precisava tomar. Nem fiquei tonta, e é cerveja, não é nada demais. – Explicou-se buscando pelo celular na bolsa enquanto Sel cortava a torta.

   - Tudo bem, você precisava disso. – Disse a servindo com a torta. – Mas eu fiquei preocupada, você ficou inacessível. Quem me disse o que aconteceu foi o Eden. – Demi revirou os olhos, mas riu baixinha ao atualizar o instagram e se deparar de cara com uma foto de Ed com Joe.

   - E você brigou com ele. – Terminou o que Selena queria dizer e mostrou a foto.

   - Nada melhor que curtir a noite com o melhor amigo. Eles estão num bar? – Demi não resistiu e riu alto quando Sel pegou o celular para analisar o local onde a foto tinha sido tirada. – Eu mato o Eden é hoje. Aliás, deixe-o. Ele está me pirraçando porque sabe que eu odeio esse bar. É cheio de piranhas. – Disse e Demi cerrou os olhos quando voltou a olhar para foto. Joe estava bonito demais vestido com o suéter verde e sem óculos de grau.

   - Deixe-os. Eu realmente não me importo com os lugares que o Joe frequenta, claro, contando que ele não faça besteira. – Comentou guardando o celular e Selena nada disse por que estava emburrada. – Sel, você não deveria brigar com o Ed por minha culpa.

   - Não foi sua culpa. O único culpado é ele mesmo por ser um idiota! Nós também já conversamos sobre segredos, mentiras e tudo mais. Ele sabe como isso é importante para você. E se é importante para você, também é importante para mim. Eu perdi a paciência com o Joe no hospital, mas o Ed.. Demi, ele sabe que o Joe é inexperiente e deveria ter o aconselhado melhor. Isso é tão sério e eu acho incrível a cara de pau dos dois por ter ficado esse tempo todo sem falar nada. – Demi acabou assentindo. Selena tinha razão, mas de certa forma Ed não precisava passar por aquela situação.

   - Está uma delícia. – Disse Demi algum tempo mais tarde depois de provar a torta em silêncio que já não era problema. – Eu acho que está ficando tarde. – Comentou fitando o relógio de parede e Selena arqueou uma sobrancelha.

   - Nada disso. Dorme aqui? – Tinha como dizer não? Demi fitou os olhos de Selena e acabou sorrindo como se assentisse.

   - Vamos fazer assim, eu vou embora quando os seus pais chegarem. – Disse e Selena negou fazendo careta.

   - Você tem roupas limpas no meu closet. É pedir demais para você dormir comigo? – Eram raras as vezes que Demi se recusava a dormir na casa dos Gomez, e quando acontecia Selena sempre dava um jeitinho de conseguir reverter a situação. – Poxa Dem, você nunca mais dormiu comigo. Eu sinto falta de ter o nosso tempo. Tudo que fazemos é trabalhar e cuidar desses dois bananas. Precisamos do nosso momento.

   - Deixa de ser chantagista! – Resmungou Demi começando a ajudar Sel com a cozinha. – Nós duas sabemos como você pode ser dramática quando quer.

   - Nossa, eu só quero passar um tempo com a minha melhor amiga e sou taxada de chantagista e dramática. Obrigada Demetria. – Ah! Demi largou o que estava fazendo e se aproximou para abraçar Selena por trás.

   - Eu vou dormir com você, chata. – Disse e Selena sorriu de orelha a orelha. – Agora amanhã nós temos que acordar mais cedo porque temos trabalho.

   - Você querendo acordar cedo? – Disse Selena de sobrancelha arqueada. – Acho que vai chover hoje, só pode. – Pirraçou e Demi revirou os olhos.

A cozinha estava organizada em menos de dez minutos já que eram poucos os utensílios sujos. Quando terminaram, Demi riu porque Selena apagou a luz da cozinha e apressou o passo para longe dali. E como era medrosa, a televisão da sala continuou ligada assim como as demais lâmpadas.

   - Eu vou tomar banho, fica à vontade. – Disse Sel a Demi que assentiu se deitando a cama.

 Dormir era tão bom que Demi conseguiu cochilar enquanto Sel tomava banho. O corpo chegou a ficar preguiçoso e mole quando ela se ergueu para olhar para a amiga que tinha acabado de voltar do closet usando roupas de verão para dormir.

   - Eu iria falar para você tirar o all star antes de entrar no banheiro, mas você é muito folgada e já tirou. – Demi mostrou lingua e sorriu para provoca-la quando Sel se deitou ao lado. – Você é tão preguiçosa, Dem. – Comentou quando Demi fechou os olhos e respirou fundo.

   - Eu só gosto de dormir. Não me julgue. – Ronronou de olhos entreabertos.

   - Dormir, comer e transar. – Selena deslizou os dedos no couro cabeludo de Demi justamente para vê-la fechar os olhos e se aproximar mais toda manhosa.

   - Na verdade é dormir, transar e comer. – Corrigiu esboçando um sorriso preguiçoso. – E você gosta exatamente das mesmas coisas que eu, então não pode falar nada. – E Selena não disse, fitou os olhos de Demi e se acomodou mais a cama. - Você se lembra daquela vez que nós dormimos fora pela primeira vez? – Disse Demi alguns minutos depois de receber o carinho que tanto gostava. – Que a sua mãe chamou a polícia porque a gente não atendia ao celular.

   - Como esquecer?! Foi divertido. – As duas riram e coraram porque a adolescência tinha sido incrível e cheia de aventuras. – Nós entramos no pub com identidades falsas, bebemos e..

   - E você foi para cama com aquele cara e eu com o amigo dele. – As bochechas dela coraram assim como as de Selena, mas elas riram se lembrando da emoção que tinham vivido naquela noite.

   - Eu não acredito que nós fizemos aquilo. Quer dizer, não tem nada de errado transar com um cara que você conhece há poucas horas, é só que nós éramos tão novas. – Comentou Selena.

   - Jovens e imprudentes. – Disse Demi se deitando de costas para poder fitar o teto. – Eu não faria diferente. Foi bom e nós aproveitamos.

   - O pior foi chegar tarde, vomitando e com a polícia na porta de casa. E a bronca? – Demi assentiu e esboçou um pequeno sorriso se lembrando da época. A adolescência foi cheia de momentos incríveis, decepções com Dianna e a marcante morte de Amélia.

   - A minha avó faleceu algumas semanas depois. – Comentou um pouco triste. Amélia não era muito diferente de Dianna, às vezes até mais rígida e fria. As duas tinham o mesmo objetivo: luxo e dinheiro. A diferença era que Amélia tinha conquistado Demi com pequenos gestos de carinho enquanto Dianna estava envolvida demais com homens, sexo, dinheiro e só Deus sabe lá mais o que. – Às vezes eu sito falta dela. – Demi fechou os olhos quando sentiu os dedos de Selena deslizarem suavemente pelo couro cabelo, ela suspirou e quando abriu os olhos umedeceu os lábios fitando os olhos da amiga.

Era boa a conexão que elas tinham. A forma como se entendiam e se completavam. Demi fitou os olhos marrons de Selena por algum tempo e sentiu um pequeno desconforto no estomago, o coração acelerou um pouquinho e os pelos do braço arrepiaram quando o carinho no couro cabeludo ficou mais lento. E Selena também ora fitava os olhos de Demi ora fitava o rosto admirada em como as sardas na pele clara eram bonitas e delicadas.

Como tinha guiado a mão para o rosto de Sel, Demi não sabia, só que era bom acariciar a maçã das bochechas e o maxilar. Elas se olharam por mais um tempo curiosas uma estudando a beleza da outra. Aos pouquinhos se aproximaram sem nem perceberem o que estava acontecendo. Demi ainda fazia carinho na bochecha de Selena que levou o carinho que fazia no couro cabeludo para o queixo. Se olharam mais uma vez, Demi umedeceu os lábios e fitou os de Selena. As bochechas coraram, mas ela nem percebeu, voltou a fitar os olhos da amiga sentindo o coração disparar no peito e segundos mais tarde ela fechou os olhos envolvida com o momento.

O toque foi delicado e digno de arrepios. No começo era apenas um selinho demorado que se transformou num beijo quando Demi entreabriu os lábios e se curvou mais sobre o corpo de Selena. Era tão diferente beijar uma garota. Elas se separam por breves segundos para se olharem e então Demi se deitou sobre o corpo da amiga que a abraçou a puxando para um beijo intenso e demorado.

Os corações estavam disparados, pois a adrenalina que corria pelas veias só crescia a cada avanço. Do beijo surgiram os toques por partido de Selena que deslizou as mãos pelas costas da amiga e a abraçou com mais força contra o corpo começando a adentrar a camisa que Demi usava com as mãos ainda na região das costas. E Demi deixou um maldito gemido escapar quando teve as mechas de cabelo enlaçadas aos dedos de Selena. Elas se separaram ofegantes, os lábios avermelhados e as respirações misturadas por conta da proximidade, porém não pararam. Selena mordeu suavemente o lábio inferior de Demi e dali começou um beijo molhado e aos pouquinhos ela conseguiu ficar por cima guiando Demi para se deitar.

Acomodada a cama com as roupas desgrenhadas, os lábios avermelhados e o cabelo esparramado pela cama, Demi fitou os olhos de Selena. Elas não disseram nada porque não tinham coragem, porém não deixaram de se olhar. E Demi estava admirada com a beleza de Selena. O cabelo longo e pesado dela estava desgrenhado e era tão sexy. Os lábios rosados e os olhos castanhos fitavam os dela. Uma mão foi a cintura e a outra a bochecha quando Selena se curvou para beija-la novamente. E como tinha pensado, era muito diferente beijar uma garota. O beijo de Selena era suave e delicado, o cheiro delicioso e doce e a pele macia. Demi gostava muito de como o cabelo de Sel roçava o corpo, e quando uma mecha intrometeu-se entre o beijo, ela esboçou um pequeno sorriso a colocando atrás da orelha.
 
Um novo beijo aconteceria novamente, aliás, os lábios tocaram-se e aos pouquinhos as línguas roçaram-se. As mãos de Demi estavam por debaixo da camisa de Selena espalmando a pele macia das costas enquanto Sel descia as mãos das costas de Demi para baixo. Elas estavam envolvidas, porém quando ouviram “Selena, nós já chegamos” na voz de Mandy, foi como tomar um choque de realidade.

   - Querido, eu vou ver se a Sel está dormindo. – A voz da mãe de Selena estava cada vez mais próxima e dentro do quarto, as duas amigas estavam sem reação, mal conseguiam se olhar e os corações estavam acelerados.

Mandy abriu a porta do quarto devagar porque não queria atrapalhar o sono da filha, e Demi e Selena não souberam o que fazer quando a mulher sorriu surpresa.

   - Demi, quanto tempo! – Bem, não dava para ignorar. Demi forçou um sorriso e se levantou claramente sem graça para receber o abraço da mãe de Selena. – Você está bem? – Mandy perguntou a olhando nos olhos e Demi franziu um pouco o cenho, umedeceu os lábios e assentiu desconcentrada. – A Selena me contou o que aconteceu. Quero que saiba que nós sempre estaremos aqui para você, ok? Você é parte da família, querida. – Como lhe dar com aquilo? Tudo estava errado e confuso. Demi lançou um rápido olhar para Selena que estava cabisbaixa e fitou Mandy.

   - Obrigada.. – Disse corada e logo forçou um sorriso que não passou despercebido por Mandy.

   - Vocês estão estranhas. – Comentou Mandy as analisando, mas os pensamentos nem chegavam perto do que realmente tinha acontecido naquele quarto. – Tudo bem, eu não vou me intrometer porque vocês já são grandinhas e sabem se cuidar. Nós trouxemos comida, se quiserem, vou organizar.

   - Eu já estou indo. – Disse Demi tão rápido que Selena franziu o cenho e Mandy estranhou o comportamento.

   - Está tarde, fica para dormir. – Disse Mandy. Definitivamente não! Seria demais dormir com Selena depois do que tinha acontecido.

   - Eu tenho que resolver algumas coisas ainda hoje.. – Murmurou Demi coçando a nuca e Mandy franziu o cenho fitando Selena.

   - Selena. – Chamou pela filha e quando ela arqueou a sobrancelha, Selena soube que levaria uma bronca da mãe caso continuasse calada.

   - Você pode dormir aqui. – A voz de Sel soou baixa e ela estava corada de vergonha. – Está realmente tarde. – Completou e foi tão desconfortável para Demi fitar Mandy e depois Selena. Ela não sabia o que poderia usar como desculpa já que enganar a mãe de Sel era mais difícil que ganhar na loteria.

   - Vou buscar o travesseiro e a coberta. – O silêncio que se instalou quando Mandy saiu foi absurdamente constrangedor e desconfortável. Demi não tinha coragem nem mesmo para mover um músculo e Selena tentava encontrar alguma forma de melhorar a situação, se é que era possível.

   - Vo..Você pode ficar à vontade.. Tem roupas no closet, caso queira tomar banho. – Que conversa era aquela? Demi respirou fundo e assentiu cabisbaixa sem saber o que dizer, ela sabia exatamente que estar na casa de Selena era como estar em casa porque elas já tinham passado daquela fase há muitos anos.

Era melhor ir tomar banho, e Demi tentaria fazer o máximo para demorar só porque não queria ter que enfrentar a situação. Ela buscou por roupas no closet e quando voltou para o quarto respirou tranquila porque Selena não estava mais na cama. Sozinha no banheiro, Demi fechou os olhos depois de se olhar no espelho tentando entender o que tinha acontecido. Tudo aconteceu rápido e no fundo, Demi se sentia culpada porque tinha gostado de beijar Selena.

E Joe? Ed? Elas tinham ultrapassado todos os limites permitidos. Seria complicado dali pra frente, aliás, complicado era pouco! Demi franziu o cenho e quando a vontade de chorar a pegou desprevenida, ela preferiu começar a se despir para tomar banho. Selena entenderia se ela demorasse um pouquinho. Demi tinha certeza que entenderia.

***


   - O papai vai cantar uma canção para você, bebê. – Cuidar de Alicia era o que acalmava a alma de Inácio. E ultimamente ele estava inquieto e tão triste que tinha se isolado. Desde que Demi descobriu a verdade e ele também, Inácio ignorou o trabalho, os irmãos e focou em fazer o que ele precisava: cuidar das filhas. E naquela noite Alicia era a prioridade. – Ei meu amor, o papai ama muito você. – Ele sussurrou a pequena a aninhando nos braços e Alicia bocejou arrancando um sorriso do pai que a embrulhou na manta e começou a cantar da melhor forma que podia. Inácio inclinou-se na cadeira de balançou para impulsiona-la. Crianças dormiam facilmente quando eram balançadas suavemente, e não foi diferente com Alicia que pegou no sono pouquíssimos minutos mais tarde.

O coração estava partido em todos os sentidos e Inácio não sabia o que fazer. Ele tinha uma vida boa, tudo sobre controle e consequentemente estabilizado. Porém as coisas mudaram drasticamente com a morte da esposa, a descoberta sobre Demi e a morte do pai. O que mais o abalava era realmente a história da filha. Ele tinha acreditado em Dianna e pela primeira vez em meses de sofrimento, considerou abrir o coração e investir num relacionamento.

A mulher mentiu e ele caiu tão facilmente! Se Demi não fosse parecia com as irmãs, com certeza Inácio exigiria um exame de DNA. A garota era dele, e ele podia sentir e queria muito estar presente como era na vida das outras meninas.

   - Acho que nós precisamos conversar. – A voz de Anna soou suave para não acordar a pequena Alicia e a passos leves, ela adentrou o quarto e se aproximou do pai e da irmã. – Deixe-me coloca-la no berço, papai. – Inácio não disse nada, entregou a pequenina nos braços da filha e a observou beijar a irmã antes de coloca-la corretamente no berço como ele tinha ensinado anos atrás quando Hannah era bebê.

   - Onde está Bella? – Perguntou Inácio se levantando para abraçar a filha.

   - Está no quarto com as meninas. Elas estão envolvidas com alguma coisa no computador. – Disse fitando os olhos do pai. – Você já comeu? Estou preocupada com você, papai. – O sorriso de Inácio geralmente era cheio de vida e felicidade, porém agora estava triste e forçado. – O que está acontecendo? – Anna insistiu espalmando o peito do pai e logo arrumando a gola da camisa de botões. – Você precisa relaxar, grandão. Para de ser tão orgulhoso, não precisa carregar o mundo nas costas sozinho. Eu e a Bella podemos muito bem ajudar a cuidar das meninas e das despesas. Você está tão distante e estranho, não estou o reconhecendo.

   - É minha obrigação cuidar de vocês. – Ele disse abraçando a menina de lado sentindo o coração rasgar ainda mais o peito porque as filhas tinham o dom de emociona-lo com simples gestos como aquele. – É que aconteceram tantas coisas. – Deixou escapar de olhos marejados. Talvez conversar com a filha não fosse uma ideia ruim, Inácio só não queria sobrecarregar a menina com problemas.

   - Então vamos conversar? Você precisa, eu estou sentindo. – Inácio fitou os olhos da filha e assentiu com muito custo. Ele geralmente preferia bancar o pai durão que nunca chorava ou precisava de ajuda, mas sempre acabava cedendo.

   - Eu não quero incomoda-la com as minhas coisas. Você precisa descansar, amanhã tem aula cedo. – Disse Inácio um pouco sem jeito conforme a menina o puxava para fora do quarto pela mão.

   - Eu me importo mais com você do que com a faculdade. Então vamos, nada de ficar guardando tudo só para você. – Anna só soltou a mão do pai para abrir a porta que dava acesso ao deck onde eles poderiam conversar em paz. – Antes de começarmos a conversar, você quer comer? – Perguntou e Inácio franziu o cenho sem entender. – Pai, eu só vou te deixar sair quando você ficar bem.

   - Filhote, não precisa se preocupar. – Não tinha como não sorrir e se sentir sortudo por ter filhas especiais como as dele. Inácio abraçou a menina e sorriu emocionado. – Tudo bem, nós vamos conversar. – Cedeu quando fitou os olhos de Anna que mostravam como ela se importava com ele.

O deck possuía o ambiente ideal para o momento. As cadeiras de balanço eram confortáveis, o jardim naquele local era uma espécie exótica e bonita de plantas e o céu estrelado a vista mais fascinante que alguém poderia apreciar. Inácio se acomodou na cadeira de balanço assim como Anna e por minutos eles seguiram em silêncio gostando de como tempo estava agradável e a noite bela.

   - Então Sr. Lovato, pode começar a falar. – Disse Anna arqueando uma sobrancelha e esboçando um sorriso para o pai.

   - Você não vai desistir. – Inácio puxou as mangas da camisa e respirou fundo.

   - Não, eu não vou. – Anna sustentou o olhar do pai e Inácio engoliu em seco sem saber o que poderia contar primeiro.

   - Você sabe a minha história com a sua mãe. – Começou a dizer tomando toda atenção de Anna. – Nos casamos porque eu a engravidei. – Disse e Anna assentiu se lembrando das vezes que a mãe tinha contado a história. – Quando nos conhecemos não era nada sério, então não firmamos namoro. Alguns dias depois eu conheci uma moça que foi visitar a chácara do seu avô... Foi paixão a primeira vista. – Ele disse um pouco ruborizado e Anna sorriu. – Nós passamos boas semanas juntos namorando e fazendo planos para o futuro. – Esquecer Dianna deu tanto trabalho, e quando ela voltou vinte três anos depois, Inácio soube que nunca tinha superado o que sentia por ela. – Então sua mãe apareceu grávida. Foi uma confusão, casamos duas semanas depois e tudo mudou. – Anna assentiu porque sabia exatamente tudo que os pais tinham enfrentado desde o início ao fim. – Descobri que tenho mais uma menina, filha. – Ele disse engolindo em seco porque não conseguia esquecer o choque no rosto de Demi quando ela descobriu toda verdade. Doeu nele vê-la sofrer. – Ela é da idade de você e Bella.

   - Ela é filha da moça da chácara? – Anna perguntou surpresa com a informação. Não era uma notícia ruim, só era literalmente uma surpresa.

   - É. E eu só vim saber depois de vinte e três anos. – Disse de cenho franzido porque ele estava confuso. Dianna tinha mentido, assim, algumas partes da história poderiam ser falsas como o estupro.

   - Eu só não entendo o porquê de você estar tão triste e preocupado. Nós somos sete, mais uma garota para animar essa casa não será ruim, aliás, será um caos, porém tenho certeza que divertido. – Anna sabia que não era perfil de Inácio ficar tão tenso com uma descoberta como aquela. Ele era um pai nato, e sempre acolhia de braços abertos todos que precisavam de cuidados que só um pai podia oferecer.

   - Ela é fantástica! Eu quero tanto trazê-la aqui, ela cresceu sozinha e precisa da companhia de você e das suas irmãs. – Ele sorriu se lembrando dos poucos momentos que tinha vivido ao lado de Demi. – Só que a situação é complicada. – Disse de cenho franzido e acabou massageando o cenho porque estava chateado por estar de mãos atadas. – A mãe dela mentiu para mim e para ela. Demi não quer falar comigo e eu não sei o que fazer para inverter essa situação.

   - Que tipo de mentira? – Perguntou Anna e Inácio engoliu em seco desviando o olhar da menina para o céu escuro e estrelado.

   - Eu não sei exatamente. Demi passou mal há três dias, eu estava com a mãe dela, a Dianna, e nós a levamos ao hospital. Ela não sabia nada sobre mim, Dianna disse que eu era um amigo da época da adolescência. Nós passamos a tarde toda no hospital, e quando saímos, foi um desastre. O seu coordenador veio falar comigo, ele me chamou pelo sobrenome e foi aí que a Demi descobriu. Ela ficou assustada e disse coisas que eu não entendi. Só depois que a Dianna disse que mentiu, que nós dois entendemos tudo que acontecido. Demi pensava que era fruto de um estupro, que eu violentei a mãe dela.. – Inácio fechou os olhos e deixou algumas lágrimas rolarem. – E tudo que eu sabia era que o seu avô tinha estuprado a Dianna.

   - Meu Deus! – Anna franziu o cenho e enlaçou os dedos aos do pai. Agora sim fazia sentido o recente repudio que Inácio tinha desenvolvido do próprio pai. A ausência no sepultamento e a frieza que ele demonstrou enquanto todos da família estavam de luto.

   - Eu não me despedi dele. Apenas descarreguei toda a minha frustração antes dele partir na minha frente. – Quando as lágrimas inundaram o rosto, Inácio tentou controla-las porque Anna era apenas uma garota que também estava sofrendo por ter perdido alguém especial. – Eu não sei o que é verdade ou mentira. A única certeza que tenho dessa história toda é que Demi é minha filha.

   - A culpa não é sua. Sei que deve ser difícil, mas eu tenho certeza que o vovô entende. Ele sabe que você o ama. – Disse a menina e Inácio a abraçou da forma que conseguiu.

   - Não conte nada a suas irmãs, meu anjo. Eu ainda não sei o que fazer. – Anna assentiu limpando as lágrimas do rosto do pai e carinhosamente o beijou na bochecha.

   - Dê tempo ao tempo. Imagina só como deve estar confuso para ela saber que tem um pai. Ela precisa processar todas essas informações, então é melhor você não ficar insistindo.   Daqui alguns dias ou meses, você tenta se aproximar. E quem sabe antes disso ela vem atrás de você? É uma possibilidade. – Inácio pensou nas palavras da filha e assentiu. Se tinha sido doloroso para ele, imagina para Demi?!

***

Passar praticamente à noite toda em claro não estava nos planos de Demi. A começo, quando se deitou para dormir, o clima seguiu tenso e pesado dentro do quarto. Selena murmurou boa noite e Demi fez o mesmo. Elas preferiram ficar de costas e manter a distância. O ruim era que compartilhavam a mesma cama. Os minutos se arrastaram para passar, Demi tentou fechar os olhos e se concentrar para dormir, porém sem sucesso. O que seria dali pra frente? Quem teria coragem de comentar a respeito? Aliás, elas comentariam? Fingiriam que nada tinha acontecido ou continuariam ficando? Tinha sido diferente, especial e bom, muito bom! Mas não deveria acontecer, não era questão de acharem certo ou errado ficar com uma garota, era porque elas eram amigas, melhores amigas! Apenas amigas. Trocar aquele tipo de carinho não estava incluso no pacote, e ainda havia Joe e Ed. As teorias que surgiam na cabeça de Demi só a deixava mais incomodada e confusa. E quando juntou com a recente descoberta sobre o pai, foi aí que o sono foi embora. Selena não estava muito diferente, e de tão tensa que estava evitava se mover e mostrar a Demi que ela estava acordada. As horas passaram e as duas cederam ao sono quando já não tinha mais jeito por volta das cinco da manhã.

Como o mundo costumava ser irônico e traiçoeiro, o tempo que dormiram passou tão rápido e o que não era para acontecer, aconteceu. O relógio analógico redondo com estampa de corações estava sobre o criado-mudo, o ponteiro menor apontava para o número sete e o maior se moveu da casa do cinco para a do seis. Eram sete e meia da manhã. O silêncio absoluto do quarto foi quebrado dando lugar ao barulhento som do despertador.

A cintura de Demi estava envolta pelo braço de Selena e entre as pernas estava a direita da amiga. Elas estavam tão próximas e quentes. E de tão manhosa que era, Demi se aninhava mais aos braços da amiga e se virou para abraça-la murmurando um sonolento amor, me abraça. Uma palavra resumia o início da manhã: constrangedora. Se elas não tivessem feito o que não deveriam, seria motivo de muitos risos, porém quando perceberam o que acontecia, se afastaram no mesmo instante como se uma fosse alérgica a outra.

Demi nem mesmo escovou os dentes, vestiu a roupa da noite anterior e disse a Selena que iria embora se arrumar para o trabalho. E Sel não disse nada, assentiu e viu a amiga partir às pressas sem saber exatamente o que poderia fazer.

Pegar um táxi deveria ter agilizado a ida para casa, mas o carro ficou preso no engarrafamento da manhã por pelo menos dez minutos. Demi se arrumou rápido para ir trabalhar certificando-se em se vestir de preto porque a cor não a complicaria como a péssima escolha de roupa que tinha feito dias atrás. Ela chegou quase trinta minutos atrasada, e resolveu que não sairia do escritório para nada. E a fome veio, sim, ela estava faminta porque eram quase dez horas da manhã e estava sem comer. Demi arriscou olhar pelas brechas da persiana procurando por Selena, e quando a avistou sentada a cadeira giratória e tentando se concentrar no trabalho, ela soube que era a oportunidade perfeita para ir ao refeitório.

Abrir a porta sem chamar atenção exigiu muito esforço e Demi tentou não olhar na direção de Sel, apressou o passo certificando-se que o sapato de salto não faria barulho e foi um alívio quando ela estava sozinha. Descer de elevador estava sem condições, então tranquilamente Demi desceu o jogo de escadas que levaria ao refeitório. Naquele horário todos estavam trabalhando, então o lugar estava tranquilo. Demi pediu por rosquinhas e para acompanhar uma xícara com café com leite. Ela se acomodou na mesa de sempre, e conforme comia sem muita pressa, fitava a vista panorâmica da janela daquele andar. As pessoas pareciam formigas e os carros brinquedos, Demi observou o movimento da cidade como gostava de fazer de mente limpa e com a melhor sensação de paz depois de tantas turbulências.

   - Demetria. – O susto foi tão grande que Demi quase derramou o café com leite e engasgou com a rosquinha. – Eu não queria assusta-la. – Disse Ed puxando a cadeira a frente e Demi piscou algumas vezes sentindo o coração começar a acelerar porque ela estava com medo de Selena aparecer. – Eu realmente sinto muito por tudo que aconteceu. Quando o Joe me contou, eu não soube o que fazer e nem como aconselha-lo. Quero que saiba que nossa intenção não era machuca-la, nós só queríamos te proteger de alguma forma. – Ed estava sem jeito e parecia realmente preocupado, já Demi só conseguia pensar no que ele faria caso descobrisse o que tinha acontecido na noite passada. – Nós fizemos a escolha errada e você tem todo o direito de ficar chateada, nós entendemos. – Que droga! Demi umedeceu os lábios e não disse nada, fitou a vista pela janela tentando esquecer Selena e fitou os olhos de Ed observando como o verde era bonito.

   - Eu realmente estou chateada, vocês deveriam ter me contado o quanto antes. – Disse por que era o que ela teria feito. – Mas eu.. Hum.. – Murmurou fitando os olhos do amigo. – Eu estou tentando entender e sei que vocês não fizeram por mal.

   - O Joe sente a sua falta. – Disse Ed um pouco mais à vontade e o coração de Demi disparou no peito. Ela sentia muito a falta de Joe e o lado emocional já tinha o perdoado, mas o racional... E depois do que tinha acontecido com Selena, ela não sabia o que fazer.

   - Eu ainda estou chateada e pensando a respeito de tudo que aconteceu, então eu vou continuar na minha. – Demi sustentou o olhar de Ed e só o desviou quando voltou a comer.

   - Eu entendo, não faria diferente se estivesse no seu lugar. – Ed buscou pelo celular no bolso e Demi continuou a comer tentando não pensar em nada. E quando ela terminou, aceitou a companhia do amigo na volta para o departamento. Eles subiram de escada trocando poucas palavras e não foi nada desconfortável, só estranho para Demi porque ela pensava na reação de Ed quando soubesse..

E era claro que eles tinham que topar logo com Selena quando chegaram ao departamento. Todo mundo tinha resolvido usar a escada? Demi apostava que Sel iria descer de escada pelo menos motivo que ela. Foi uma droga! Quando Selena avistou Ed, a postura mudou completamente e ela fez questão de fuzila-lo com os olhos e fechar a cara, já Ed quase se encolheu de medo da namorada, mas resolveu não confronta-la como fez na noite em que brigaram.

   - O Marcus está no seu escritório. – Disse Selena a Demi tentando soar normal, porém Ed a irritava e a situação com Demi também.

Marcus a esperando cheirava a problema. Demi assentiu nervosa com toda a situação e despediu-se de Ed com um sorriso forçado, e ele não a deixou ir sem envolvê-la num abraço e beija-la carinhosamente na testa. Não porque queria pirraçar Selena, era que Demi era importante. E Ed também seguiu caminhou depois de trocar um rápido olhar com Selena, um olhar curioso e carente.

   - Srta. Lovato. – Demi fechou a porta do escritório e se aproximou para apertar a mão de Marcus que a esperava em pé aparentemente de bom humor.

   - Sente-se, por favor. – Disse educadamente se acomodando a poltrona e quando Marcus se sentou na poltrona onde geralmente os clientes da empresa se sentavam, Demi se sentiu nervosa com o que estava por vir.

   - Posso chama-la de Demi? – Ela não entendeu o que aquilo significava, mas assentiu prontamente. – Eu estou aqui em nome da Gyllenhaal para dizer que você terá todo o suporte necessário para se recuperar dos abusos do meu cunhado. – Demi franziu o cenho e arqueou a sobrancelha logo em seguida. Ao menos ela não levaria uma bronca.

   - O que aconteceu? – Perguntou sem conseguir esconder a curiosidade estampada nos olhos.

   - O Jake responderá por abuso sexual e você é uma das vítimas. Os crimes aconteceram dentro do ambiente de trabalho e é meu dever como presidente dar suporte a todas as vítimas. – Disse Marcus sem dispensar o tom profissional e elegante de sempre. – Sinta-se à vontade para procurar por ajudar, caso necessário. – Marcus desabotoou o paletó e sustentou o olhar de Demi sem dizer uma palavra, até que ele cruzou as pernas e enlaçou os dedos. – E não se esqueça das suas tarefas dentro da empresa, Srta. Lovato. – Por que diabos ele era tão misterioso? Demi franziu o cenho quando Marcus se levantou e saiu sem ao menos se despedir. Era melhor um estranho a um tarado, aquilo era fato.

Como sabia que tinha algo de errado acontecendo, Demi buscou pelo celular e atualizou o portal de notícias da cidade. Neto do multimilionário Jason Gyllenhaal é condenado por abuso sexual. A Gyllenhaal, que completará quarenta anos dentro de dois meses, perde pela primeira vez em vinte e nove anos a primeira posição nos principais rankings mundiais por conta dos escândalos que vem enfrentando. Era claro que Marcus estava tentando proteger a Gyllenhal. Não era porque ele gostava dela, era porque as coisas poderiam se complicar ainda mais para a empresa. Era daquela forma que funcionava o mundo dos negócios. As pessoas eram geridas apenas para trazer bons resultados, e para isso elas precisavam estar bem. Demi continuou a atualizar o celular. Assaltos, engarrafamento, reportagens sobre o inverno que chegaria em poucos meses.

Uma das foragidas do hospital psiquiátrico da Pensilvânia foi vista no centro de Nova York. Para informações, entrar em contato com a polícia.

A notícia não era familiar. Demi franziu o cenho tentando decifrar de quem pertencia o rosto da foto, porém a imagem estava ruim. Eram poucas as informações que a reportagem oferecia. Como eles poderiam querer encontrar uma pessoa se nem a foto e nome ofereciam? A única informação relevante era que a jovem tinha por volta dos vinte e três anos e que já tinha cometido um assassinato.

“Posso te buscar?” – Joseph. A mensagem tirou toda atenção de Demi da reportagem. Ela abriu a conversa com Joe e não soube o que dizer, mas quando percebeu já tinha enviado um “Sim.”.

A foto de perfil dele estava diferente. Demi sorriu quando ampliou a imagem. Aquela manhã de domingo tinha sido tão especial. Na foto ela estava de olhos fechados deitada com a cabeça no peito nu do namorado que sorria para foto. E para completar Lucy também estava com eles no meio da bagunça da cama. Demi também se lembrou que tinha sido muito bom fazer amor com Joe à noite toda e acordar tarde.

No resto do dia, a ansiedade a acompanhava. Aliás, várias sensações estavam presentes. Teve um momento em que ela não conseguiu se concentrar porque pensava em Inácio. Ela tinha um pai e pelo que se lembrava, sete irmãs. Era uma família grande! Muito grande e Demi se imaginou fazendo parte dela. Então quando a face de Dianna se projetou na mente, Demi franziu o cenho e pensou enquanto trabalhava no porque da mãe mentir e maltrata-la. Eram tantas coisas que o dia se resumiu em trabalho sem cessar e pensamentos aleatórios, ela nem mesmo saiu para almoçar de tão concentrada que estava.

   - Srta. Lovato, nós já encerramos. – Quando bateram à porta Demi apenas permitiu a entrada. E era o segurança da Gyllenhaal. Estava escuro! A vista pela janela era da noite em Nova York e Demi arregalou os olhos fitando o notebook e os papeis sobre a mesa de trabalho. – O seu namorado está lá em baixo esperando. – Ela assentiu e murmurou um obrigada começando a arrumar a mesa para ir embora. O celular estava cheio de notificações, porém nenhuma muito relevante. Só a mensagem de Joe, é claro.

Não tinha como arrumar muito a mesa porque no dia seguinte ela retomaria o que estava fazendo. O notebook foi desligado e os bolos de papel jogados no lixo. Demi pegou a bolsa, passou um pouco de batom nos lábios e saiu do escritório. As lâmpadas estavam apagadas e o que iluminava o departamento era a luz da lua.

Observando o departamento escuro, Demi franziu o cenho ao flagrar uma luminária acesa. A luz que vinha do interior da luminária era tão fraca que quase passou despercebido. Demi arrumou a bolsa ao ombro e caminhou até a mesa vez ou outra olhando para trás já que ela estava sozinha. O coração disparou ao se aproximar e quase parou ao encontrar Mary debruçada sobre a mesa, e o pior era que ela estava acordada e o olhar se fixou ao de Demi no mesmo instante que ela desligaria a luminária.

   - Você está bem? – Perguntou Demi tendo que engolir em seco porque ainda estava assustada. Mary sustentou o olhar dela por alguns instantes e se ergueu. – Eu.. Eu estava indo embora e vi a luz acesa. – Comentou desconcentrada e olhando na direção da luz do corredor na esperança de encontrar o segurança de mais cedo.

   - Acabei cochilando, hoje foi muito corrido e eu tive que resolver algumas coisas da mamãe. – Comentou Mary organizando a bolsa agilmente e Demi não deixou de notar a pasta que estava sobre a mesa. Não tinha nada com a Gyllenhaal, mas não dava para saber exatamente do que se tratava porque havia outros objetos sobre a mesa. – Eu estou bem Demi, obrigada por perguntar. – Ela disse a olhando nos olhos e Demi assentiu umedecendo os lábios e não gostando de estar sozinha com Mary.

   - O bom é que com a internet conseguimos resolver algumas coisas sem ter que sair de casa. – Comentou tentando quebrar aquele clima super estranho entre elas. – Enfrentar filas.. – O coração quase rasgou o peito quando Mary a olhou e assentiu. Elas caminhavam em direção ao elevador e quando chegaram perto do transporte, Mary pagou as luzes do corredor. – O que você está fazendo? – O desespero foi tão grande e o medo quase a sufocou.

   - Eu só estou apagando as luzes Demi, sempre as apago antes de sair. – O braço de Mary roçou o dela, o que só ajudou o coração acelerar e a face empalidecer. A sorte foi que as portas do elevador se abriram, assim iluminando onde elas estavam.

   - Achei que as luzes ficavam acesas. – Ela estava tentando manter o clima agradável e não parecer tão assustada sem motivo. Na verdade Demi ficava em estado de pânico quando se lembrava que Jason tinha sido morto alguns andares acima, e foi numa noite como aquela.. – Eu quero dizer... Os seguranças não fazem a ronda com as luzes apagadas. – Mary não a olhava, tinha um batom em mãos e o passava nos lábios com a ajuda do espelho do elevador.

   - Eles não passam por todos os departamentos. – Disse quebrando o silêncio quando terminou com o batom. – O que você acha? Essa cor combina comigo? – Demi fitou os lábios de Mary e assentiu a observando. Ela era bonita e delicada. O cabelo escuro impecável, a pele tão clara quanto a dela e os lábios avermelhados. O vestido preto e acinturado. E bem, o colar com pingente de joaninha estava no pescoço de Mary. – O que foi Demi? Você está estranha. – Demi fitou os olhos de Mary e depois o colar sem conseguir disfarçar a curiosidade e tudo que Mary fez foi esboçar um pequeno sorriso.

Era claro que Jake tinha mais uma amante. E ninguém suspeitaria de Mary, uma jovem tão discreta e de boa aparência. Talvez eles só queriam tirar o foco da relação a usando. Demi umedeceu os lábios e preferiu ficar em silêncio. Jake e Mary. Tão improvável que nem ela mesma acreditaria, porém as fotos estavam lá para provar.

   - Sabe Demi, eu achei a Selena tão triste hoje. Está tudo bem? – Perguntou Mary a olhando como se soubesse exatamente de tudo que tinha acontecido na noite passada.

   - Está tudo bem. – Demi não a olhou, colocou uma mecha do cabelo atrás da orelha e olhou com ansiedade para o painel que informava o andar que o elevador estava, sorte era que estavam chegando ao hall.

   - Eu acho que você deveria ao desfile com a gente no final de semana. Toda vez que saímos, a Selena comenta como sente a sua falta. – Demi sustentou o olhar de Mary e depois fitou o colar voltando a olha-la nos olhos.

   - Quem sabe. – Elas se olharam por segundos e Demi se controlou para não perguntou qual era o problema de Mary. As portas do elevador se abriram e elas se depararam com o segurança e Joe prontos para busca-las.

   - Demi. – Não tinha mais Mary, Selena e nem a confusão que Dianna tinha a metido mais uma vez. Demi sustentou o olhar do namorado e Joe o dela. Os corações dispararam no peito e o pequeno sorriso surgiu nos lábios. – Oi. – O sorriso dele era simplesmente lindo! Demi mordeu o lábio inferior para evitar um sorriso e se concentrou para agir normalmente, pois ela ainda estava chateada.

   - Oi Joseph. – Joe estava arrumado. E ele ficava tão absurdamente lindo de camisa social e gravata. Demi forçou um sorriso para ele e se aproximou para caminharem para fora da empresa. E Mary já tinha ido embora para a paz de Demi.

   - Você está muito bonita. – Ele comentou todo tímido quando saíram do prédio. A noite estava fantástica. O céu estrelado e limpo. A cidade movimentada e só porque estavam juntos, tudo parecia muito bom.

   - Você também. – Disse Demi fitando a aliança no dedo de Joe. – Onde você estava? – Perguntou caminhando ao lado dele e aos pouquinhos Joe conseguiu enlaçar os dedos aos dela. Foi tão bom que Demi sentiu arrepios por todo corpo e sorriu cabisbaixa.

   - Meu primeiro dia na escola. As aulas extras acontecem depois do turno da tarde até as seis e meia. – Joe sorriu de lado quando Demi ergueu a cabeça para olha-lo. Ele arrumou os óculos de grau ao rosto e umedeceu os lábios. – Você demorou, tudo bem? – Perguntou um pouco receoso a observando. Demi estava um pouco diferente e ele não sabia em que exatamente. Talvez era o fato dela estar vestida de preto, geralmente as roupas que ela vestiam eram alegres e joviais.

   - Hoje o dia foi produtivo e cheio, acabei me envolvendo muito com o trabalho e perdi a hora. – Disse fitando o trânsito e o movimento das pessoas. – E eu estou bem, nada de vômitos ou enjoos. – Comentou antes que Joe perguntasse. E ele ficou tão sem graça que as bochechas coraram.

   - Ah. Ainda bem. – Os dedos estavam enlaçados aos dela e eles caminhavam juntos pelas ruas de Nova York. Joe estava incomodado com a situação e sem saber o que fazer. – Posso pagar um sorvete de chocolate para você? – O carrinho de sorvete tinha sido enviado do céu, só podia ser.

Demi assentiu com um aceno o olhando nos olhos. E Joe adentrou o cabelo com os dedos porque estava nervoso. Então ele puxou a namorada pela cintura e a beijou na boca. Eles precisavam daquele beijo. Precisavam sentir como se amavam e como um sentia falta do outro.

A cintura delicada de Demi era apertada pelas mãos grandes. E as costas de Joe eram espalmadas pelas mãos pequenas. Eles se abraçavam com tanta fome e ganância. O beijo não tinha nada de delicado e não deveria acontecer em público, porém o sentimento que ele despertava era especial e forte.

   - Eu vou comprar sorvete de chocolate para você, amor. – Joe ofegava e a olhava nos olhos. O rosto estava próximo do de Demi a ponto dele sentir a respiração dela. – Vem. – Era para guia-la em direção ao carrinho de sorvete, mas Joe acabou com os lábios nos dela num beijo mais suave e rápido. – Vamos princesa. – O sorriso que eles trocaram foi tão bonito e apaixonado. Joe puxou Demi pela mão e quando eles pararam perto do carrinho do sorvete, o rapaz cumprimentou o sorveteiro e pediu o sorvete mais caprichado que ele poderia fazer.

   - Você é um amor. – Demi abraçou Joe de lado e quando ele se ajeitou para abraça-la por trás, ela enlaçou os dedos aos dele e ergueu a cabeça para olhar o namorado nos olhos. – Ei. – Ela sorriu quando Joe se curvou e depositou uma série de selinhos nos lábios dela.

   - Obrigado. – Disse Joe ao sorveteiro assim que o pagou. – Aqui amor. – Ele entregou o sorvete a Demi e aproveitou para colocar uma mecha do cabelo dela atrás da orelha.

   - Ei, obrigada. – Demi o olhou e Joe soube que ela queria um beijo, então ele se curvou e roçou os lábios nos dela.

Como era desastrada, Demi não segurou a mão de Joe porque tinha que manusear corretamente o sorvete para não se sujar. Foi engraçado e descontraído o tempo em que caminharam para casa. Eles não conversaram muito, focaram em observar a cidade e trocar beijos quando conseguiam.

   - Está entregue. – Agora não tinha jeito. Estavam em frente ao prédio de Demi, calados e pensando no que tinha acontecido.

   - Você quer sentar comigo um pouquinho? – Perguntou Demi timidamente colocando uma mecha do cabelo atrás da orelha e olhando para Joe.

   - Nós podemos fazer isso. – Demi se referia aos degraus da entrada do prédio. E foi ali que eles se acomodaram um ao lado do outro.

Para melhorar o clima, Joe enlaçou os dedos aos da namorada. Demi o olhou e deitou a cabeça no ombro largo gostando de sentir o cheiro de Joe. Eles poderiam ficar à noite toda sentados observando o movimento da cidade que não parava nunca! Era impressionante como os arranha-céus ficam bonitos a noite refletindo az luzes do postes e letreiros. Os minutos passaram e Demi já estava de olhos fechados sem se importar se alguns dos vizinhos do prédio que o adentravam olhavam para ela e Joe com certo receio.


   - Desculpa. – A voz de Joe soou suave chamando a atenção de Demi que o olhou nos olhos. – Eu deveria ter contado, quando resolvi que contaria não consegui. O que eu tinha para falar antes de você viajar era sobre os seus pais. Não tem três semanas que descobri. – Ele disse tirando os óculos de grau e logo umedeceu os lábios. – Foi um mero acaso. – Disse fazendo carinho nos dedos da namorada. – Eu estava no Central Park com o Augusto e a Lucy. Nós estávamos conversando sobre a namorada dele, a Hannah. – Disse Joe fitando o rosto de Demi e se lembrando da menina. – O Augusto disse que estava tendo problemas com o pai da Hannah depois que a mãe dela faleceu. Ela ainda é uma menina, tem dezessete anos, se não me engano e ele já é maior de idade. – Demi assentiu e Joe acariciou o rosto dela antes de beija-la brevemente arrancando um tímido sorriso. – Eu tentei aconselhar o Augusto, disse que era melhor contar a verdade. A Hannah ligou mais tarde e eu acompanhei o Augusto que iria encontra-la porque já estava indo embora com a Lucy. Nós conversamos um pouquinho e o pai da Hannah apareceu furioso, era o mesmo homem que nós encontramos no cemitério com a sua mãe. – Joe sustentou o olhar curioso de Demi e enlaçou os dedos aos dela novamente. – O Augusto se referiu ao Edward como Sr. Lovato antes da gente encontrar a Hannah. Eu pensei que era impossível ser a mesma pessoa porque coincidências desse tipo são raras. A Hannah é tão parecida com você, amor. Vocês têm as mesmas sardas, a pele clara e o cabelo castanho. Ela é uma menina muito bonita e educada.

   - E o que aconteceu? – Demi perguntou engolindo em seco porque toda vez que ela pensava sobre Inácio, não sabia como agir.

   - Eu só descobri que o Edward era o seu pai porque o Augusto se referiu a ele como Sr. Lovato e por conta da semelhança entre você e a Hannah. – Resumiu e Demi assentiu. – Então o Inácio deu uma senhora bronca na Hannah.. E bem, ele não gosta muito do Augusto e nem de mim. – O sorriso que nasceu no rosto de Demi foi inevitável. Era por isso que Edward tinha implicado tanto com Joe no restaurante e sempre a tratou com muito carinho.

   - O nome dele é Inácio Edward Lovato. – Comentou Demi se lembrando das tantas vezes que tinha olhado o nome do pai no registro de nascimento. – Eu sempre quis conhecê-lo. – Disse deitando a cabeça no ombro de Joe. – Eu estou chateada com você, não posso mentir sobre isso. Eu gostaria muito que você tivesse contado porque eu contaria. Se você me conhecesse muito bem, saberia que eu esperaria por isso. Mas eu também estou tentando te entender. Nós temos pouco tempo juntos, então não temos muitas experiências um com o outro. E situações desagradáveis como essas, infelizmente servem para nos conhecermos melhor. Sei que você não quis me machucar ou agiu de má fé, só quero que saiba que me machucou. – Joe franziu o cenho, mas entendia muito bem o que Demi queria dizer. Ela tinha razão e era bom saber que ela sempre diria tudo a ele. – Eu não sei exatamente como estou agora. Eu só quero ser alguém melhor, só quero viver a minha vida com as pessoas que merecem estar ao meu lado e que eu as mereça. Resolvi que vou extrair a melhor lição sobre tudo que vive nos últimos dias. Doeu, mas não vai doer mais porque não vou permitir que me machuquem novamente.

   - Eu não vou te machucar Dem. Nunca foi a minha intenção. – Disse Joe se sentindo culpado.

  - Eu sei que não. – Ela deu um beijo suave nos lábios dele e sorriu gostando de como a barba estava crescendo. – Eu te amo, Joseph. Amo como nunca amei ninguém. Só não me machuque de novo, ok? – Disse o olhando nos olhos e Joe assentiu encostando os lábios nos dela para trocarem um beijo.

   - Eu também te amo. Foram dias horríveis. Não consigo ficar mais sem você. – Ele disse de cenho franzido encostando a testa a dela.

   - Eu ainda vou ficar na minha, ok? – Disse depois de beija-lo na boca. – Preciso de um tempo sozinha. – Joe assentiu de coração partido. O que ele mais queria era poder ficar com Demi, mas iria respeitar a decisão. – Você pode me buscar no trabalho, ligar e mandar mensagens. Não quero ficar completamente longe de você.

   - Nós podemos namorar? – Perguntou um pouquinho desesperado e Demi riu começando acaricia-lo no rosto. – Amor, o que você vez no cabelo? Está diferente. – Ele murmurou beijando os dedos dela todo sedento por carinho.

   - Cortei. – Demi sorriu quando Joe arqueou as sobrancelhas surpreso. Ele fitou as mechas e enlaçou os dedos nelas.

   - Gosto do seu cabelo grande, mas ficou bonito. – Era claro que ele gostava. Demi tornou a sorrir gostando de ter toda atenção daquele homem.

  
   - Nós podemos namorar, mas não hoje. – A cara dele foi a melhor! – Estou com saudade do meu nerd tímido, você está ficando muito safado. – Sussurrou para ele apenas para ver as bochechas de Joe corarem. E era tiro e queda.

   - Aah, Dem! Isso é ruim? – Ela pegou os óculos das mãos dele para coloca-los ao rosto de Joe, acariciou a barba e arrumou o cabelo curto num topete descontraído que deixava Joe muito fofo, principalmente porque os olhos dele transbordavam carência.

   - Não é ruim. Contando que você não pare de corar. – Os dois riram quando a senhora que morava no mesmo andar que Demi subiu os degraus da escadinha e quando os viu abraçados, balançou a cabeça e murmurou um indiscreto: Jovens.. – Joe, eu tenho que te contar uma coisa. – Se ela queria que Joe fosse sincero, ela também deveria ser. O olhar dele estava fixo ao dela e Demi engoliu em seco sentindo o coração acelerar porque ela não sabia como administrar a situação e estava com medo. – Ontem.. Ontem eu fui a casa da Selena. – Disse cabisbaixa e as bochechas coraram tanto.

   - Estou ouvindo. – Joe não entendeu o porquê de Demi ficar tantos minutos calada e cabisbaixa, ele estava começando a ficar preocupado. – Você está passando mal? – Perguntou erguendo o rosto de Demi o encontrando corado.

   - Nós.. Nós.. – Demi cobriu o rosto com as mãos e respirou fundo algumas vezes quando Joe pediu que ela o fizesse pacientemente. – Nós trocamos.. trocamos um beijo. – Não tinha sido apenas um beijo, só era que foi extremamente difícil dizer aquela frase, tanto que ela soou muito baixa e carregada de medo.

Demi não olhou para Joe porque sentia que tinha feito uma enorme besteira e receberia a consequência. Já Joe estava estático tentando processar o que tinha ouvido. Ele não estava chateado, só surpreso, muito surpreso.

   - Você não vai falar nada? – Demi arriscou olha-lo, mas logo desviou o olhar para o prédio a frente. Ela estava com vergonha.

   - Você e a Selena se beijaram? – Joe perguntou tão naturalmente que Demi murmurou um palavrão e tornou a cobrir o rosto com as mãos. – Como isso aconteceu? – Ele perguntou e não teve como não fuzila-lo quando o olhou.

   - Joseph, é sério. Simplesmente aconteceu. Não foi algo que nós planejamos, só aconteceu e não sabemos o que fazer. – Murmurou toda manhosa e Joe a abraçou de lado.

   - Eu não estou chateado. – Disse depois de beija-la na bochecha. – Se você tivesse beijado um cara, seria muito diferente... – Explicou sério a olhando nos olhos. – Olha, eu e o Ed.. Na verdade mais o Ed que eu, sabemos que a amizade de vocês é diferente. – Demi franziu o cenho, mas assentiu pensando no que o diferente significava. – O que esse beijo significou para você? – Perguntou a olhando nos olhos e Demi sustentou o olhar dele tentando encontrar a resposta que definia o que ela sentia.

   - Foi um beijo que aconteceu num momento que nunca imaginei que aconteceria. O que significa.. – Demi colocou uma mecha do cabelo atrás da orelha e fitou os dedos enlaçados aos de Joe. – Foi especial e eu gostei. – Disse corada por estar assumindo em voz alta e para o namorado. – Mas não muda nada do que sinto por você e nem pela Selena. Eu só não sei o que fazer.

   - Vocês não conversaram a respeito? – Perguntou Joe aliviado por ter ouvido aquelas palavras. Por um momento ele pensou que poderia perder a namorada.

   - Não mesmo. Estamos nos evitando desde ontem. – Ela nem fazia ideia de quando conversaria com Selena, e nem sabia se queria.

   - Vocês terão que conversar a respeito. – Ele disse a olhando nos olhos. – Eu estou tranquilo. Só não a beije de novo. – Murmurou desconfortável e Demi assentiu. – Demi, se um dia você não quiser mais ser a minha garota, faça como você fez hoje. Eu prefiro saber por você. – Demi franziu o cenho e negou o olhando nos olhos.

   - Você não corre esse risco. – Disse encostando a testa na dele e brevemente roçou os lábios. – Desculpa. Eu não queria magoa-lo.

   - Eu estou bem. Posso conviver com isso só porque é a Selena. – Disse estudando o rosto dela com a ponta dos dedos. – Obrigado por contar. – Ela não esperava pelo beijo na testa, mas o recebeu de bom grado e abraçou Joe ternamente.

   - Eu te amo muito. – Murmurou contra o peito dele se sentindo protegida.

   - Eu também te amo. – Joe ergueu o rosto dela e disse aquelas palavras a olhando nos olhos, então ele a beijou com carinho e amor.


Continua... Postei e saí correndo. Espero que vocês gostem desse capítulo assim como eu. Ele diz muito sobre várias coisas que vem rolando há tempos.. É um capítulo importante. Então obrigada pelos comentários e visualizações, até mais meninas!