30.1.17

Capítulo 32 - Parte 3/3


   - Dem? – Joe a puxou mais para ele a impedindo de se levantar. Demi sorriu o achando fofo. Ela tinha passado boa parte da noite acordada o observando dormir. Havia perdido o sono porque não conseguia parar de pensar em como terminaria com Jake e o dia amanheceu que Demi nem percebeu. – Ei, para onde você vai? – Perguntou quando sentiu os dedos delicados dela envolver a mão dele para afastá-la da cintura.

   - Para casa, não posso chegar atrasada. – Ela adentrou a cabeleira escura dele com os dedos e Joe a abraçou forte contra o peito nu. – A gente se encontra na empresa amor. – Disse e ele ronronou um não manhoso.

   - Eu queria tomar café da manhã com você. – Disse se erguendo e se espreguiçando. Aqueles músculos eram de tirar o fôlego! – Pelo menos uma vez. – Demi forçou um sorriso e deu um leve selinho nos lábios dele.

   - Eu também queria, mas já são sete e meia. – Resistir aos encantos dele era realmente difícil. Joe estava tão manhoso e beijável a puxando para os braços dele. – Não se esqueça de tomar a insulina, e não fique sem comer, nós podemos almoçar juntos em um restaurante, o que você acha? – Relutante ele assentiu não gostando da ideia de ficar sem ela.

   - Você realmente vai me deixar sozinho? – Perguntou se erguendo para olhá-la.

   - Não seja manhoso Joe, a gente se encontra daqui a pouquinho. – Ela o beijou no peito e sorriu para ele. – Vou me vestir. – Ele não disse nada, apenas a observou se vestir. – Não demora, ok? – Quando Demi já vestia o vestido e calçava o sapato ela se curvou para beijá-lo e acariciá-lo no peito. – Eu te amo! Não faz essa carinha. – Joe só cedeu quando ela o beijou ternamente.

   - Eu também te amo e já estou com saudade. – O objetivo era parecer emburrado, mas Joe acabou sorrindo quando Demi se levantou segurando a mão dele. – Só mais um beijo. – Demi revirou os olhos, mas distribuiu uma série de beijinhos carinhosos nos lábios dele.

  - Eu te amo! – Disse novamente da porta do quarto e só depois de jogar um beijo para ele, ela saiu do apartamento apressada por conta da hora. O sorriso não saia dos lábios dela, dormir com Joseph tinha sido maravilhoso e ela também tinha que confessar que já sentia a falta de ter aqueles olhos verdes intensos a fitando, e olha que ela ainda estava no elevador!

A manhã daquela linda e agitada cidade arrancou um sorriso de Demi. Estava cedinho, o sol brilhava no céu carregado com algumas nuvens em formato de algodão e o movimento de pessoas e carros era grande. Como o apartamento de Joe ficava perto do dela, Demi travessou uma rua e andou pouco mais que cinco minutos até que estava em frente ao prédio em que morava.

   - Que cara é essa? – Da última vez que ela tinha encontrado Selena no hall do prédio naquele horário, Sel estava chorando e desesperada porque Jason estava morto.

   - A Gyllenhaal está interditada, o FBI está investigando novamente. – Demi respirou aliviada por não ser nada grave. – Provavelmente voltaremos à tarde, mas agora na parte da manhã sem chance. – Demi assentiu e adentrou ao elevador junto com a amiga. – Você estava com o Jake? – Perguntou com tanto receio que Demi revirou os olhos com bastante vontade.

   - Eu estava com o Joe! – Resmungou se fingindo de ofendida e Selena respirou a abraçando de lado.

   - Vocês dormiram juntos? – Perguntou sorrindo ao olhá-la e só depois de alguns segundos que Demi assentiu alargando ainda mais o sorriso de Sel.

   - Ele foi me buscar no hotel. Ele estava uma gracinha Sel! – Selena sorriu ao ver Demi sorrir. Qualquer pessoa que a olhasse conseguiria notar que ela estava apaixonada.

   - Ele estava preocupado Dem. – Demi assentiu e as duas saíram do elevador quando as portas dele se abriram no andar onde ela morava. – Espera, se o Joe foi te buscar, e o Jake? – Quando destrancou a porta e adentrou o apartamento, Demi tirou os sapatos de salto e caminhou diretamente para o quarto.

   - Bem, o Jake ficou bêbado. – Murmurou ficando de costas para que pudesse tirar o vestido. – Ele conhecia boa parte do pessoal e estava muito íntimo de todos. Seria impossível terminar com ele naquele estado. Quando desci para pegar um táxi o Joe estava lá me esperando. – As duas sorriram e então Demi adentrou o banheiro para cuidar da higiene.

   - O que você vai fazer? – Perguntou Sel se deitando na cama de Demi e abraçando a gatinha de pelúcia.

   - Vou terminar com ele agora. – Disse do banheiro ainda com a boca cheia de creme dental e tudo mais. A cada minuto que submetia Joe àquela situação a consciência pesava.

   - Você está falando sério? – Quando Selena se encostou ao batente da porta do banheiro para olhar para os olhos de Demi, as duas coraram levemente, então Demi assentiu. – Não acha melhor esperar até depois da conferência? Aposto que o Jake deve estar uma fera por conta da situação da empresa. – Demi assentiu entregando a escova de dente para que Sel a guardasse no closet.

   - Sel, eu não quero mais magoar o Joe. – Ela não conseguia fitar os olhos de Selena por conta do box do banheiro, porém não se sentia desconfortável por estar tomando banho e conversando com a amiga. – Ele não merece. Ele é sincero comigo, ele me protege e quando diz que me ama, eu sei que é verdade porque consigo enxergar nos olhos dele. Não vou arriscar perder o homem que eu amo e que eu quero construir a minha família. – Durante o banho Demi contou para Selena como estava se sentindo com toda a situação com Jake e Joseph, e Sel a ouviu sem julgá-la. Era embaraçoso demais estar com os dois ao mesmo tempo e independente do caráter de Jake, ela também estava mentindo.


   - Você quer que eu te leve lá? – Perguntou Sel buscando por uma das camisas que Demi adorava vestir com jeans e all star.

   - Se você tiver tempo. – Sel era simplesmente a melhor amiga que uma mulher poderia ter. Demi sorriu ao ver a estampa da camisa que Sel tinha escolhido, era a sua favorita: a camisa com o símbolo da mulher maravilha no peito. – Eu te amo! – Quando Selena a abraçou por trás mesmo com ela sentada Demi a beijou na bochecha e se organizou para vestir a camisa. – Estou pensando no Joe, ele queria tomar café da manhã comigo. – Ela arregalou os olhos e buscou o celular para enviar uma mensagem para avisar o namorado que a empresa não funcionaria naquela manhã. – A gente nunca tomou café da manhã como namorados. – Murmurou entretida com o celular.

   - Dem, você está se protegendo, certo? – Aquele olhar.. Selena levou a mão à testa e quando olhou para Demi cerrou os olhos. – Você sabe que anticoncepcional não é confiável. – Demi revirou os olhos enquanto calçava o all star.

   - Sel, nem um método é completamente seguro. – Disse assim que fitou os olhos de Selena. – Nós não tínhamos preservativos ontem à tarde e à noite no chuveiro.

    - Eu vou te mandar mensagem todos os dias para você não se esquecer de tomar a pílula. – Demi tornou a revirar os olhos, mas não dispensaria a ajuda de Sel já que às vezes se esquecia daquele pequeno detalhe.

   - Vou falar com ele, ok? Agora toda vez que estiver na hora de colocar a camisinha eu vou me lembrar de você. – Selena arregalou os olhos, mas riu dando um tapa no bumbum de Demi.

   - Você não perde a oportunidade! – Elas riram e se pirraçaram por um tempo até que Demi recebeu uma mensagem de Joe e parou tudo que estava fazendo para dar atenção para o namorado. – Você é definitivamente a pior e mais mal educada dona de casa que existe. – Demi franziu o cenho ainda fitando o celular e só alguns segundos depois olhou para Selena ainda surpresa. – Eu estou com fome, Dem! – Como ela não tinha adivinhado? Caminhou para a cozinha ainda entretida com o celular e daquela mesma forma colocou todos os alimentos que tinha para o café da manhã sobre a mesa.

   - A minha comida é toda para você, esfomeada. – Para pirraçar, Selena deu um jeitinho de se sentar no colo de Demi a abraçando toda manhosa. – Você sabe ser chata quando quer. – Disse mal humorada tentando responder Joseph.

   - Custa me dar um pouquinho de atenção? Você já passou a noite com o Joe e até o Jake vai ter um pouco do seu tempo. – Ah! Era ciúme! Demi se despediu de Joe e desligou a tela do celular o colocando sobre a mesa.

   - Você também está me trocando pelo Ed. – Disse tão manhosa quanto Selena a abraçando e repousando a cabeça nos seios dela. – Sel, não me entenda mal, mas você é pesada. – Qual a parte do “não me entenda mal” que Selena não tinha entendido? – Eu não estou te chamando de gorda! – Defendeu-se antes que o discurso começasse.

   - Primeiro: eu não estou te trocando! Você é quem está me trocando. – Os garotos nunca entenderiam como aquela amizade funcionava, era tão importante quanto um casamento. – Segundo: Deus, Dem! Eu tinha entendido o que você queria dizer, mas você acabou estragando tudo quando disse: Eu não estou te chamando de gorda! – Aquele drama duraria uma eternidade! Demi levou a mão à testa e suspirou pesadamente sem saber o que faria.

   - Por favor, não tenha uma crise agora. Eu te amo e é o que importa. – Ela tentou fazer a cara mais convincente, até um biquinho estava incluso, mas Selena continuou fingindo estar emburrada. – Vamos cozinhar, ok? – Comida realmente mudava todo o contexto. Demi sorriu junto com Selena e elas cozinharam abraçadas. – Sel, estou preocupada. – Disse alguns minutos mais tarde revirando os pedacinhos de maçã no prato com o garfo.

   - Ei, se você quiser eu vou com você. – Demi bebericou o leite enquanto pensava na possibilidade.

   - Está tudo bem. Se você puder me deixar lá, está de bom tamanho. – Ela não colocaria mais ninguém em risco. Não sabia como Jake reagiria, mas independente de como fosse, assumiria a situação sozinha. – Estou pensando no Joe. Não quero esconder o nosso relacionamento. E se o Jake aprontar alguma coisa com ele? E se ele o despedir? – Era complicado. Vindo de Jake se podia esperar tudo.

   - Dem, você não ama o Jake. O que os liga? Sexo? Mesmo se a situação fosse outra, vocês teriam que resolver esse relacionamento estranho. Só diga que não está mais interessada, ele não pode te obrigada a nada. E você é livre para decidir com quem fica, se ele tentar fazer alguma coisa só mostra como ele é imaturo. – Como sempre Selena tinha razão. A relação com Jake não iria para frente nem mesmo se ela não estivesse apaixonada por Joe. Jake era diferente dela, eles tinham pouquíssimas coisas em comum e no começo o sexo tinha funcionado bem, apenas no começo já que Demi tinha passado por uma barra na última vez que esteve na cama do rapaz.


   - O Joe vai passar aqui para me dar um beijo. – Estava nervosa, mas sorria de orelha a orelha só porque estaria nos braços de Joe em pouquíssimos minutos.

   - Você contou para onde vai? – Perguntou Selena esperando que Demi trancasse a porta do apartamento.

   - Ainda vou contar. – Pelo celular seria desagradável, Demi já se sentia péssima por deixá-lo sozinho na cama naquela bela manhã. – Espere um pouco. – Disse destrancando a porta. Por precaução levaria a cópia da chave do apartamento de Jake que ele tinha dado a ela no início do relacionamento.

   - Uma chave? – Perguntou assim que Demi voltou e mostrou a chave.

   - É do apartamento do Jake. – Disse voltando a trancar a porta. – Por segurança. – Sel envolveu o braço ao dela e juntas elas caminharam em direção ao elevador. – E se o Joe quiser ir comigo? – Perguntou fitando os olhos de Selena.

   - Bem, ele foi atrás de você ontem. – Sel colocou uma mecha do cabelo da amiga atrás da orelha. – Você não vai avisar o Jake que está indo para o apartamento dele? – Perguntou quando as portas se abriram já no hall do prédio.

   - Não, já são quase nove da manhã. Ele estará lá. – O sorriso surgiu nos lábios de Demi ao vê-lo. E bem, o ciúme também. Ela podia notar como ele chamava a atenção das mulheres mesmo dentro dos carros e as que caminhavam por ali. Como não olhá-lo? Ele estava lindo vestindo aquela regata que revelava como os braços eram fortes e a barriga malhada. E as pernas dele? Firmes e másculas naqueles shorts de corrida. O melhor de tudo foi quando ele sorriu para ela! Inicialmente Demi ficou um pouco zonza de paixão, fitou os lindos olhos verdes dele e suspirou pesadamente.

   - Oi meninas. – Joe cumprimentou Selena com um beijo na testa e quando olhou para Demi as bochechas coraram e ele sorriu. – Oi gatinha. – Ele a abraçou pela cintura e beijou os lábios dela com toda a paixão que tinha por um momento se esquecendo de que estavam em público. Selena, que os observava, não conseguia parar de sorrir confirmando consigo mesma que Joe e Demi eram a combinação perfeita. – Você está linda.  – Os dedos dele se enrolaram na mecha de cabelo castanho dela, e Joe observou admirado como o marrom dos olhos de Demi combinava com o marrom do cabelo. Era uma combinação linda.

   - Você está lindo.  – As mãos espalmaram o peito largo e Demi se esforçou para alcançar os lábios dele, mas acabou o beijando no queixo, o que fez Joe rir. – Para onde você está indo? – Já podia imaginar todas as mulheres que se lançariam sobre Joe. Ela mesma não tinha resistido e o beijou no Central Park porque ele estava lindo todo coradinho e sem jeito.

   - Correr um pouco. – Ele não podia sorrir daquela forma! Era tão sexy como o sorriso tímido se moldava nos lábios dele e as bochechas estavam automaticamente coradas. – E você? – Demi se agarrou ao corpo dele manhosa. Por que diabos Joe tinha que ser tão bonito?

   - Eu.. – O que falaria? Demi olhou para Sel e depois para os olhos de Joe. – Estou indo terminar com o Jake. – Ótimo! O sorriso sumiu dos lábios dele e Demi sentiu cada músculo perfeito ficar tenso.

   - Dem.. – Se fitaram sem ousar em desviar o olhar, e Demi pode ver como Joe estava preocupado. – Não precisa fazer isso agora. – Disse acariciando o queixo dela. – Posso esperar até a conferência. – Joe olhou para Selena que também o olhava e sorriu sabendo que ela aprovava a atitude dele.

   - Amor, eu preciso fazer isso agora. – Demi era teimosa e não tinha quem tiraria aquela ideia da cabeça dela. – Não aguento mais viver com isso. – Joe respirou fundo fitando os olhos dela e logo o outro lado da rua. Não podia mentir para ela, ele também não suportava mais aquela história. – Eu estou me sentindo péssima e suja. – Ora, quando ele a olhou estava de cenho franzido a repreendendo, mas o que Demi poderia fazer? Era como ela realmente se sentia. Estava com Jake, então começou a beijar o melhor amigo porque não conseguia se controlar perto dele. Era errado.

   - Não diga besteiras. – Ele umedeceu os lábios e enlaçou os dedos aos de Demi fitando aquela conexão. – Posso ir com você? – Perguntou. Seria melhor, ele poderia protegê-la caso Jake surtasse.

   - Não, eu vou fazer isso sozinha. – Demi o olhou e olhou para Selena. – Consertarei o meu problema. – Joe respirou fundo adentrando o cabelo com as mãos e Selena mordeu o lábio inferior pensando em como tentaria contornar aquela situação.

   - Dem, ele é perigoso! – Disse Sel fitando os olhos da amiga. – Você não deve ir Joe, seria muito óbvio.. – Joe acabou assentindo contra vontade. – Mas não tem problema se eu for com você. – Demi negou balançando a cabeça. Era ótimo saber que os amigos estavam dispostos a ajudá-la lutar contra o dragão, mas não era algo que ela deveria deixar acontecer.

   - Sozinha! Ok? Eu sou grandinha, se o Jake me atacar, eu grito, corro, tento atacá-lo de volta, eu só preciso fazer isso sozinha. Vocês já se arriscaram muito por mim, não vamos pensar negativo. Vai dar tudo certo. – O sorriso forçado não funcionou, Joe e Selena continuavam com aquela mesma feição preocupada e receosa. – Você vai correr e a senhorita vai me dar uma carona. – Disse os empurrando para que pudessem descer os degraus até a calçada.

   - Você é tão teimosa! – Reclamou Joe sem olhá-la e Demi revirou os olhos.

   - Teimosa? Quando ela coloca uma coisa na cabeça não tem quem tira. Parece uma mula empacada. – Demi arregalou os olhos e os cerrou ao fitar Selena.

   - Você me chamou de mula? – Se a situação não fosse outra e não estivessem em público, com certeza elas começariam uma briga física e trocariam muitos insultos. – Olha, vocês podem marcar para falar mal de mim outra hora, agora eu tenho uma bomba para desarmar. – Joe arqueou as sobrancelhas e Selena deu de ombros.

   - Não faz essa cara, a gente só quer te proteger. – Selena conhecia muito bem aquele olhar assassino, mas resolver ignorá-lo, caso contrário Demi explodiria ali mesmo.

   - Não sou um bebê. – Disse Demi. Ah! Ela odiava discutir com Selena, principalmente quando era sobre aquela coisa de proteção. E quando ela disse que não era um bebê, bem, soou como se ela realmente precisasse de proteção.

   - Você não vai ficar emburrada, vai? – Quando Joe a abraçou pela cintura e a beijou no pescoço Demi corou surpresa e Selena arqueou uma sobrancelha preferindo desviar o olhar do casal de amigos já que ela não queria deixar ninguém vermelho de vergonha, mas era inevitável não olhá-los, eles combinavam em todos os aspectos e formavam um casal bonito. – Deixe um sms de socorro preparado, caso aconteça alguma coisa eu vou o mais rápido possível de buscar. – Ele apertou a ponta do nariz dela com o dedo indicador e sorriu observando como ela era linda.

   - Ok, Senhor delícia. – Ela não tinha dito aquilo em voz alto, tinha? Demi corou e mordeu o lábio inferior fitando aqueles lindos olhos de Joe. – A gente se vê no almoço, o que você acha? – Joe assentiu corado, se curvou e roçou os lábios aos da amada.

   - Tenha cuidado. – Demi assentiu acariciando o rosto dele com as mãos e então o beijou como realmente desejava: lento e intensamente. – Tchau Sel. – Ele estava corado porque Selena tinha presenciado tudo. – Eu amo você princesa, até mais tarde. E de novo, tenha cuidado. – No final das contas Demi ofegava e sorria vendo Joe atravessar a rua. Ele tinha a deixado de pernas bambas com o beijo de despedida e louca para arrastá-lo para algum lugar privado.

   - Senhor delícia? – Estava demorando! Quando Demi voltou ao estado normal e fitou o sorriso de Selena, tudo que ela fez foi revirar os olhos. – Ele ficou vermelho Dem. – Selena sorriu de forma provocante fitando Demi enquanto elas caminhavam até o carro.

   - Você me chamou de mula! Eu deveria pegar um táxi só para te fazer sofrer com a falta da minha presença. – Demi cerrou os dentes com o tapa que recebeu no bumbum. – Você realmente quer começar aqui? – Perguntou pronta para atacar de volta, mas infelizmente elas estavam atravessando a rua.

   - Deus! Você é chata e tão convencida. Eu deveria pegar um táxi só para te fazer sofrer com a falta da minha presença. – O espírito adolescente nunca as deixaria. Mesmo usando sapatos de salto Selena correu para fugir de Demi que corria atrás dela com um sorriso que ia de orelha a orelha. – Demetria! Nós não temos mais dezesseis anos, ok? E as pessoas pensam que nós somos um casal. – Demi riu. Ela tinha os braços envolva do corpo de Selena a abraçando por trás. Era ótimo se lembrar dos dezesseis anos ao lado de Sel naquela cidade linda.

   - Quatorze Sel. Com dezesseis nós já éramos moçinhas compromissadas com os nossos namorados. – Sel riu cobrindo as mãos de Demi com as dela sem se importar com os olhares que recebiam.

   - Na verdade só você estava compromissada e transando no cômodo da bagunça do prédio onde sua mãe mora com o entregador de pizza mais sexy dessa cidade. – Quando elas se olharam sorriram confidentes. – Senhora delícia, essa baby look deixa os seus seios uma tentação. – Demi riu fitando os olhos de Selena e logo a blusa de babadinhos que ela usava por baixo do blazer.

   - Sel, quando a gente vai marcar para se pegar, sério? Você me deixa excitada. – Selena gargalhou alto e destrancou o carro logo o adentrando. – Você não tem noção de como esse conjunto ficou bem em você. – Selena era realmente uma mulher linda e Demi não tinha vergonha de elogiá-la. O cabelo longo e castanho tinha um charme único com leves ondas, a pele era morena clara e os olhos escuros. Sel era mais alta e magra que Demi e podia ser facilmente se passar como uma das angels da Victoria’s Secret.

   - Você também não tem noção de como fica um arraso vestida como uma geek sexy. – Eram um pouco diferente quando se tratava de estilo. Enquanto Demi preferia camisa com frases e rostos de super heróis, Sel optava por peças delicadas e românticas, mas elas sempre conseguiam entrar em um acordo. – Nervosa? – Perguntou quando parou o carro num sinaleiro.

   - Não muito. – Demi respirou fundo acomodando a cabeça no encosto do banco. – Vou pensar no Joe sem camisa, isso com certeza irá me acalmar. – Selena riu sabendo que Demi estava fazendo de tudo para relaxar e não deixar a tensão tomá-la.

   - Acalmar? – Bem, as bochechas de Demi coraram com o olhar que Selena lançou a ela. – Você está corada só de pensar no senhor delícia, eu não quero imaginá-los juntos. – Demi riu ainda corada fitando o movimento da cidade pela janela do carro.

   - Sel, você não tem noção de como ele é.. Hum.. – Ela mordeu o lábio inferior para conter um sorriso. – Gostoso. – Selena arqueou as sobrancelhas a olhando e Demi riu envergonhada. – Não vou entrar em detalhes específicos.. Ele só é um paraíso em forma de homem. – Os suspiros escaparam só em pensar em como era bom estar com Joe nu a beijando e a tocando da forma que só ele sabia fazer. Mas aí o carro parou e o coração de Demi quase saiu pela boca quando ela olhou para o outro lado da rua e viu que o prédio elegante era onde Jake morava.

   - Posso te esperar aqui. – Disse Sel atraindo a atenção da amiga. – Você não precisa fazer isso sozinha Dem. – Demi sorriu fraco e fitou os olhos de Selena.

   - Está tudo bem, ok? Se eu precisar, juro que vou ligar. – Disse colocando uma mecha do cabelo de Selena atrás da orelha. – Obrigada pela carona, a gente se encontra mais tarde, está bem? – Receosa Selena assentiu recebendo o abraço de Demi.

   - Tenha cuidado, não deixa esse maluco te machucar, e se ele tocar em um fio de cabelo seu, eu vou acabar com a raça dele. – Demi assentiu fitando os olhos de Selena e antes de sair do carro ela a beijou carinhosamente na bochecha.

Sem grandes problemas Demi conseguiu entrar no prédio já que o porteiro a reconheceu como a namorada de Jake e liberou a entrada. O prédio era tão luxuoso e cheio de pessoas que faziam jus a ele que por algum tempo Demi se sentiu mal por estar vestida com roupas comuns, principalmente quando ela adentrou o elevador e deparou-se com duas mulheres elegantes de nariz empinado. Se não fosse a tensão com o que estava por vir, Demi teria se preocupado com aqueles projetos de Barbie, mas ela estava tão nervosa que tudo que conseguia fazer era bater o pé no chão e morder o lábio inferior. O que diria? “Nós acabamos!”? Era prático, porém Jake questionaria, ele não facilitaria as coisas. Por que tudo estava andando tão rápido? Quando deu por si a porta do elevador já estava aberta no andar onde o rapaz morava e por um pouco ela não ficou para trás.

   - Respira! – Disse baixinho contando os passos até a porta do apartamento de Jake. Será que ela deveria usar a chave ou bater à porta? Qual era a melhor opção? A barriga chegou a doer e Demi se recostou na parede para que conseguisse se estabilizar. – Tudo bem, tudo bem. – Ela colocou uma mecha do cabelo atrás da orelha e reservou alguns minutinhos para respirar fundo contando até dez. – Você sabe o que tem que fazer, simplesmente faça. – Movida pela revolta contra Jake e tudo que ele tinha feito, Demi destrancou a porta do apartamento dele e o adentrou com o coração quase saindo pela boca. – Ok, respira. – Ela trancou a porta sem fazer barulho, encheu os pulmões de ar e estalou os dedos se preparando. – Jake? – Chamou com a voz firme e em bom som. – Jake? Você está aí? Sou eu, Demi. – Ela estava começando a ficar impaciente e quando resolveu conferir se Jake estava no quarto, ele apareceu caminhando a passo lerdo vestido apenas com as mesmas calças sociais da noite passada com uma caneca em mãos.

   - Princesa? – A surpresa dele era visível. Jake sorriu daquela forma que deixaria qualquer mulher louca por ele, colocou a caneca sobre a mesa da sala e caminhou até que estava em frente à Demi. – Você é a única coisa boa que me aconteceu até agora. – Oh, espere até alguns minutos.. Pensou Demi engolindo em seco quando Jake rodeou a cintura dela com os braços e a beijou no pescoço. O nervoso era tão grande que Demi não conseguiu afastá-lo. – Tudo está um inferno, sabia? Eles interditaram a empresa! Eu não sei o que vou fazer, uma manhã de trabalho jogada fora é muito prejuízo para a gente. – Demi assentiu fitando o peito dele porque não tinha coragem de olhá-lo nos olhos. – Está tudo bem? – Perguntou Jake se curvando para beijá-la novamente no pescoço, mas dessa vez Demi se esquivou do toque e levou as mãos ao peito dele para empurrá-lo. Aquele contato físico estava a deixando desconfortável. – Eu fiz alguma coisa ontem à noite? Não me lembro de como vim para casa. – Ela fitou brevemente os olhos dele e deu de ombros agarrando a alça da bolsa como se ali conseguisse forças.

   - Não, você não fez absolutamente nada. – Disse sem fitar os olhos dele. – Além de fitar bêbado, é claro. – O sorriso forçado foi retribuído por ele, Jake alcançou a caneca sobre a mesa e bebericou o líquido sem tirar os olhos de Demi. Algumas semanas atrás e ela estaria morrendo com a visão magnífica daquele homem. Jake era sexy, mas sem camisa ele conseguiria chamar a atenção até mesmo de outros homens. Só era uma pena que ele não valia um centavo.

   - Quer café princesa? – Aquele sorriso! Demi negou com um murmuro e abaixou a cabeça só para não revirar os olhos na frente dele. Ela estava imune a todo aquele charme, o único homem que conseguia deixá-la arrepiada dos pés a cabeça era Joseph. – Então...? – Por que ele era tão cafajeste? Aquele olhar sugestivo! Jake estava começando a deixá-la nervosa, mas era de uma forma que ele acabaria ficando seriamente machucado fisicamente...

   - Bem.. – Demi umedeceu os lábios, enrolou a alça da bolsa nos dedos da mão direita de uma forma que Selena a olharia feio caso estivesse presente. – Eu estou.. – Ela olhou incomodada para os lados com o olhar sugestivo de Jake. – Seja lá o que nós temos, acaba agora. – O olhar dele estava fixo no dela e o azul daqueles olhos que um dia a seduziu era uma pedra de gelo. Ele estava literalmente sem palavras e Demi não via a hora de ir embora.

   - Você está terminando comigo? – Disse Jake alguns minutos depois de um silêncio matador.  O sorriso e a forma que ele gesticulou as mãos a fez pensar em ligar para Selena ou Joe no mesmo instante. – É sério? – Jake levou a mão ao queixo o acariciando e sorrindo. – Posso ao menos perguntar o motivo? – Perguntou ainda com aquele sorriso cínico nos lábios.

   - Jake, olha.. – Demi respirou fundo sem saber o que dizer, nem nos olhos dele conseguia olhar. – Eu não estou apaixonada por você e nem você por mim. Nós somos diferentes. – Disse e engoliu em seco quando ele a tocou no braço direito sem muita gentileza.

   - Você acha que é ass.. – Antes mesmo que pudesse completar a frase, o barulho da maçaneta da porta girando chamou a atenção de Demi e de Jake criando uma tensão absurda entre eles.

   - Querido? – Querido? Demi franziu o cenho sem entender quem era aquela mulher, por que ela tinha um bebê no colo e chamava Jake de querido. – Jake, o que está acontecendo? – Perguntou observando como Jake agarrava o braço de Demi e ele a soltou no mesmo instante e levou as mãos ao cabelo. A mulher era alta de pele bronzeada e cabelo tingido de loiro e bem, ela arrastava uma mala e quando abriu mais a porta tudo que Demi fez foi arregalar os olhos.

   - Papai! – As vozes fininhas quebraram a tensão entre os três adultos. O que era aquilo? Além do bebê, havia duas crianças. Um menino e uma menina e eles tinham corrido para os braços de Jake e o chamado de papai! Demi estava tão surpresa que chegava estar pálida. Aquelas crianças eram dele? Tudo indicava que sim, elas eram a cópia de Jake: brancas, loiras e de olhos azuis.

   - Susan, eu achei que você chegaria no final de semana. – Jake teve a cara de pau de se aproximar da mulher e beijar os lábios dela mesmo sem ser correspondido. O que diabos estava acontecendo? Os olhos de Demi estavam tão arregalados e ela não sabia como reagir.

   - Jake, quem é essa mulher? – Perguntou a tal da Susan tão rude que aquelas miniaturas de bochechas rosadas estavam assustadas.

   - Que merda é essa Jake? – Foi tudo que Demi conseguiu dizer fitando os olhos azuis de Jake sem ousar em desviar o olhar do dele, e pela primeira vez ela o viu encurralado.

   - Ela.. – Jake desviou o olhar de Demi para fitar o chão. A voz dele soou falha quebrando o silêncio incomodo naquele apartamento que parecia se encolher cada vez mais. – Ela é uma das garotas do Marcus, você sabe como ele é. – Demi levou a mão à testa e respirou fundo não acreditando no que estava acontecendo. Jake tinha uma mulher e três crianças e ele tinha a chamado de prostituta na maior cara dura! – Ele não a pagou. Eu.. eu vou acertar com ela. – Tudo foi tão rápido que quando Demi deu por si Jake a arrastava para fora do apartamento pelo braço.

   - Você é casado? – Perguntou de cenho franzido ainda em choque e então o olhou nos olhos. – Aquelas crianças são suas? – É claro que são! Gritou a consciência e Demi precisou de alguns segundos para colocar tudo no lugar. – Filho da puta! – Ela não hesitou em acertá-lo com um senhor tapa certeiro no rosto deixando a região que tinha acertado avermelhada. – Você mentiu para mim esse tempo todo? – Só de pensar que ela tinha o ajudado a trair a esposa o estomago embrulhava e tudo virara uma tremenda bagunça. – Você mentiu para mim? – Perguntou ainda em choque o estapeando no peito e Jake a segurou com força pelos pulsos.

   - Cala a boca. – Ele a arrastou para dentro do elevador vazio e quando a olhou estava cheio de sarcasmo e ódio. – Dá para parar com esse showzinho? Nós dois sabemos que vadias como você não se importam se o cara é casado ou não. – Ela o acertou novamente com um tapa no rosto e Jake levantou a mão para revidar, só que não o fez. – Se você me bater mais uma vez eu vou acabar com esse rostinho lindo. – Ler revistas em quadrinhos de super heróis não era desperdício de tempo, Demi descontou toda a raiva em Jake o acertando com tapas e murros e quando ele foi revidar ela o acertou em cheio entre as pernas. – Vagab.. – Demi não deixou que ele terminasse, o acertou com outro tapa no rosto tão forte que sentiu a palma da mão doer e Jake caiu sentado no chão do elevador.

   - Se você soubesse como eu te odeio e como eu me arrependo de deixar um verme como você entrar na minha vida, você sumiria do mapa e nunca mais daria as caras. – Ela não iria chorar na frente dele e muito menos se sentiria culpada por deixá-lo roxo no peito e encolhido de dor no canto do elevador. – Eu tenho tanto nojo de você e pena da sua família por ter um monstro como pai e marido. – Demi se esquivou quando ele tentou derrubá-la mesmo sentado no chão e com dor. – Como você teve coragem de enganá-los? Eu realmente não entendo. Tudo isso por sexo? Você tem noção de quantas pessoas você machucou? De como você é idiota e estúpido? Eles não merecem isso, eu não mereço isso e você não merece ser neto de alguém tão especial como o Jason. – Quando a primeira lágrima rolou Demi a limpou rapidamente se preparando para deixar aquele elevador já que faltavam poucos andares para o térreo. – E avisa para a Dianna que eu sei sobre vocês. – Disse assim que as portas se abriram no hall do prédio. Tudo que ela fez foi caminhar o mais rápido possível para fora daquele prédio ignorando o olhar horrorizado das pessoas que esperavam o elevador.

Não doía ter terminado com Jake até porque ela nunca sentiu nada de especial por ele. O que machucava era pensar que ela tinha deixado um homem como ele enfeitiçá-la com falsas promessas e envenená-la contra os próprios amigos. As pernas trabalharam para levá-la para longe dali o mais rápido possível, mas chegou num ponto que Demi sentiu o corpo amolecer e os prédios e as pessoas virarem um borrão por conta das lágrimas. Selena tinha sido humilhada e abusada e a culpa era toda dela. Anos atrás Sel tinha invadido e trago cores ao mundo de Demi de uma forma tão especial. Era como uma chuva abençoada num sertão seco onde não havia boas prestativas. E Ed? Ele era um bom amigo e um guerreiro que tinha enfrentado a perda de todos aqueles que amava. Ele tinha apenas os amigos para contar, e Demi tinha escolhido contrariá-lo e machucá-lo. As lágrimas rolaram incansavelmente quando ela se lembrou de Joe. O coração chegou a apertar no peito. No dia do aniversário de Selena, Joe se declarou para ela, ele a beijou e foi tão carinhoso. E tudo que ela fez em troca foi confundi-lo e magoá-lo por causa de Jake.

   - Demi? Eu estou te chamando tem tempo! Você está bem? – A princípio ela não reconheceu aquela voz, estava confusa a ponto de não conseguir entender o que as pessoas diziam. – Demi? Você está me deixando preocupado. – Ela só o olhou porque o homem levou a mão ao rosto dela para secar uma lágrima.

   - André? – A voz soou falha e ela abraçou o ex-namorado sabendo que ele a acolheria nos braços de bom grado. Demi não sabia para onde André estava a levando, mas confiava nele.

   - Eu já volto. – Disse André a deixando sozinha e sentada em um banco que ficava de frente a um balcão.

Demi suspirou e secou as lágrimas passando as mãos no rosto. Ela precisava manter a calma e controlar as lágrimas, a cabeça chegava estar doendo e os olhos ardendo. Respirar fundo ajudou um pouco, ela maneou a cabeça e se espreguiçou. Só depois de alguns minutos ela notou que André tinha a levado para uma pizzaria que ainda estava fechada por conta do horário.

   - Chá de camomila para a senhorita. – A única coisa que tinha mudado em André era que agora ele era um homem crescido. E ele estava mais bonito do que Demi poderia se lembrar: moreno alto e forte de lindos olhos castanhos e cabelo marrom como o dela. – Ainda está quente. – Demi sorriu envergonhada quando o rapaz cuidadosamente entregou a xícara para ela e se sentou no banco ao lado.

   - Obrigada. – Agradeceu depois que bebericou o chá que estava realmente quente. O silêncio não a incomodou, Demi aproveitou para fitar cada pedacinho daquele lugar. Era uma grande pizzaria e tudo estava um brinco de tão organizado. – Você ainda trabalha com pizza. – Disse olhando para André que sorriu assentindo.

   - Comprei o lugar tem poucas semanas. – Ele disse todo orgulhoso e Demi sorriu feliz por ele. – O que aconteceu com você? – Perguntou alguns minutos depois a tocando no braço e Demi franziu o cenho e mordeu o lábio inferior tentando controlar a culpa e o autodesprezo que sentia.

   - É uma longa história. – Disse bebericando o chá e fitando um catálogo de pizzas. – Eu já vou, não quero te atrapalhar. Obrigada pelo chá. – Quando Demi se levantou se preparando para deixar o local o rapaz levou a mão ao ombro dela e arqueou as sobrancelhas quando ela o olhou.

   - Você sabe que pode contar comigo. – Disse a olhando nos olhos. – Nós somos amigos, não somos? Se quiser desabafar, bem. – Demi sorriu quando André se levantou e caminhou para trás do balcão. – Eu estou a todos os ouvidos. – Ela riu balançando a cabeça e se sentou no banco quando André colocou uma garrafa de tequila e dois copos sobre o balcão. – Nós podemos preparar uma pizza com bastante calabresa e queijo ou esquentar uma das que sobrou da noite passada. – Ele a conhecia perfeitamente. Demi optou por esquentar uma das pizzas já que não queria dar mais trabalho. Como era fraca para bebida, não passou de meio copo, ela preferiu saborear a pizza de André enquanto contava tudo que tinha acontecido a ele sem esconder nem um único detalhe.

   - Encontrar a pessoa certa é difícil Demi. – André virou o copo e Demi sorriu observando que ele ainda usava brinco na orelha esquerda. – Tudo que você passou com o Jake é lamentável, e você realmente pisou na bola com a Selena. Sério, ela é uma amiga incrível e sempre cuidou de você como uma mãe. Mas passou, ela te perdoou e vocês estão bem. Você tem que focar no seu relacionamento com o Joe e esquecer essa bagunça, você merece muito ser feliz. – O sorriso dela foi de orelha a orelha. Era ótimo ouvir aquelas palavras principalmente porque elas vinham de André, ele tinha sido uma parte importante da vida dela e a ajudou crescer.

   - Obrigada por me ouvir. – Num impulso ela o abraçou e o rapaz a abraçou de volta. – É isso o que eu vou fazer, focar no meu relacionamento com o Joe. – Demi sorriu tímida voltando para o banco. – Vou para casa, já dei muito trabalho para você hoje. – Tinha sido divertido e libertador conversar com André, mas Demi sabia que ela não podia ficar fugindo de Selena e Joe durante todo o dia.

   - Eu estou indo para o aeroporto, quer uma carona para casa? – Seria abusar demais? André tinha a alimentado com uma deliciosa pizza e tequila, ouviu todo o desabafo dela e oferecia uma carona.

   - Kennedy? – Perguntou se referindo ao aeroporto John F. Kennedy. – Definitivamente não, eu vou para Manhattan e será muita contra mão. – Disse quando André assentiu levando os copos e a garrafa de tequila para a cozinha.

   - Deixa de ser boba, nós vamos poder conversar mais um pouco e quem sabe você me apresenta o Joe? Eu gostaria muito de conhecê-lo. – Aquele sorriso a mataria do coração alguns anos atrás. – Sem contar que eu estou livre, a pizzaria só funciona à noite e tudo já está nos conformes.

   - E o aeroporto? – Perguntou curiosa caminhando para fora do estabelecimento.

   - Vou buscar a minha noiva. – Demi arregalou os olhos quando André mostrou a aliança que ela nem tinha notado. – Pensei que não perguntaria. – Ele disse sorrindo enquanto trancava a porta principal.

   - Eu não percebi. Isso é incrível, eu fico muito feliz por você. – E realmente estava. Durante o caminho até Manhattan, boas gargalhadas preencheram o carro por conta das lembranças de anos atrás, Demi até tinha se esquecido do ocorrido daquele dia, até que André chegou a rua onde ela morava. – A Sel está com o Joe. – Dali do carro Demi percebeu como Selena estava nervosa e corria o risco de ter um ataque do coração caso ela não desse notícia. – Ela vai me matar. – Murmurou quando pegou o celular e viu que tinha mais de dez chamadas perdidas de Selena, de Joseph e algumas de Ed. – Obrigada pela comida e a carona, tudo vai dar certo para você e a sua noiva. – Demi sorriu nervosa dividida entre fitar André e Selena e Joe que estavam em frente ao prédio em que ela morava.

   - Vou descer com você, quero dar um abraço apertado na Selena e conhecer o cara mais sortudo do mundo. – As bochechas dela coraram e por alguns segundos Demi conseguiu enxergar aquele mesmo André que ela namorava quando adolescente, mas foi apenas uma vaga lembrança e então eles caminhavam lado a lado. – Tem certeza que está tudo bem? – Ele perguntou e Demi assentiu sabendo que não tinha para onde correr. Não sabia como contaria para Ed e Selena e muito menos para Joe a verdade sobre o Jake, a única certeza era que ela ficaria bons dias trancada no apartamento só porque estava morrendo de vergonha.

   - Onde diabos você estava Demetria? Você quer nos matar do coração? E por que você não atende o seu celular? – Tudo bem. Selena não estava nervosa, ela estava simplesmente furiosa e Demi sabia que ouviria um sermão daqueles! – Céus! O Joe já estava ligando para polícia. – Selena fitou os olhos de Demi e sentiu o coração partir por perceber que a amiga estava triste. Aquele sorriso forçado não enganava ninguém. – Ei, vem cá, eu fiquei preocupada. – Demi abraçou Sel com força e se controlou para não chorar. – Ele te machucou? – Perguntou assim que fitou os olhos de Demi e ela negou balançando a cabeça, mas na verdade o sentido estava em Joe calado a olhando. – André? – Selena sorriu para o ex-namorado de Demi e o abraçou com força, ela até perguntaria como o rapaz estava, mas Joe e Demi conseguiram chamar toda a atenção, até mesmo das pessoas que passavam na rua, quando se abraçaram e se beijaram como se o mundo fosse acabar dentro de poucos segundos.

  - Eu fiquei preocupado Demi. – Joe ofegava e os lábios dele estavam tão avermelhados quanto os de Demi. – Fui ao prédio onde ele mora, mas o porteiro disse que você já tinha saído. – Os dedos dele acariciaram com cuidado a bochecha esquerda dela e Joe arrumou algumas mechas do cabelo bagunçado de Demi atrás da orelha.

   - É uma longa história. – Mesmo com vergonha de Joe, Demi o beijou na bochecha e sorriu para ele. – Eu te amo muito. – Ele não retribuiu com palavras, abraçou o corpo dela contra o dele e a beijou com paixão.

   - Ele parece ser um bom rapaz, Selly. – Comentou André com Selena que assentiu observando Demi e Joe ainda no momento deles trocando beijos e carinhos.

   - Ele é muito especial, e a Demi está feliz com ele. – Era o que mais importava. Selena sorriu quando Demi finalizou o beijo, mordeu o lábio inferior e colocou uma mecha do cabelo atrás da orelha. Ela se aproximou junto com Joe claramente nervosa e Sel sabia muito bem o motivo.

   - André, esse é o Joe. Joe, esse é o André. – Apresentar o ex-namorado ao atual não era uma situação muito confortável, mas Demi se saiu muito bem e sorriu quando Joe apertou a mão de André.

   - É um prazer conhecê-lo Joe. – Juntos eles eram a visão do paraíso! Tinham a mesma altura e porte físico. – Bem, acho que eu vou indo. – Demi se despediu com um abraço assim como Selena, e quando André partiu o nervosismo a tomou de uma forma tão grande que ela precisou respirar fundo.

   - Eu o encontrei no caminho. – Começou a explicar sem nem mesmo conseguir olhar para Selena e Joe. – E eu juro que não ouvi o celular tocar. – Ela estava tão envergonhada que fitou a calçada do prédio como se ela fosse a coisa mais interessante do mundo.

  - Então.. – Selena olhou para Joe que franziu o cenho também sem entender o que estava acontecendo com Demi. – Você está bem? – Perguntou Sel erguendo o rosto de Demi, mas ela desviou o olhar e assentiu forçando um sorriso.

   - Não me entendam mal.. Eu só estou um pouco cansada. – Ela tinha razão quando pensou que Selena a olharia feio por conta da calça da bolsa.

   - Ele te machucou? – Perguntou Joe sério.

   - Eu não quero falar sobre isso agora. – Disse depois de pensar muito no que faria. – Eu.. Eu preciso ficar sozinha, vocês entendem? – O objetivo não era deixá-los mais preocupados, porém foi inevitável e a pegou desprevenida. – Eu estou bem, ele não me machucou fisicamente falando, só quero ficar um pouco sozinha. – Selena assentiu mesmo estando chateada, e Joe ficou calado com cara de poucos amigos.

    - Fisicamente falando.. – O olhar dele era tão penetrante e intenso que Demi sentiu arrepios e uma louca vontade de beijá-lo.

   - Joe, ela precisa de tempo. – Por que Selena tinha que ser tão compreensível e amável? Demi só se sentiu mais culpada por perceber que a amiga estava fazendo de tudo para respeitar o tempo que ela pediu. – Eu vou estar em casa, Dem. Se você precisar de mim é só ligar. – Demi assentiu e abraçou Selena com força. – A gente se vê. – Demi observou Selena abraçar Joe e dizer alguma coisa para ele baixinho.

   - Eu vou para casa. – Disse Joe sem jeito adentrando os bolsos com as mãos e Demi assentiu.

   - O que você acha de me dar um beijo antes de ir? – Ela estava tentando não fazer daquela situação uma tempestade num copo d’água. – Não faz essa cara, você é muito bonito para ficar emburrado. – Joe acabou sorrindo quando Demi se esforçou para abraçá-lo e beijá-lo na boca. – Só preciso tempo para colocar tudo no lugar, ok? – Ela o beijou de novo e fitou os olhos dele um tanto emocionada. – Eu te amo muito, nunca se esqueça disso. – Ele assentiu e a beijou na boca devagar e lentamente.



Continua.. Amém né? Eu deveria ter feito esse capítulo menor já que ele é a terceira parte de um.. Mas eu não resisti, comecei a escrever e não consegui parar.. Claro que travei em vários momentos, tipo, essa parte do Jake ser casado e ter filhos foi uma das primeiras cenas dessa história que eu imaginei, mas não ficou exatamente como eu queria.. E eu fiquei dúvida sobre o André, mas como ele foi alguém importante para a Demi, não vi problema em colocá-lo no capítulo já que a Demi quase sempre fala sobre ele. Então, tudo bem com vocês? Férias acabando né? Aff, é a minha última semana de liberdade </3 Mas a gente tem que relevar, sem estudar quem somos nós? Espero que vocês tenham gostado do capítulo, não sei se era o que imaginavam, mas está aí... Obrigada pelos comentários e pela paciência, desculpem qualquer erro, às vezes passa por despercebido :/ Respostas AQUI AQUI. Beijoooos! ps. A fanfic não está acabando!!


24.1.17

Capítulo 32 - Parte 2/3

“Desculpe por mais cedo, eu estava irritado e chateado. Queria que você estivesse comigo gatinha.” O sorriso que surgiu nos lábios de Demi foi de orelha a orelha quando ela leu a mensagem de Joseph. Era o primeiro sorriso da noite, um verdadeiro e encantador. Quem diria que um jantar daquele porte poderia ser absurdamente chato? Acomodada à mesa, Demi preferia participar da conversa apenas quando as pessoas direcionavam a palavra a ela, o que não acontecia muito. Naquele ilustre salão estavam presentes pessoas ricas e poderosas que se achavam superiores a pessoas como ela que trabalhavam duro para conseguir sobreviver num mundo capitalista e cruel.

O lugar era elegante e luxuoso, era do tipo que Demi tinha certeza que Dianna adoraria. Estavam num dos melhores hotéis de Nova York. A vista da varanda era voltada para o mar e no interior do salão peças valiosas enfeitavam o local assim como o caríssimo lustre de pedras preciosas no meio exato do teto do salão. A aparência dos garçons era impecável, estavam sempre alinhados e com um sorriso respeitoso no rosto prontos para servir os milionários daquela noite.

“Eu também queria estar com você.” Enviou para Joseph esboçando um pequeno sorriso ao ver que ele estava online e já tinha visualizado a mensagem. Ela arriscou olhar para os lados e corou por comprovar que era a única pessoa que estava sozinha, sem um copo de bebida e que mexia no celular. Era vergonhoso! “Quero fazer amor com você.”. Enviou rapidamente e a resposta de Joe foi um emoji de bochechinhas coradas, o que fez Demi rir e enviar uma série de emoji de olhinhos de coração para ele.

 “Também quero, e muito! Acho que nunca mais vou conseguir dormir sem você me abraçando, é uma das melhores sensações que já senti.” O sorriso estava nos lábios de Demi novamente ao ler aquela mensagem. Será que se ela fosse embora eles sentiram a falta dela? Até porque ninguém realmente fazia questão da presença de uma jovem Designer que preferia ficar no celular a se enturmar com as outras jovens mulheres que tinham formado o próprio grupinho de conversas e risos.

   - Aí está você princesa. – A primeira reação de Demi foi franzir o cenho sem entender o que estava acontecendo, depois ela agilmente desligou a tela do celular também o bloqueando para que pudesse olhar para trás e encontrar um Jake um pouco alegre demais. Não era ele quem estava tímido horas atrás? O medo de Jake tinha sido exagerado e contagiante no decorrer do caminho até o hotel que até Demi que costumava ser simpática tinha se fechado para aquele pessoal. Agora lá estava ele com o típico copo na mão e aquele sorriso safado de bêbado. – Estão comentando que você é a mulher mais brilhante e linda desse país. – Demi revirou os olhos para aquela horripilante cantada e o beijo que ele arriscou dar em seu pescoço nu. – Quero te apresentar para um dos nossos melhores fornecedores, ele está ansioso para te conhecer. – Ela congelou ao ouvir aquela frase. Fitou os olhos de Jake por alguns instantes e engoliu em seco ao fitar o homem engravatado pouquíssimos metros dali que não parava de observá-la com um pequeno sorriso nos lábios e o olhar de lobo. A situação a fazia se lembrar de Dianna e dos encontros de sexo em troca de dinheiro que ela tinha forjado.

   - Você está bêbado? – Perguntou sem muita paciência ignorando o grupo de mulheres que tinha os olhares direcionados para ela e Jake. Droga! Eles eram o “casal” da noite.

   - Eu não estou bêbado. – Ele estava bêbado. A fala um pouco embolada e o copo com bebida o entregava. O que ela iria fazer? Jake bêbado era simplesmente uma surpresa desagradável que mudava todos os passos planejados para aquela noite. – Vamos princesa, não quero deixá-lo esperando. – Ela aceitou a mão que ele ofereceu e o acompanhou. Apesar de bêbado, Jake ainda tinha postura e se comportava. Ele segurava a mão dela e vez ou outra sorria, geralmente entre os intervalos para virar o copo. A aparência definitivamente não queria dizer nada sobre ninguém. O primeiro homem que Demi conversou era um senhor de cabelo e barba branca alinhado em um terno milimetricamente perfeito, era um homem rico e proprietário de uma das maiores parceiras da Gyllenhaal. Ele foi tão gentil e elogiou o trabalho árduo da parte gráfica desenvolvida por Demi do mais novo projeto. A conversa foi agradável e Jake não a deixou desconfortável, ele apenas bebia e a observava conversar com aquele simpático homem que até ofereceu um emprego para ela caso ela desistisse da Gyllenhaal, claro que em tom de brincadeira já que o dono da empresa e o então “namorado” estava presente.

   - Com licença senhorita, foi um prazer conhecê-la. – Ela sorriu quando a mão foi beijada e o homem se retirou a deixando junto com Jake que não perdeu tempo em arrastá-la até a próxima figura importante da noite. E infelizmente era aquele homem que não tirava os olhos dela.

   - Esta é a famosíssima Demi Lovato? – Ela não gostou de como os olhos castanhos tinham o olhar cravado no corpo dela de forma sinuosa como se ele a devorasse com o olhar. Aquele tipo de homem era insuportável. – Ela é mais linda pessoalmente. – Ela sorriu sem graça e agradeceu, infelizmente tinha que manter a boa educação se quisesse continuar empregada.

Em certo ponto da noite um copo com bebida alcoólica se encaixou perfeitamente. Estava insuportável a conversa! Aquele homem estranho não hesitava em cantá-la na maior cara dura e Jake, que estava ao lado, não servia nem para defendê-la. Ele só bebia, era um copo atrás do outro sem hesitar. E piorou quando ele inventou pedir um microfone e discursar. Demi massageou as têmporas quando Jake começou a chorar ao citar o avô e aquele homem de olhar estranho resolveu abraçá-la de lado repousando a mão na cintura dela como se não fosse nada desrespeitoso para desconhecidos.

   - Vou roubá-la por alguns minutinhos. – O que diabos estava acontecendo naquela noite? O que aqueles homens estavam pensando? Ela não estava interessada em nenhum deles! Em meio as pessoas Demi tentou soltar a mão daquele homem que ela nunca tinha visto, porém ele persistiu no aperto e continuou a puxá-la em direção à varanda onde não havia ninguém! Os pensamentos negativos não paravam de assombrá-la. E se ele a violentasse? Não havia seguranças naquela área e certamente ninguém a ouviria já que a varanda era consideravelmente longe de onde a maioria das pessoas estavam.

   - Me solta! – Pediu um pouco desesperada tentando soltar a mão da dele, porém já era tarde demais.

   - Eu não vou te machucar. – Quando ele finalmente se virou Demi observou cada detalhe os gravando em sua mente. Era um homem maduro e deveria estar na faixa dos quarenta ou quarenta e cinco, não mais que aquilo. Em meio dos fios castanhos alguns grisalhos surgiam. Os olhos castanhos pareciam familiares... Até que era um homem atraente e bem arrumado.

   - O que você quer? – Perguntou sem muita paciência. Tudo naquela noite estava dando errado e se um lunático tentasse machucá-la ou algo do tipo ela não iria permitir sobre nenhuma hipótese.

   - Tudo bem, eu não deveria abordá-la dessa forma. – Por que diabos ele tinha um sorriso charmoso? Demi franziu o cenho não gostando daquela situação, ela não estava interessada nele e não sentia atração.. Era apenas uma admiração estranha que tinha surgido do nada. – Vai por mim, Frederick não tem honra. – A voz dele soou um pouco tremula, mas ele esboçou um sorriso. Parecia nervoso.

   - Frederick? – Perguntou sem entender apontando na direção do salão e aquele homem assentiu. – Ele estava conversando comigo? – Tornou perguntar um pouco mais à vontade mesmo receosa e com medo.

  - É. – Ele coçou a nuca e desviou o olhar do dela. O silêncio entre eles foi tão desconfortável e Demi aproveitava que ele não a olhava para fitá-lo para conseguir mais detalhes. – David. – Apresentou-se oferecendo a mão a ela.

   - Demi Lovato. – Demi apertou a mão dele sentindo que ele não iria machucá-la da forma que ela estava pensando até porque ele tinha se livrado daquele tarado que provavelmente a deixaria atordoada. – Nos conhecemos? – Perguntou estudando os olhos dele. Eram familiares demais. Castanhos.

   - Não. – Ele não conseguia sustentar o olhar dela, o que dificultava para detectar se o que ele dizia era verdade. – Sou um pequeno fornecedor de matéria prima da empresa. – Disse rapidamente a olhando e Demi se sentiu mais aliviada quando ele se aproximou da varanda e olhou para o céu. – Se importa? – Ela não gostava de cigarros, mas não iria discursar para aquele homem desconhecido como aquela coisa fazia mal.

   - Obrigada por me salvar daquele idiota. – Ela repousou os cotovelos no parapeito da proteção e fitou o mar pouco agitado naquela noite. David não disse nada, apenas assentiu e liberou a fumaça do cigarro na direção oposta a dela. Ele não parecia ser um homem malvado e ambicioso como a maioria dos que estavam no salão. – Tem horas? – Perguntou quando não aguentava mais ficar em silêncio. Ela já tinha contado algumas estrelas, fitado o mar e os prédios luminosos do outro lado da ilha.

   - Meia noite e meia. – Ele não a olhou e não disse nada, tragou o cigarro e fitou o céu.


   - Então.. Você é daqui? – Resolveu perguntar olhando rapidamente para trás constatando que estava realmente sozinha com aquele homem e que Jake continuava discursando sobre efeito da bebida arrancando boas e falsas risadas dos convidados.

   - Filadélfia. – Era impressão ou ele estava nervoso? Ainda sem sustentar o olhar dela e prolongar a conversa.

    - Um pequeno fornecedor de matéria prima da Filadélfia. – Ela finalmente atraiu a atenção dele por mais de dois segundos, então lá estava ele fitando o mar. – Você está bem? Quer beber alguma coisa? – O certo seria ir embora para casa e não se aventurar mais! Demi tinha certeza que aquele seria o conselho de Selena, a noite já estava perdida mesmo.

   - Estou. – Ele jogou o cigarro varanda a baixo e tornou a lançar aquele rápido olhar para ela. – Desculpe por abordá-la daquela forma, só fiquei preocupado, o seu namorado não deveria deixá-la a sós com aquele homem. – Ele a olhou brevemente e assentiu. – Gostei do casaco. –Demi arqueou as sobrancelhas sem olhá-lo. Ele tinha elogiado o blazer que ela vestia e estava preocupado? O tal do Frederick deveria ser o pior homem da face da terra para um desconhecido “preocupado” salvá-la.

   - O Jake não é meu namorado. – Ela nem sabia o porquê estava dizendo aquilo, deu de ombros e fitou o mar. Era pedir muito para ir para casa? Ou melhor, ir para o apartamento de Joe e passar a noite com ele? Ele sim a defenderia daquele tal Frederick caso estivesse naquele terrível jantar.

   - Você parece ser uma boa garota, não deixe nem um homem te machucar. – A conversa estava definitivamente estranha. Demi sentiu as bochechas corarem e ela estava tão sem jeito que gostou do silêncio que veio logo em seguida. – Acho que você não é mais a vítima de Frederick. – Demi também olhou para trás podendo ver aquele homem nojento com outra mulher nos braços. – Está na minha hora. Foi um prazer conhecê-la Demetria. – Demi apertou a mão oferecida e fitou os olhos de David atentamente sentindo aquela sensação de conhecê-lo, mas ele partiu depois de sorrir para ela.

Por algum tempo Demi preferiu ficar na varanda fitando o céu e o mar se sentindo melhor ali isolada, aquele luxo todo e risadas falsas não faziam o estilo dela. O que faria? Jake definitivamente não estava consciente para uma conversa como a que ela pretendia. Estava ficando tarde e ela não esperaria para ir para casa de um bêbado. Era ela quem dependia do trabalho para sobreviver, Jake estava com a conta transbordando de dinheiro e um futuro garantido. Determinada, Demi caminhou em direção ao salão, mas quando avistou Jake desistiu de se aproximar já que ele estava com um grupo de homens que também bebiam. E ele dizia ser tímido.. Por que diabos ele a convidou dizendo que precisava dela? Todas as pessoas o conheciam e ele as conhecia. Tinha sido uma verdadeira perda de tempo!

   - Por favor, certifique-se que o Jake chegará bem em casa. – A única coisa que ela podia fazer era cuidar para que Jake não dirigisse bêbado. Quando o garçom assentiu Demi discretamente saiu aliviada por estar livre daquela gente metida e chata. Na época de Jason os jantares tinham classe e estavam longe de parecer toda aquela orgia. O elevador foi a opção mais segura já que tudo estava quieto demais. Ficar sozinha e exposta daquela forma a assustava e a fazia se lembrar de que o homem que tentou abusá-la sexualmente estava a solta. O nervoso começou a consumi-la e o elevador parecia encolher a cada instante, Demi só conseguiu respirar normalmente quando saiu daquele cubículo e avistou dois seguranças na porta do hotel. Chamaria um táxi para ir para casa.

   - Boa noite. – Cumprimentou educadamente os seguranças quando foi checar se tinha algum táxi disponível na entrada do hotel.

   - Demi? – Ela quase teve um ataque cardíaco! Porém sorriu quando Joseph se aproximou e a abraçou forte. O coração dela quase saiu pela boca e os olhos marejaram. – Eu fiquei tão preocupado. – Ele disse segurando o rosto dela com as mãos. – Você está bem? – Perguntou depois de beijá-la nos lábios brevemente.

   - Estou. – Ela tornou a abraçá-lo podendo sentir como ele estava gelado mesmo vestindo blusa de moletom com capuz. – Você está aqui tem muito tempo? – Perguntou tocando o rosto dele com as mãos quando ele se curvou para beijá-la. As bochechas estavam geladas assim como o cabelo.

   - Desde as dez e meia. Fiquei preocupado, você parou de responder as minhas mensagens. – Ele parecia não se importar por ter ficado quase três horas a esperando, olhava para ela preocupado e não deixava de segurá-la pela cintura por nada. – Aquele idiota te machucou? – Perguntou a abraçando com força e Demi negou manhosa se aninhando ao peito dele.

   - Eu não acredito que você está aqui. – Ela deu um selinho nos lábios e envolveu o pescoço dele com os braços. – Você está muito gelado, não quero que fique doente. – Ah! Ele era tão lindo. Demi sorriu quando ele fitou os olhos dela com aqueles lindos olhos cor de esmeralda. O cabelo geralmente arrumadinho estava uma bagunça por conta do vento e do capuz.

   - Eu não vou ficar, não sou tão frágil assim. – Ele ficava mais bonito quando fazia careta. – Vamos para casa? – Demi assentiu ainda nos braços dele fitando aqueles olhos verdes e perdendo o fôlego só de pensar em como ela estava apaixonada.

A presença de Joe era tão forte e transmitia uma segurança inquestionável. Ele perguntou se ela estava com frio e Demi negou automaticamente. Estava frio, mas seria um pecado se ele ficasse exposto àquela friagem para protegê-la. O táxi os deixou em frente ao apartamento de Joe e durante toda a viagem até lá Demi preferiu ficar calada perdida em pensamentos.

   - O que você faria se eu estivesse com o Jake? – Perguntou assim que adentraram o apartamento.

   - Bem.. – Joe trancou a porta e tirou o moletom ficando apenas de regata já que a temperatura no interior do apartamento era agradável. – Não faria nada. Eu viria para casa e esperaria. – Ele a olhou e Demi assentiu tirando o blazer que tinha ganhado da mãe. – Eu só queria.. Eu não sei, eu só queria garantir que você estivesse segura. Fiquei preocupado Dem, eu não deveria ter te pressionado. – Ele umedeceu os lábios pensando em tudo que Selena tinha dito mais cedo. - Eu estou com tanto ciúme, não consigo administrar muito bem esse sentimento, é tudo tão novo para mim, não sei o que fazer. Só não quero brigar com você, a culpa não é sua. Você é apenas uma vítima dessa situação. – Será que ele tinha noção de como aquela perspectiva faria o relacionamento deles funcionar? Demi sorriu timidamente e assentiu, era muito bom saber que ele estava tentando entendê-la mesmo não gostando da situação. – Você quer que eu te leve para casa? – Perguntou receoso e Demi colocou uma mecha do cabelo atrás da orelha.

   - Você quer que eu vá para casa? – Ela sustentou o olhar dele e o flagrou brilhando de paixão quando Joe negou balançando a cabeça. Por minutos trocaram olhares e sorrisos tímidos até que Demi se aproximou dele e o abraçou para que pudesse beijá-lo. – Eu não estava brincando quando disse que te amava, eu realmente te amo Joe. – Ela acariciou o rosto dele fitando os olhos verdes profundamente. A cada segundo que se passava o coração se abria mais e batia por ele, Joe se provava ser um homem fantástico em cada atitude tomada mesmo sendo inexperiente.

   - Eu também te amo. – De cenho franzido ele acariciou o rosto dela e a beijou ternamente nos lábios. – Eu nunca fiquei preocupado como eu fiquei hoje. Quando eu pensei em você durante toda a noite meu coração queria rasgar o meu peito, mas quando eu me lembrava de que você poderia se machucar a angustia acabava comigo. Pensei em tantas coisas e no final das contas eu só queria que você estivesse bem e segura. – Ele a beijou de novo e quando a olhou nos olhos sentiu a emoção invadi-lo de tal forma que os olhos marejaram. – Eu estou apaixonado por você desde o dia que você me visitou naquele hospital, e eu amo tudo que você fez por mim Dem. Você quebrou todas as minhas barreiras e fez de mim um homem que eu tenho orgulho de ser. Não tem como não te amar, nem se eu quisesse lutar contra esse sentimento eu conseguiria. – O beijo aconteceu mesmo entre as lágrimas de Demi, ela o abraçou com tanta força se sentindo segura e a cada milissegundo mais apaixonada por aquele homem. Era ele! Finalmente ela tinha encontrado o homem que amaria de todo o coração e o melhor, era recíproco! Como ela poderia continuar o magoando? Ele era tão maravilhoso e não merecia ter o coração ferido por nem um único ser.

    - Você sempre foi um homem incrível meu amor. – Disse sem deixar o sorriso fora dos lábios. As mãos acariciaram o rosto dele e a série de beijinhos o fez sorrir lindamente. – A gente vai conseguir ser feliz. Não vou deixar ninguém acabar com o que temos. – Joe a beijou e sorriu fitando os olhos marrons dela.

   - Eu tenho certeza que sim. – Uma das mãos dele escorregou para um pouco a baixo das costas dela quando ele a puxou para o peito. – Eu te amo gatinha, te amo muito. – Demi fechou os olhos para sentir os beijos que ele distribuía no pescoço dela tão envolvida que tinha se esquecido do próprio nome. – Ei, está tarde. – Ele disse minutos mais tarde depois de trocarem beijos e carinhos. – O que você acha de um banho? Depois nós podemos preparar alguma coisa na cozinha e dormir.

   - Depois que nós transamos você não quer mais saber de revista em quadrinhos e nem de desenhos animados. – Joe corou, mas não negou, o que fez Demi rir e beijá-lo na bochecha. – Sinto falta de fazer essas coisas e de jogar videogame com você. – Confessou manhosa se enroscando a ele.

   - Dem, eu passei toda a minha vida lendo revistas em quadrinhos, jogando videogame e assistindo desenho animado. – Ele coçou a nuca quando ela o olhou com as sobrancelhas arqueadas. – No momento eu estou curtinho apenas você, e sim, nós podemos nos divertir jogando, lendo e assistindo. Se bem que eu prefiro ficar com você, apenas com você. – Ela riu quando ele a beijou e a acariciou ousadamente no bumbum.

   - Eu sempre soube que por trás desse ar de nerd virgem inocente tinha um homem... – Demi o beijou no queixo e aproveitou para deslizar os dedos um pouco abaixo do umbigo de Joe por baixo da camisa. – Libidinoso. – Ela disse cheia de pose, mas acabou rindo da careta dele por ter usado aquele adjetivo “formal” sendo que poderia chamá-lo na cara dura de safado.

  - Nerd virgem inocente? – Ela tirou os óculos dele assentindo. – Vamos tomar banho? – Aquele sorriso cheio de más intenções o deixava sexy. E quando ele a beijou no queixo e lançou a ela aquele olhar carregado de promessas?

   - Você está lendo tutorias de como deixar a sua namorada louca de tesão Joseph? – Demi mordeu o lábio inferior para conter um sorriso quando Joe a abraçou por trás a beijando no pescoço conforme caminhavam na direção do quarto.

   - Está funcionando? – Perguntou e quando ela o olhou sobre o ombro Demi assentiu umedecendo os lábios para receber os dele. – Confesso que estou imaginando tudo sozinho. – Ele a apertou contra o corpo e a ereção roçou um pouco acima do bumbum dela.

   - Onde está a Lucy? – O apartamento estava silencioso, o que era estranho porque sempre que Joe chegava em casa a pequenina estava o esperando ansiosamente.

   - Ela comeu muito no jantar, provavelmente está dormindo. – Joe fechou a porta do quarto e sorriu quando Demi o encostou contra a madeira e deslizou as mãos pelo peito dele.

   - Você é um amor, sabia? – Disse subindo a camisa que ele vestia aproveitando para deslizar os dedos naquela barriga durinha dele. – A Lucy tem muita sorte de ter te encontrado. – As bochechas de Joe coraram a ponto de esquentarem quando Demi se curvou para beijá-lo um pouco acima do cós da calça. Os lábios dela estavam quentes e macios, e aquelas olhos marrons o fitando era demais para ele! – Eu tenho sorte de ter te encontrado. – Ela o apertou na ereção enquanto mordiscada e beijava a barriga dele. – Somos garotas sortudas amor. – Quando ela o chupou ainda na barriga Joe gemeu alto e a puxou para um beijo de tirar o fôlego e a sanidade de qualquer mulher. Ele a envolveu com os braços firmemente e a beijou com paixão, paciência e desejo.

   - Vem princesa. – As bochechas dela coraram e o coração bateu mais forte só porque ele tinha a chamado de princesa. A mão dele envolveu a dela e juntos eles caminharam para o banheiro. – Você fica muito bonita de vestido. – Joe sorriu a olhando, beijou a bochecha dela e tornou a olhá-la sem deixar de sorrir. – Posso tirá-lo? – Perguntou um pouco corado e Demi assentiu.

   - Não está chateado? – Arriscou perguntar sentindo as mãos dele acariciá-la nas costas e os beijos no pescoço antes de partir diretamente para o zíper nas laterais. – Eu não consegui falar com o Jake. Ele estava bêbado e achei melhor ir para casa. – Disse quando ele a olhou e colocou uma mecha do cabelo dela atrás da orelha esperando pacientemente ouvir o que ela tinha a dizer.

   - Claro que não, a oportunidade virá. – Joe a beijou na testa finalmente deslizando o zíper do vestido. – Não vamos conversar sobre isso, tudo bem? Vamos focar na gente e aproveitar o nosso momento. – Ela balançou a cabeça assentindo e gostando de como Joe era cuidadoso a despindo e a tocando.

   - Você é muito alto, não vou conseguir tirar a sua camisa. – As bochechas dela estavam coradas, os mamilos duros e sensíveis por estarem expostos e Demi preferiu ficar com a roupa íntima de baixo. – Joe, eu cuido da calça. – Murmurou manhosa desafivelando o cinto antes que ele o fizesse. Jamais cansaria de admirá-lo e se excitar com cada detalhe do corpo dele. Quando a camisa não estava mais no torso forte, Demi umedeceu os lábios ao fitar os gominhos e o peito largo. – Você é mesmo real? – Perguntou ofegando e o tocando nos braços fortes e no peito.

   - Você é mesmo real? – Ele sorriu fazendo a mesma pergunta a puxando pela cintura. – Amo os seus seios, são lindos. – Elogiou tocando um mamilo e roçando o nariz dela com o dele. – Só vou tirar o resto quando você estiver completamente nua. – Demi arqueou as sobrancelhas e assentiu boquiaberta. Ah! Ele estava lindo vestido apenas com as calças e o tênis.

   - Você está ficando malvado. – Ela mordeu o lábio inferior o olhando, colocou uma mecha do cabelo atrás da orelha e mesmo corada tirou a calcinha sem desviar o olhar do dele. – E agora? – O sorriso dele a fez sorrir, Joe arqueou as sobrancelhas e finalmente tirou o resto da roupa e o tênis ficando nu.

   - Bem.. – Ele sorriu envergonhado desviando o olhar do dela, mas logo voltou a olhá-la nos olhos. – Acho que a gente já passou dessa fase de ficar vermelho de vergonha. – A risada dela o fez rir, Demi assentiu e o abraçou.

   - Você é um amor, sabia? – Ela olhou para cima e Joe beijou os lábios dela.

   - O seu amor. – Ah! Ela derreteu de paixão! O sorriso não queria sumir dos lábios dela e nem o desejo de tê-lo.

O jeito de menina e de mulher de Demi tinha o poder de encantá-lo. Os pés estavam em contato com o porcelanato impecável do banheiro, o bumbum dela era como um imã para os olhos dele. Quando ela se virou ficando em frente a ele, Joe a olhou desde os pés delicados ao topo da cabeça e sorriu confirmando mais uma vez que a sua garota era linda.

   - Você promete que não vai molhar o meu cabelo? – Joe a olhou, apertou as bochechas dela do jeito que Demi odiava e a beijou nos lábios. – Amor! – Resmungou manhosa e Joe riu a abraçando forte contra o peito.

   - Não posso prometer isso. – Ele disse encostando a testa na dela. – Você é uma gracinha, sabia? – A ereção dele roçava a barriga dela e ele dizia que ela era uma gracinha! Demi franziu o cenho e o mordeu no queixo. – Estou falando a verdade. Você quer que eu te ajude a prender o cabelo? – A última coisa de Joe faria seria ajudá-la. Quando ela ergueu os braços e enlaçou o cabelo com as mãos o levando para o alto da cabeça, os lábios dele tocaram os dela delicadamente e uma mão a cintura e a outra cobriu o seio o apertando gentilmente.

   - Grande ajuda Joseph. – Disse nos lábios dele trabalhando em prender o cabelo num coque sem a ajuda de um prendedor ou um elástico. – Você é impossível! – A sorte era que ela era habilidosa com aquele tipo de coque e o cabelo ajudava ficando firme e seguro enroscado. – Deus, Joseph! – O susto foi tão grande, e quando Joe riu Demi apoiou a cabeça no peito dele para rir também. Sem que ela percebesse ele tinha ligado o chuveiro e a água morna colidindo contra as costas dela foi o suficiente para quase matá-la do coração.

   - Gatinhas não gostam de água. – Ele deu um tapinha bumbum dela quando Demi se esquivou da água do chuveiro o usando como escudo já que tinha o abraçado por trás. – Ei, vem cá. – Por alguns minutos eles brincaram com aquela situação: Joe tentava pegar Demi e ela fazia de tudo para não ir para os braços dele. – Você é uma gatinha teimosa, mas eu finalmente te peguei. – Na verdade ela tinha se entregado fazendo jus ao apelido e se aninhando a ele como uma verdadeira gata manhosa. – Vamos tomar banho? – O olhar que trocaram dizia algo completamente diferente, Demi distribuiu selinhos no peito dele e Joe se curvou para beijá-la na boca.

   - Me ajuda? – Joe entendeu muito bem o que ela quis dizer. Agilmente ele levou as mãos para o bumbum dela e a ergueu sentindo Demi enlaçar o corpo dele com as pernas. – Você é muito forte caubói. – Provocou-o puxando o cabelo da nuca dele quando Joe aproveitou para envolver um mamilo dela nos lábios. – Eu te amo Joseph. – Os olhos dele ganharam um brilho lindo, e o melhor: foi exatamente no instante que Demi os fitou. O sorriso se alargou nos lábios dela quando ele disse que também a amava e o resto daquele banho se resumiu em gemidos e beijos quando Joe finalmente a penetrou e a ajudou a se mover debaixo da água morna do chuveiro.


***

   - Vamos ler Mad Love? – Demi sorriu de orelha a orelha radiante quando Joe a deitou na cama a enchendo de beijos. Mal tinham saído do closet e já se beijavam ferozmente. – Eu já disse que adorei as revistas? Eu quero ler com você. – Ela enlaçou as pernas na cintura dele e mergulhou os dedos nos cabelos escuros e bagunçados.

   - Você disse. Nós podemos ler juntos. – Disse se referindo as revistas que tinha presenteado Joe no dia do aniversário dele. – Seu cabelo está uma bagunça. – Os dois sorriram e se beijaram conforme Joe a ajudava a chegar ao centro da cama.

   - Eu acho que nós acordamos a Lucy. – A cadelinhas arranhava a porta e de tão manhosa que era chorava. Joe beijou os lábios de Demi rapidamente e se levantou para abrir a porta para a pequena. – Ei! Você não fala mais comigo? – Ele cruzou os braços e assentiu negativamente quando Lucy adentrou o quarto correndo e pulou na cama para brincar com Demi.

   - Olha só Lucy, ele fica uma gracinha com ciúme. – Demi riu quando Joe se aproximou da cama para se deitar com elas, mas Lucy acabou rosnando e se aninhando no peito dela.

   - Ei, você não pode roubar a minha menininha. – Demi mostrou língua para ele e abraçou Lucy contra o peito para pirraçá-lo. – Lucy! Você não pode rosnar para o papai. – Mesmo sobre os protestos da cadelinha Demi se ergueu e beijou a boca de Joe com paixão. – Ela mordeu o meu dedo. – A sorte era que Lucy estava apenas brincando e os dentinhos afiados tinham apenas arranhado o dedo de Joe.

   - Não seja malvada pequena. – Aos poucos a cadelinha aceitou o carinho que Demi fazia atrás de suas orelhinhas e o de Joe no torso. – Vamos cozinhar? Está muito tarde e eu estou com fome. – Ela corou, e quando Joe assentiu Demi pegou Lucy nos braços para levá-la para cozinha.



   - Está com sono? – Um braço dele envolvia a cintura dela e o outro Joe usava para apoiar a cabeça. Estavam acomodados na cama, já era tarde da madrugada e o dia amanheceria em poucas horas, porém o sono de Demi não chegava.

   - Um pouquinho. – Joe acariciou o rosto dela quando Demi se virou ficando de frente a ele. – Quer conversar? – Perguntou gostando de sentir os dedos dela brincarem no peito nu dele.

   - Não vou te atrapalhar dormir? – A resposta foi um beijo. – Você nunca se apaixonou antes? – Perguntou acariciando a barba no queixo dele.

   - Sempre fui muito tímido. – Disse levando a mão a cintura dela. – As garotas não gostavam muito de mim no ensino médio e na faculdade. Comecei a receber atenção feminina depois dos dezoito, mas eu gaguejava e ficava nervoso a ponto de derrubar as coisas. – Demi franziu o cenho, mas riu levemente. – Já gostei de uma garota, mas eu era tímido demais para tentar alguma coisa.

   - Quantos anos você tinha? – Perguntou curiosa como sempre.

   - Quatorze. – Joe fechou os olhos gostando de sentir o carinho que ela fazia na barba dele. – Eu estava no primeiro ano do ensino médio e ela no último. Ou seja, as probabilidades eram nulas. – Ela não gostava de pensar daquela forma, mas sabia como o sistema funcionava nas escolas e que Joe estava quase certo.

   - Por que você esperou tanto para ter a sua primeira vez? – Resolveu arriscar. Mesmo com o quarto escuro Demi conseguiu fitar os olhos de Joe que também fitavam os dela por conta da luz da lua.

   - Eu queria que fosse com a mulher que eu amasse, então seria especial. – Joe beijou os lábios dela e quando terminou o beijo sorriu ao olhá-la nos olhos. – Fui criado numa fazenda Dem. A vovó sempre cuidou muito bem de mim. Nós não vivíamos sozinhos, a casa sempre estava cheia e ser um adolescente tímido carregado de hormônios era difícil. Eu tenho muitos tios e primos. Gosto de muitos deles, mas eu não concordava com a forma como alguns deles influenciavam os garotos a iniciar a vida sexual apenas por prazer. Minha avó conta que os meus pais se amavam e que eles estavam juntos desde o início da adolescência. Sempre pensei neles antes de tomar qualquer atitude. E também eu queria encontrar uma garota que fizesse o meu coração quase sair pela boca como o meu pai fez. Até pelas fotos você consegue sentir como eles se amavam, isso é muito importante para mim. – Demi o beijou e se aninhou ao peito dele depositando beijinhos naquela região.

   - Eu fico feliz de ser essa garota. – Ela disse ainda agarrada a ele o olhando e Joe a beijou ternamente na testa.

   - Não poderia ter sido mais perfeito. – Disse deslizando os dedos pelo cabelo dela. – Tudo tem o seu tempo, sabia? Demorou um pouquinho para acontecer comigo, mas valeu a pena esperar cada segundo. – Eles se beijaram novamente e sorriam quando se olharam. – Quando aconteceu com você? – Perguntou acariciando o queixo dela.

   - Aos dezesseis. – Joe arqueou as sobrancelhas a fazendo corar. Ela era realmente muito experiente em relação a ele. – Eu estava apaixonada pelo entregador de pizza a ponto de pedir pizza só para vê-lo. – Demi acabou rindo se lembrando das loucuras que já tinha feito por garotos. – Nós começamos a namorar depois de meses apenas trocando olhares e cumprimentos. Namoramos um ano e seis meses, terminamos porque eu estava indo para a faculdade e ele não tinha tempo para nada além do trabalho.

   - Você teve outros namorados? – Ah sim, a lista era um pouco grande! Demi resmungou por se lembrar de todas as confusões amorosas que já tinha se metido.

   - Alguns.. – Disse com um pouco de vergonha. – Depois que eu terminei com o André, fiquei algum tempo solteira trabalhando e estudando. Dos dezoito aos vinte tive quatro namorados, e acredite, fui traída pelos quatro. Quando terminei a faculdade desisti de namorar, foquei no trabalho para conseguir sair de casa e ter o meu próprio lar.

   - Quatro namorados. – Demi assentiu corada sem olhá-lo.

   - Meus hormônios estavam uma loucura e eu estava uma bagunça nessa fase, mas não foram namoros sérios. Só o John, o meu último namorado ainda na faculdade.  – Ela revirou os olhos ao se lembrar de John e de como ele tinha a difamado por toda a faculdade apenas porque ela era filha de uma prostituta de luxo.

   - Você não precisa se justificar. – Disse com receio de ela ter entendido algo errado. – Está tudo bem Dem. – Joe a beijou e repousou a cabeça no peito dela podendo sentir o coração bater rápido. – Não estou te julgando. – Ele a olhou ainda com a cabeça no peito dela e a beijou ali.

   - Eu sei amor. – Demi o beijou no alto da testa e quando fitou o teto aproveitou para brincar com os dedos nas mechas de cabelo dele. – Eu era muito boba, qualquer menino que sorrisse para mim, eu já estava morrendo de amores e escrevendo as nossas iniciais em um coração. – Joe se ergueu e sorriu ao olhá-la.

   - Você vai escrever as nossas iniciais em um coração? – Perguntou ainda sorrindo e Demi sorriu e acabou bocejando.

   - Talvez em um daqueles relatórios chatos da rede da Gyllenhaal que você sempre me envia. – Eles riram e trocaram um selinho demorado. – Eu estou com sono amor. – Ronronou manhosa puxando mais a coberta para cobri-la já que ela vestia apenas uma camisa de Joe e a calcinha.

   - Vem cá gatinha, vamos dormir. – Joe a abraçou por trás e a beijou no ombro se sentindo o homem mais feliz do mundo apenas de ter aquela mulher em seus braços. – Boa noite, eu te amo. – Disse já sonolento encostando o rosto um pouco atrás da orelha de Demi que suspirou apaixonado por ouvir aquele eu te amo.

   - Boa noite Joe, eu também te amo. – Por alguns minutos ela lutou contra o sono brincando com os dedos de Joe nos seus. Aquela noite tinha terminado de uma forma fantástica, mais uma vez Joe tinha a salvado e a feito a mulher mais feliz do mundo apenas com palavras e ações. E foi pensando em como aquele homem que a abraçava e dormia serenamente era maravilhoso que Demi decidiu que não passava daquele dia, ela iria terminar com Jake.


Continua... Oiiiii! Tudo bem com vocês? Resolvi dividir em mais uma parte, de novo, porque o capítulo estava ficando longo.. Mas a outra parte está quase pronta, não devo demorar, ok? Espero que gostem dessa parte, ela é MUITO importante para a fanfic.. Sem contar que teve Jemi né? <3 Obrigada pelos comentários, vou respondê-los no outro post, beijoooos!