22.5.17

Capítulo 40

Era uma noite de céu estrelado e nem mesmo o calor tinha dado trégua. Nova York seguia o mesmo ritmo de sempre: ruas movimentadas e iluminadas. A cidade não parava por um segundo. Motivo do qual os telefones da delegacia não paravam de tocar em pedidos de socorro e diferentes pessoas entravam e saiam daquele lugar a busca de respostas. Eram casos e casos, cada um com sua particularidade. E Demi duvidava que alguém ali estava envolvido com um assassinato misterioso como o de Jason. Há quanto tempo ela estava ali sentada no banco de madeira desconfortável? Era uma pergunta que nem ela mesma sabia responder, o tempo demorava a passar e o único conforto era o ombro de Selena.

   - Você pode ir para casa. – Disse Demi a Selena. Não era a primeira vez que ela dizia aquela frase, só que dessa vez um pequeno grupo de policiais passou correndo chamando a atenção de Selena que deu de ombros. – O Ed deve estar precisando da sua ajuda com as crianças. – Ela se ergueu e se espreguiçou.

   - Não vou te deixar sozinha. – Selena também esticou o corpo e respirou fundo cansada. O relógio marcava dez horas da noite. Era tempo demais naquele ambiente esperando por respostas. – Não quer ir para casa tomar banho e comer alguma coisa? – Perguntou, porém já sabia a resposta.

   - Eu não vou sair daqui enquanto o detetive Pine der as caras. – Disse determinada. Ela não sairia daquela delegacia sem Joe. – Eles não me escutam. – Sim, ela tinha tentado falar com a recepcionista para negociar a fiança ou qualquer coisa para liberar Joe, mas o pessoal sempre dizia que quem resolvia era Chris.

   - O que ele está fazendo de tão importante? – Desde a confusão que Joe tinha armado, Chris simplesmente sumiu para dentro da delegacia quando Jake foi finalmente atendido e voltou a consciência tão chato quanto o de costume. Ele era dramático e o pior inimigo que alguém poderia desejar. Joe estava encrencado e não era pouco, só de pensar na questão Demi massageou o cenho nervosa.

   - Eu não sei. – Disse pensando na possibilidade de ir à recepção tentar convencer a mulher que ali trabalhava, ela até mesmo lançou a mesma um olhar, mas desistiu quando a recepcionista sustentou o olhar dela que dizia claramente que não adiantava tentar, só o detetive para resolver. – Que droga! Por que os homens são tão.. – Começou a dizer apoiando a cabeça às mãos.

   - Você quer dizer: por que eles agem sem pensar? – Disse Selena arrumando o cabelo e Demi assentiu sem olhá-la. – Dem, eu também queria saber. – E como elas tinham presenciado nas últimas horas: o telefone tocou, um policial que comia donuts e bebia café atendeu e chamou mais dois que saíram às pressas.

   - Por que ele praticamente espancou o Jake? – Perguntou Demi porque até agora ela não sabia o real motivo para Joe ter chegado enfurecido daquele jeito e ter atacado, literalmente falando, Jake com murros e olhares de ódio.

   - Confesso que eu também queria bater no Jake, mas... Eu não teria coragem, e nem acho que violência resolveria mesmo com tudo que ele fez. – Demorou alguns segundos, mas Demi assentiu. Ela não gostava de violência, preferia deixar que a natureza consertasse as coisas na hora certa.

   - O Joe não é assim. – Disse Demi. Ela o conhecia bem o suficiente para saber que Joe era a pessoa mais tranquila e da paz que existia. – Aconteceu alguma coisa, eu posso sentir. Ele não é capaz de machucar uma mosca! – Demi cobriu o rosto com as mãos e antes que Selena pudesse dizer alguma coisa, ela se levantou e caminhou em direção à recepção.

   - Eu já disse e só vou repetir essa vez: só com o detetive. – Que droga! Desde quando a televisão era mais importante que cuidar dos interesses dos cidadãos? Demi cerrou os dentes e bateu os dedos no balcão chamando a atenção da mulher que respirou impacientemente a olhando.

   - Eu estou aqui desde as três da tarde! Eu não posso nem visitar o meu namorado? – Perguntou esperançosa. Ela não tinha tentado visitar Joe e estava preocupada porque a saúde dele era delicada. – Ele é diabético e hipertenso, eu posso levar alguma coisa para ele comer? – Insistiu porque a mulher nem mesmo respondeu a primeira pergunta e já olhava para o computador.

   - Só com o detetive. – Demi fitou os olhos castanhos cor de mel da mulher, umedeceu os lábios e quando ela dispararia muitas palavras desagradáveis, a mão ao ombro a assustou e só daí ela percebeu que Selena estava ali ao lado.

   - Você pode, por favor, nos informar onde está o detetive? – Perguntou Sel educadamente e Demi revirou os olhos fitando as pessoas sentadas que esperavam para serem atendidas.

   - Ele está interno, não temos informações de quando ele estará livre. – Era só o que faltava! Percebendo que Demi já estava sem paciência e não precisava muito para que ela fizesse um escândalo, Sel a puxou pela mão em direção à saída da delegacia para que elas pudessem tomar ar puro e ver as estrelas.

   - Não fica preocupada, vai dar tudo certo. – Disse Sel sentando-se ao banquinho de concreto que ficava próximo do jardim.

   - Sel, ele foi preso. – Demi murmurou tão desanimada e triste. – Está desempregado e o Jake vai fazer um inferno na nossa vida. – Os olhos estavam marejados e Demi se permitiu derramar as lágrimas que tinha guardado durante semanas e semanas. – Eu estou cansada disso, quando vou ter paz na minha vida? – Perguntou limpando as lágrimas e Selena a puxou para um abraço apertado.

   - Eu sei que as coisas estão ruins, mas Dem, a gente não pode desistir. – Disse Sel e Demi repousou a cabeça no peito tentando se acalmar. Será que eles se faziam de desentendidos? Ela tinha os colocado numa situação tão complicada. Jake poderia demiti-la, demitir Selena e demitir Ed. Todos estavam no mesmo barco e a culpa era todinha dela.

   - Eu não sei o que fazer, sinceramente. – Disse se erguendo. – Ele está lá, numa cela morrendo de fome e frio! Ele não pode passar por esse tipo de situação! Meu Deus! Vocês deveriam desistir de mim, sabia? Os seus pais devem estar preocupados. Sel, vai para casa, eu me viro. – Selena revirou os olhos e quando fitou os olhos de Demi, limpou as lágrimas que rolavam pelo rosto dela.

   - Eu não vou a lugar nenhum. – Selena cobriu a mão de Demi com a dela e enlaçou os dedos. – Deixa de falar besteira, todos nós temos problemas, e não é por isso que as pessoas devem deixar te ter amigos. Jamais vou desistir de você, assim como eu sei que você não vai desistir de mim. Eu te amo, e nós vamos enfrentar o Jake e o mundo juntas como sempre fizemos! – Demi abraçou Selena com força porque era realmente como elas faziam: juntas. Não tinha ninguém que conseguia combatê-las, tudo dava certo e sempre seria daquela forma.

   - Eu sou a maior furada, você deveria desistir enquanto há tempo. – Sel riu e colocou uma mecha do cabelo de Demi atrás da orelha. – E eu também te amo, e muito! – Disse e esboçou o primeiro sorriso verdadeiro daquela noite.

   - Deixa de bobeira. – Dessa vez quem deitou a cabeça foi Selena no ombro de Demi. – Vamos comer? Se a gente ficar parada esperando o tempo passar vai demorar muito.

   - Você está sugerindo que a gente saia para comer? – Demi moldou os lábios numa linha. A ideia não parecia nada boa. – Eu não vou deixar o Joe sozinho, e eu nem estou com fome, Sel. – Disse antes mesmo que Sel começasse a falar.

   - Tem fast food aqui perto, nós fazemos o pedido e voltamos para cá. – Demi fitou os olhos de Selena e negou balançando a cabeça, ela não queria perder a oportunidade de falar com Chris e consequentemente de tirar Joe daquela delegacia.

   - Você se importa de ir sozinha? – Perguntou um pouco sem jeito. – Eu não vou sair daqui, não sem o meu Joe. – Quando o vento soprou, Demi sentiu arrepios e se abraçou passando as mãos nos braços para esquentá-los.

   - Tudo bem, trarei comida para você. – Não era uma boa escolha ficar tanto tempo sem comer mesmo estando sem fome. E Selena sabia que Demi prolongaria a tortura até que conseguisse o que tanto queria: que Joe fosse solto. – Nada de ficar preocupada, não fará bem para sua saúde, e por favor, não vá a recepção. – Demi assentiu sorrindo enquanto se levantava junto com Selena. Ela não perturbaria a recepcionista, pelo menos tentaria não perturbá-la..

   - Tenha cuidado. – Disse segurando as mãos de Selena com as dela e a olhando nos olhos. – Desculpa por não ir com você, eu só quero estar aqui para resolver essa confusão quando o Chris aparecer. – Selena assentiu. Caso Ed estivesse no lugar de Joe, ela também faria o mesmo.

   - Você quer que eu busque alguma coisa no seu apartamento? – Perguntou colocando uma mecha do cabelo de Demi bagunçado pelo vento atrás da orelha.

   - Não, eu estou bem. – Trocaram sorrisos e olhares confidentes antes de se abraçarem com força. Demi franziu o cenho quando Selena virou as costas depois que acenou. Era para Sel estar sossegada em casa junto com a família, Ed e as crianças, mas lá estava ela se aventurando no mundo. Já Selena estava preocupada e cansada. A situação de Joe era complicada, e ele realmente tinha a assustado.
Andar sozinha à noite exigia muita atenção e prudência. Mesmo com as ruas movimentadas e iluminadas, Selena caminhou em direção ao carro estacionado na rua de cima sempre prestando atenção em todos os elementos que a rodeava porque estava ficando tarde e consequentemente perigoso. Aquela parte da rua estava mais vazia e Sel só teve paz quando adentrou o carro e o trancou. O motor logo estava ligado e para sair com o carro deu um pouco de trabalho uma vez que o carro da frente e o carro da trás quase não deixaram espaço, mas assim que guiou o carro para fora da vaga, Selena mapeou todos os lugares onde ela poderia comprar comida naquela hora da noite. E era Nova York, ou seja, a lista de restaurantes, fast food e outros era enorme.

“Jake Gyllenhaal foi levado à delegacia central de Nova York onde permanece até agora. A população está ansiosa para saber se o herdeiro da Gyllenhaal é também o assassino do avô.”.

Era aquilo que passava no rádio? Franzindo o cenho, Selena sincronizou em outra rádio. Ela estava cansada de ouvir o nome de Jake e de toda a história. Todos mereciam paz, principalmente Joe e Demi!

“Os vídeos íntimos da designer Demi Lovato com o presidente da Gyllenhaal, Jake Gyllenhaal circulam na internet desde o início da semana. Os amantes seguem na delegacia da cidade em depoimento para o caso Jason Gyllenhaal”.

Vídeos íntimos? O carro morreu quando Selena relaxou o corpo no banco do carro e fechou os olhos cobrindo o rosto com as mãos. Aquilo explicava muita coisa! Principalmente o motivo de Joe estar preso por ter batido em Jake. Só podia ser brincadeira. Como diabos? De cenho franzido Sel voltou a dar partida no carro quando as buzinas soaram, e por precaução, ela preferiu estacionar o carro naquela área da cidade. Dirigir por mais tempo só a complicaria.

“O que acontecerá com Jak..”.

Não! Já chega de ouvir falar naquele nome! Selena desligou o rádio e repousou a cabeça no volante tentando manter a calma. Demi não merecia passar por aquilo. Era tão injusto e covarde. Jake não era nem um terço do que ela imaginava, ele era mil vezes pior e só de pensar em vê-lo, Selena sentiu arrepios. Sorte era que ele estava preso na delegacia assim como Joe. Com as fitas na delegacia, o habeas corpus foi suspenso até segunda ordem.

   - Respira, respira.. – Sel sussurrava para si mesma tentando manter o controle. Ela estava tentando disfarçar e controlar da melhor forma que conseguia, mas quando estava sozinha não tinha como negar: Jake a aterrorizava. Pensar no sorriso sarcástico, nos olhos azuis e nas mãos dele tentando tocá-la era horrível. O coração de Selena acelerou a assustando que foi preciso que ela saísse do carro antes mesmo que o ataque de pânico se agravasse. – Respira. – Disse a si mesma quando se recostou na porta do carro. Estava tudo bem, não precisava se afobar. Aos pouquinhos o som dos carros, a luz dos estabelecimentos e as pessoas passeando a tranquilizou. Ela não estava sozinha e Jake estava preso, não tinha como ele assediá-la e ameaçá-la.

   - Selena? – André era definitivamente a melhor pessoa que Selena poderia ter encontrado. E se ele não estivesse noivo, e se Demi não estivesse com Joe, bem, Sel juntaria aqueles dois. Sel colocou um sorriso no rosto quando percebeu que estava em frente à pizzaria de André. Ela até mesmo conseguiu respirar aliviada porque estava segura. – Está tudo bem? – O barulho da pizzaria era incomodo e o lugar estava realmente lotado! Aos poucos André se aproximou estudando detalhadamente o estado de Selena. Ela estava assustada e em estado alerta.

   - Está! – Disse fitando os olhos do ex-namorado de Demi. – Eu.. eu só.. Eu estou procurando um lugar para comprar comida. – Selena olhou para dentro da pizzaria e o estomago roncou quando ela viu os garçons servindo as mesas com pizzas quentinhas e saborosas. Ela precisou de alguns segundos para organizar os pensamentos e teve que forçar um sorriso para André que a guiou para dentro da pizzaria.

   - Pizza por conta da casa. – Sel não teve tempo para responder André, ele a guiou para dentro da pizzaria tendo que segurar a mão de Selena para que ela não se perdesse. – Onde está a sua alma gêmea? – Aquela área deveria ser restrita apenas para funcionários e Selena corou quando André lhe entregou uma touca para o cabelo já que o pessoal trabalhava nas pizzas a todo vapor.

   - Um? – Murmurou Sel quando eles atravessaram aquela área da cozinha para um ambiente mais sossegado. – Alma gêmea? – Ela perguntou tirando a touca e se sentando ao banco em frente ao balcão.

   - Demetria. – André sorriu ao falar o nome de Demi. Era incrível como Demi e ele mantinham o mesmo carinho de sempre sem resentimentos. – Vocês estão grudadas desde sempre, é estranho encontrar uma sem a outra. – Ah! Praticamente todo mundo dizia aquilo. Sel sorriu desviando o olhar de André. De tão grudada que ela e Demi eram, Selena já tinha segurado tanta vela para amiga e o ex..

   - Você leu o jornal de hoje? – Perguntou Sel com um pouco de receio e André negou prontamente. – Assistiu à televisão? – Tornou a perguntar e André negou. – Nem ouviu rápido?

   - Não, eu estou sem tempo para essas coisas. – O rapaz buscou por uma garrafa na geladeira e copos limpos no armário para servi-los com suco. – A pizzaria só abre depois das sete e meia, e durante o dia eu estou trabalhando nos detalhes finais da minha casa. – Demi tinha comentado sobre o noivado de André e a aliança grossa no dedo dele deixava muito bem claro que ele estava comprometido.

   - A Demi está na delegacia. – Disse depois de bebericar o suco e ela observou quando André empalideceu de preocupação. Contar toda a história levou tempo, e durante esse tempo a pizza de Selena era feita por um dos funcionários da pizzaria e de onde ela estava, era possível ver todo o movimento na cozinha.

   - O namorado da Demi bateu no Jake? – André tinha um sorriso de lado super satisfeito com as porradas que Jake tinha levado. Ele mesmo daria uma lição em Jake caso o encontrasse.

   - Dentro da delegacia. – Murmurou Selena porque ela não gostava nada da situação. – Ele está preso. E a Demi está na delegacia esperando por notícias, ela não vai sair de lá sem o Joe, tentei convencê-la de todas as formas a ir para casa tomar banho e comer, mas nós dois sabemos como ela pode ser teimosa. – André assentiu sorrindo. Se tinha alguém que era realmente teimoso, aquele alguém era Demi.

   - E você saiu para buscar comida. – Selena assentiu balançando a cabeça, e ela agradecia mentalmente André por ter a servido com queijo e biscoitos. – Você sempre está cuidando dela. – Comentou sorrindo e Sel tornou a assentir. – É uma situação complicada. Quando encontrei a Demi semanas atrás chorando porque tinha descoberto da pior forma que o cara era casado, eu não imaginei que ele poderia ser tão perigoso. – Disse levando a mão ao cabelo. André sabia mais que ninguém que Demi não merecia passar por aquela situação embaraçosa, ela era mulher de alma tão pura que só queria ser amada.

   - Eu sei, está tudo complicado. – Ela não comentaria sobre os supostos vídeos íntimos de Demi com Jake, pois se André não sabia nem mesmo de toda a repercussão envolvendo o assassinato de Jason e o caso de Demi e Jake, ele não precisava saber daquele detalhe...

   - Você quer mais suco? – Selena negou balançando a cabeça e antes mesmo que ela pudesse comentar mais sobre Demi, uma mulher adentrou o refeitório e pelo sorriso de André e a aliança no dedo dela, Selena soube que se tratava da noiva.

   - Boa noite. – Era uma ruiva da mesma estatura de Selena e de hipnotizantes olhos azuis esverdeados. E o sorriso dela era tão feliz quanto o de André. Selena sorriu quando ela se aproximou de André e estendeu a mão para que ela pudesse apertá-la em forma de cumprimento. – Oi! Jessica. – Apresentou-se e Selena sorriu apertando a mão de Jessica. A noiva de André não precisou fazer mais nada além de sorrir para conquistar o respeito de Selena.

   - Selena. – As duas sorriram e André riu um pouco sem jeito as fazendo rir também.

   - Já que vocês se apresentaram. – André sorriu para a noiva e logo para Selena. – Jessy, a Sel é uma velha amiga. E Sel, essa é a minha noiva. – As duas assentiram sorrindo e um funcionário chamou por André informando que a pizza especial estava pronta.

   - Eu já vou. – Disse Sel se levantando. Ela já tinha tomado muito do tempo de André e Demi deveria estar preocupada.

   - Eu estou pensando. – Disse André chamando a atenção das duas mulheres que o acompanhavam em direção a cozinha. – Você precisa de uma advogada, certo? – Selena assentiu entendendo o que ele queria dizer. Se Joe quisesse sair logo da cadeia, ele precisava de um bom advogado já que além de bater em Joe, tinha feito a besteira de ter o feito dentro da delegacia. – E você é advogada. – Disse a Jessy que assentiu.

   - Recém-formada. – Disse Jessy e André assentiu calado checando se a pizza de Selena estava nos conformes.

   - Amor, você se prepara para defender o seu primeiro cliente.


***

Onde Selena estava? A perna direita não parava de tremer. A bateria do celular estava esgotava e na televisão não passava nada de bom. Seria mais interessante se estivesse num canal de desenho animado, tudo bem que assistir a receitas não era ruim, mas nada se comparava a desenho. Era tão divertido assistir qualquer animação. Demi se perdia naquele mundo apaixonada em como as formas e as cores modeladas trabalhando com a criatividade e bom humor resultavam em algo incrível como um bom desenho animado. E não importava a quantidade de vezes que ela assistia Tom & Jerry, As aventuras do Batman, A liga da justiça ou qualquer outro, sempre seria divertido. Emburrada, cansada, preocupada e com fome, Demi cobriu o rosto com as mãos e respirou fundo e ficou daquele jeito por pelo menos trinta segundos. Da última vez que ela tinha visto a hora no celular, eram onze e quinze da noite. Selena não tinha dado notícia e Chris não tinha saído nem mesmo para buscar um café. Não era possível visitar Joe e ela estava preocupada com a saúde dele. Será que a comida era adequada para um diabético hipertenso? Aliás, será que ao menos havia comida e um lugar para recostar? E se ele passasse mal? O pessoal da polícia levaria o rapaz ao hospital? Que droga, que droga! Ela resmungou baixinho deixando as lágrimas rolarem. Era hora para Selena sumir e Joe estar preso? Mais lágrimas rolaram e Demi tombou a cabeça para trás a repousando na parede. Aos poucos ela abriu os olhos para fitar o teto ainda chorando. Estava sozinha e aquilo era horrível. Era como nos velhos e impiedosos tempos quando Dianna e Amélia viviam para movimentar o negócio e ela não tinha amigos, carinho e nem nada do tipo.

   - Srta. Lovato. – De onde diabos ele tinha saído? Demi umedeceu os lábios e limpou as lágrimas quando ergueu a cabeça e se deparou com o detetive Pine. Ele estava com as mesmas roupas e parecia tão cansado e sério. – Me acompanhe. – A voz dele soou grossa e não havia nenhum traço de felicidade nas feições bonitas de Chris. Ele chegava estar rígido andando a passos rápidos a frente de Demi. E infelizmente ele a guiava pelo mesmo caminho de mais cedo: a sala do interrogatório.

   - Onde está o Joe? – Perguntou Demi assim que Chris abriu a porta da maldita sala de mais cedo dando passagem a ela.

   - Nós não estamos aqui para isso. – Ele foi tão ríspido que Demi engoliu em seco. E felizmente ela não estava sozinha com o detetive. Havia um homem sentado à mesa e sobre ela estavam o notebook e outro aparelho que Demi não sabia a utilidade.

   - Eu só vou responder às perguntas se você soltá-lo. – Ela tinha pisado na bola. Oh sim, Demi sentia que tinha feito besteira. Chris não disse uma palavra, ele indicou a cadeira para ela se sentar e se acomodou na mesma cadeira de mais cedo que ficava em frente a de Demi.

   - Não funciona assim. – Ele queria assustá-la? Chris tirou o coldre o repousando sobre a mesa com as armas acopladas. – Nós examinamos as fitas e os CDs do escritório do Jake Gyllenhaal. – O jeito que ele disse foi tão frio e receoso que Demi engoliu em seco com medo do que estava por vir. Porém ela não deixou de pensar que não tinha nada que a envolvesse naquela parte. As informações coletadas pela polícia não eram confidenciais? – O material foi encontrado junto com estimulantes sexuais no mesmo lugar onde você descreveu. – Ele disse e foi tão constrangedor. Demi sentiu as bochechas corarem levemente, mas ela fez de tudo para focar em manter a postura. – O que posso revelar é que o conteúdo envolve você e algumas funcionárias da Gyllenhaal. – Mordendo o lábio inferior e colocando uma mecha de cabelo atrás da orelha Demi fitou os olhos azuis de Chris, e ele umedeceu os lábios dele e apoiou os cotovelos a mesa. – Os vídeos. – O homem se apresentou como Andy e ele era quem cuidava da parte da perícia na parte da informática.

O silêncio absoluto na sala era tão insuportável que Demi se acomodou algumas vezes a cadeira impaciente enquanto Andy selecionava os vídeos para mostrá-la. Então o primeiro vídeo começava com um peitoral que ela conhecia muito bem, alguns segundos depois Jake mostrou o rosto à câmera e se curvou novamente para ajustar dessa vez o foco já que quando ele voltou para o ângulo da filmagem a imagem estava melhor e focava nele. Houve um corte e depois o vídeo que iniciou era de Jake novamente ajustando a câmera e quando tudo ficou escuro novamente, Demi franziu o cenho. Que péssimo editor Jake era, e por diabos ele tinha aqueles vídeos? Alguns segundos depois a porta do quarto foi aberta e o coração de Demi quase parou quando ela percebeu o que acontecia.


Ele não tinha feito aquilo. Conforme os minutos se passavam ela percebia que ele realmente tinha feito, e no vídeo ela estava entregue nos braços dele sem perceber o que acontecia. Não tinha como saber! Deus! Era tão complicado confiar nas pessoas, e para conseguir viver em meio social era necessário confiança, compreensão e uma série de outras coisas similares. Jake tinha passado de todos os limites e Demi já tinha lágrimas nos olhos, as bochechas estavam coradas e ela pediu que Andy pulasse a parte principal do show.. Como diabos ele pode ser tão covarde e invasivo? Aquele não era o único vídeo de sexo que Jake tinha gravado. Ele tinha pelo menos três vídeos de diferentes noites com ela e Demi se sentia violada e envergonhada. Chris tinha assistido e Andy também. Ela mal conseguia olhá-los e a vontade era de sumir.

   - Por favor, já deu. – Demi cobria o rosto com as mãos e respirava fundo sem saber o que fazer. Ela estava com tanta vergonha que se sentia deslocada e de mãos atadas.

   - É você aqui? – Por que Chris insistia em continuar? Demi sentiu todo o corpo pesar e por um pouco ela não caiu de tão preocupada e tonta que tinha ficado com a possibilidade de existir mais um vídeo. Porém o que Chris mostrava era a imagem de um vídeo pausado onde Jake aparecia novamente em uma cena de sexo, porém ele não filmava o rosto da mulher e nem o dele, o único detalhe perceptível da cena era as roupas jogadas no chão e o colar de ouro com um pingente de joaninha no pescoço da mulher.

   - Não. – Ela disse depois de estudar o vídeo pausado. E uma coisa era certa, naquele dia Jake estava na Gyllenhaal, especificamente no departamento de Designer. Demi conhecia perfeitamente cada lugar daquele departamento para saber que ele tinha/estava dormindo com mais uma mulher da empresa.. Pena que o vídeo não revelava muitos detalhes. – É tudo? – Ela perguntou sem conseguir olhar para nenhum dos dois homens.

   - Srta. Lovato, o meu objetivo não é constrangê-la ou submetê-la a situações desagradáveis. – O detetive começou a dizer e Demi estava desanimada e para baixo o suficiente para não fazer piada ou simplesmente arquear uma sobrancelha. – É uma investigação de um assassinato. Não posso revelar mais informações sobre o conteúdo das fitas. O que a Srta. deve saber é que realmente ajudou bastante no caso. – Ajudar no caso tinha a machucado tanto, Demi preferia fitar a mesa a fitar os olhos de Chris. – Jake Gyllenhaal ainda não pode ser acusado do assassino do avô, mas o conteúdo desses vídeos é o suficiente para que ele tenha problemas com a justiça. Demi, ele não filmou apenas você. – Chris levou arrumou o cabelo e respirou fundo trocando um longo olhar com Andy. – São muitas horas de gravação e o que posso dizer é que ele tem filmado algumas das suas colegas de trabalho sem o consentimento delas. E alguns desses vídeos estão circulando na internet, os seus. A nossa equipe está trabalhando em tirar o conteúdo do ar o mais rápido possível. – A súbita tontura a pegou desprevenida e se o detetive não tivesse se apressado em segurá-la, Demi teria caído da cadeira. Agora as perguntas dos repórteres mais cedo faziam sentido. Como se não bastasse existir aqueles vídeos, Jake ainda tinha os jogado na rede e Demi tinha certeza que ele tinha feito para se vingar por conta do término.

   - Está na internet? – Ela perguntou mesmo mole e o olhar mortal que Chris lançou a Andy foi o suficiente para que ele se levantasse às pressas para buscar um copo com água para Demi.

   - Nós já estamos cuidando disso. – Não importava. Demi se ajeitou na cadeira e fitou um ponto qualquer da sala ignorando a presença de Chris. O estrago já tinha sido feito. Por um pouco ela perdeu Selena, Joe e Ed. Foi enganada pela própria mãe. Dormiu com um homem casado. A reputação estava arruinada. E para completar existia vídeo onde ela fazia sexo com Jake circulando por toda internet. Não dava para consertar aquilo. As pessoas estavam vendo e as notícias correndo. Tirar um conteúdo da rede era praticamente impossível! Existiam milhares e milhares de computadores em todo o mundo e a policia de Nova York não daria conta de acabar com aquela porcaria.

   - Nós terminamos? – Perguntou indiferente sem olhá-lo e sem saber como faria dali em diante. Ela estava com vergonha e planejava passar pelo menos a próxima década confinada dentro do apartamento. Não era uma escolha ruim, sozinha ela não teria problemas e não prejudicaria ninguém.

   - Terminamos. Vou mantê-la informada. – Ela nem mesmo assentiu ou disse qualquer palavra, e se tivesse coragem, pediria Chris para não olhá-la porque o olhar dele a constrangia muito. – Vou soltar o seu namorado. – Ele realmente estava com pena dela? Demi não disse nada. Ela se levantou e caminhou em direção a porta sem esperar por Chris. Se fosse minutos atrás, ela estaria feliz porque poderia ir para casa com Joe, mas agora.. Como ela iria olhá-lo? Era tão embaraçoso e agora ela sabia o porquê de Joe estar tão furioso quando chegou a delegacia, aliás, todos deveriam saber.. – O Jake ficará preso, e provavelmente a justiça o afastará do cargo da Gyllenhaal. – Demi não disse nada, não o olhou e nem mesmo assentiu. Ela continuou caminhando a passos rápidos e Chris tentava acompanhá-la. – Demi, nós não vamos permitir que ele fique impune. Vocês vão poder trabalhar em segurança, eu prometo. – Ele tinha a tocado no braço e mesmo assim Demi não o olhou. E foi difícil olhar para qualquer coisa além do chão quando ela percebeu que não estava mais sozinha com Chris. A recepção da delegacia como sempre estava cheia e receber todos aqueles olhares era como despi-la e constrangê-la ainda mais.

    - Demi? – Ouvir a voz de Joe foi como tomar um soco no estomago. E junto com ele estavam Selena, Ed, André e Jessy. Demi derramou algumas lágrimas sem conseguir olhar para o namorado e aos poucos ele se aproximou e a abraçou com força contra o peito. – Está tudo bem, meu anjo. – Não, não estava! Ela não sabia o que fazer, optou por ouvir o coração de Joe bater e chorar com o rosto contra o peito dele sem coragem para olhá-lo ou até mesmo falar. Já Joe sabia que deveria respeitá-la e era o que ele faria, por isso ele não exigiu palavras ou gestos dela, deixou que Demi chorasse e se agarrasse a ele como uma criança com medo.

   - Eu não esperava por isso. – Comentou Selena observando Demi e Joe abraçados. – Eu estou preocupada com ela. – Disse para Ed que a abraçava por trás. Ele assentiu porque também estava preocupado com Demi e com Joe.

   - Eu quero falar com ela, mas.. – Disse André e Selena o olhou nos olhos. Eles sabiam como Demi se armaria e a única saída era dar tempo ao tempo, por isso André assentiu angustiado. – Eu quero esganar esse filho da puta. – André estava nervoso e Jessy o abraçou de lado para acalmá-lo, porém ele tinha dito alto demais e Chris já se aproximava.

   - Jéssica Orlando. Advogada. – Jessy se apresentou esboçando o seu simpático sorriso e estendendo a mão para o detetive que a apertou por educação. – Meu cliente responderá em regime aberto, toda a documentação já foi enviada ao seu escritório. – Chris assentiu. Não tinha como livrar Joe daquela, provavelmente Jake entraria com um processo contra o rapaz mesmo na situação que ele estava.


   - Ela precisa se alimentar e descansar. – Disse Chris a Selena antes de pedir licença para atender um caso. Estava realmente tarde e todos precisavam descansar. O detetive tinha uma lista com nomes e o de Dianna era o próximo da lista de depoimentos. A mulher estava encrencada porque ela também estava entre os vídeos de Jake e a polícia era ciente do caso dela com o mesmo. André e Jessy tinham feito o possível para ajudar Joe assim como Ed e Selena tinham feito. Joe e Demi caminharam lado a lado de mãos dadas para fora da delegacia, mas tinha sido apenas aquilo. Joe a respeitava e Demi preferia se isolar por motivos óbvios.

   - Obrigada pela ajuda. – Percebendo que Demi continuaria calada ao lado e sem olhá-los, Joe preferiu sozinho agradecer André e Jessy. – Eu realmente não saberia o que fazer sem a ajuda de vocês. – Disse fitando os olhos de Jessy para depois os de André. – Por favor, qualquer coisa que vocês precisarem e se estiver ao meu alcance, é só entrar em contato. – André assentiu apertando a mão de Joe. Ed observava Joe como um pai orgulhoso do desempenho do filho. Era definitivamente um avanço se tratando de Joe, ele não tinha embolado para falar com Jessy e tratou André como o amigo de Demi, não o ex. Então eles se despediram e sobrou apenas os quatro: Demi, Joe, Selena e Ed.

   - Eu estou de carro. – Disse Ed a Joe. – Se quiser, posso te emprestar o carro, eu vou para casa com a Sel. – Ele disse enlaçando os dedos aos da namorada e a puxando mais para ele.

   - Tudo bem? – Joe perguntou fitando os olhos de Ed que assentiu. Estava tarde demais e tudo que ele queria fazer era ir para casa com Demi. – Eu não vou para Gyl.. empresa amanhã, como nós fazemos? – Ele estava desempregado, e se não se importava com as ameaças de Jake. Nova York era uma cidade enorme, alguma coisa ele encontraria.

   - Nós combinamos amanhã depois do almoço. – Disse Ed e Joe assentiu brincando com os dedos de Demi.

   - Obrigado por tudo. – Disse Joe a Ed e Selena. E ele fez questão de abraçar Selena e Ed, sem eles, tudo seria muito mais complicado e complexo.

   - Cuida dela, e não força a barra. – Ed aproveitou para sussurrar aquelas palavras enquanto ainda abraçava Joe, e Selena aproveitou para se aproximar de Demi.

   - Posso dormir com você hoje. – Disse Sel buscando pela mão de Demi para segurá-la, e não houve protestos e muito menos olhares. – Nós podemos dormir de conchinha. – Demi sempre sorria e entrava na brincadeira, mas dessa vez ela negou balançando a cabeça e fitando o chão. – Ei, tudo vai ficar bem, sempre estarei aqui para cuidar de você.

   - Eu também, Sel. – Demi não a olhou nos olhos, abraçou Selena quando foi abraçada e por um pouco voltou a chorar.

   - Tem certeza que não quer que eu durma com você? – Perguntou Selena desfazendo o abraço e Demi negou balançando a cabeça. – Qualquer coisa é só ligar. – Disse e Demi assentiu cabisbaixa. Ed tentou animá-la, mas tudo que ele conseguiu foi um abraço de despedida assim como Selena.


   - Quer ir para o seu apartamento ou para o meu? – Enfrentar Selena ou Ed era uma coisa, mas enfrentar Joe era outra completamente diferente. Eles tinham acabado de adentrar o carro de Ed e Joe já conduzia o veículo para longe da delegacia.

   - Para o meu. – Ela murmurou arrumando a saia ao corpo e Joe arriscou olhá-la rapidamente já que naquele horário o trânsito estava tranquilo e quase não tinha carros e pedestres nas ruas. – Você pode descansar, eu vou ficar bem sozinha. – Ele não esperava que ela dissesse aquilo. Joe pensou no que poderia dizer enquanto dirigia. Ele não queria que Demi se fechasse com ele, não tinha necessidade.

   - Eu quero ficar com você, tudo bem? – Por que ela não o olhava? Joe franziu o cenho quando arriscou olhá-la e encontrou Demi fitando o colo e tão tensa que chegava ser desconfortável olhá-la. Ela não disse nada e ele também não. O silêncio dela era insuportável e a situação desagradável, Joe não estava feliz com toda a indiferença de Demi e resolveu encostar o carro sem nem mesmo saber onde estava, provavelmente não tão longe da área que moravam, ele só precisava resolver a situação. – Você não vai falar nada? – A voz dele soou grossa, não tinha sido proposital e ele não queria intimidar a namorada que respirou fundo ainda sem coragem de olhá-lo nos olhos.

   - Está muito tarde, você precisa comer e descansar. – O que era aquilo? Demi tinha falado tão baixinho que se o silêncio no interior do carro não fosse absoluto, não teria como ouvi-la.

  - A única coisa que eu preciso agora é entender o que está acontecendo com você para tentar te ajudar. – Ele disse sem rodeios e levou a mão até a dela que não fez nada. Foram minutos e mais minutos daquele jeito, Joe encostou a cabeça no volante do carro e aos pouquinhos ele começou a brincar com os dedos de Demi esperando que ela estivesse pronta para começar a falar. – Olha pra mim. – Pediu e como sabia que Demi não o olharia, Joe levou a mão ao queixo dela e gentilmente fez com que ela o olhasse mesmo no interior do carro iluminado apenas com a luz da lua. – Você pode falar comigo sobre o que você está sentindo. – Ele disse sentindo o coração partir em milhares de pedaços quando a primeira lágrima rolou pelo rosto dela. Não, ela não podia chorar! Aquilo era o suficiente para acabar com ele. – Ei, está tudo bem meu anjo. – O abraço o pegou de surpresa, mas Joe o retribuiu e beijou a testa de Demi demoradamente deixando que ela chorasse nos braços dele. – Não chora, por favor. – Pediu porque ele também estava prestes a chorar junto com ela. Era horrível saber que ela estava triste e não tinha nada que ele podia fazer para acabar com o sofrimento. A vontade era de quebrar Jake em dois só porque ele era um completo idiota que aos pouquinhos estava destruindo a vida de Demi e a fazendo sofrer.

   - Joe. – Ela o chamou se erguendo e saindo dos braços dele enxugando cada lágrima que rolava pelo rosto. Não tinha como ficar nos braços dele. – Eu acho que é melhor a gente.. A gente terminar. – Doeu mais do que ela tinha imaginado, parecia que tinha um buraco no peito que nada era capaz de preenchê-lo para estancar a dor. E Joe tinha a olhado com tanto desespero e de repente ele estava ofegando como se estivesse com medo. – Eu te amo, mas não quero estragar a sua vida, não mais do que já estraguei. – Disse quebrando o silêncio e ela limpou as lágrimas quando viu que Joe também chorava.

   - Por favor, não faça isso. – Ele disse um pouco desesperado levando as mãos as dela. – Amor, você é a melhor coisa que poderia ter acontecido na minha vida e eu não consigo me imaginar sem você. – Com muito custo, Demi fitou os olhos dele e limpou as lágrimas de Joe com todo cuidado que tinha.

   - Olha só para tudo de ruim que aconteceu com você depois que eu entrei na sua vida. – Ela disse segurando a mão dele com força e limpando as lágrimas que continuava derramando. – Você tem uma alma pura, boa e gentil, você merece alguém tão bom quanto você. Eu só não posso continuar te machucando e te prejudicando Joseph, isso me machuca tanto. – Joe negou balançando a cabeça, ele ergueu o rosto de Demi para olhá-la nos olhos e quando ela fitou os olhos dele, ele se aproximou mais para beijá-la na boca com fome e paixão, as mãos foram diretamente para cintura delicada e por minutos eles se dedicaram ao beijo mais profundo e intenso que já tinham trocado.

   - Você é quem eu quero. – Ele ofegava assim como Demi, as testas estavam encostadas e eles se olhavam. – Eu não me importo com o que está acontecendo, e muito menos por ter sido despedido ou ter sido preso. Realmente não me importo, a culpa não é sua. Bati naquele filho da puta e vou quebrá-lo de novo se ele aparecer na minha frente. Estou colhendo os frutos das minhas escolhas, e não estou arrependido.  – Demi subiu a mão pelo peito dele e de tão bom que era beijar a boca daquele homem, ela o beijou brevemente. – Você vai me machucar se me deixar. Eu te amo tanto e eu sei que você me ama, eu posso sentir que você me ama e está doendo tanto pensar em ficar sem você. – Como ela poderia deixá-lo ir? Demi o abraçou forte e descansou a cabeça no ombro dele deixando mais lágrimas rolarem.

   - Você foi preso e a culpa é minha. – Ela disse desfazendo o abraço. – Você perdeu emprego porque eu sou uma idiota. – Disse fitando a cidade que já descansava por conta do horário. Não tinha ninguém na rua e muito menos carros, os estabelecimentos estavam fechados e os enormes prédios com pouquíssimas luzes acesas. – O que você vai fazer quando a sua família souber que a sua namorada tem vídeos circulando em sites pornográficos? Que ela é ex amante do presidente da empresa que você trabalhava? Eles vão pensar em eu sou uma prostituta.

   - Eu já disse: eu não me importo. – Foi impossível não pensar em Rose e em tudo que ela tinha feito, mas ele não perderia Demi por nada. – Você foi vítima daquele doente, e eles não têm nada com a nossa vida, ninguém tem! – Ele envolveu a mão direita dela com a dele e os dois observaram como as alianças eram bonitas. – Eu te amo Demi. – Disse atraindo o olhar dela que umedeceu os lábios e assentiu.

   - Eu também te amo Joseph. – Disse encostando a testa na dele e ele não perdeu tempo, iniciou um beijo que só foi interrompido quando ele estava quase deitado sobre Demi no banco do carona.

  - O Ed vai me matar. – Ele disse sorrindo porque Demi também sorria, mesmo que tímida, fitando os olhos dele. Ela era tão linda que Joe a beijou de novo e disse como a amava sussurrando no ouvido dela antes de mordê-la na orelha.

   - Vamos para casa? – Ficar com ele era bom. Joe sabia como beijá-la e os toques dele eram respeitosos, apesar de também ousados. – Joe, casa. – Ela teve que empurrá-lo gentilmente apoiando as mãos no peito dele que assentiu se erguendo voltando para o banco do motorista. Os vidros do carro estavam embaçados e Ed literalmente mataria Joe caso descobrisse o que eles estavam fazendo...

   - Nós estamos juntos, certo? – Perguntou com um pouco de receio a olhando nos olhos. O coração dele estava quase saindo pela boca e o nervoso era tanto que Joe teve que respirar fundo para não passar mal.

   - Estamos. – O sorriso dele foi tão bonito que Demi também sorriu e se aproximou para dar um beijinho na bochecha dele. – Eu sinto muito por tudo. – Ela disse o olhando e Joe negou balançando a cabeça.

   - Eu iria me demitir, está tudo bem. – As coisas estavam complicadas para ele, e se complicariam mais, porém Joe só se importava em ter Demi. O resto era resto. – Vou dar um jeito, ok? Nada de ficar preocupada. – Joe sorriu com o selinho que recebeu nos lábios.

   - Amor, eu vou precisar muito de você, mais do que já preciso. – Ela disse envolvendo as mãos dele com as dela. – Não será fácil o que está por vir e eu estou com muito medo e vergonha. – As bochechas coraram e Demi olhou para baixo porque mesmo com Joe e com tudo que eles tinham conversado, ela sentia vergonha de ter sido exposta.


   - Nada disso. – Disse erguendo o rosto dela e beijando a ponta do nariz, o que fez Demi sorrir. – Vou tirar essa porcaria do ar ainda hoje, prometo. – Sim, ele tinha habilidades computacionais que ajudariam bastante a tirar os vídeos do ar antes mesmo que eles tivessem uma repercussão maior. – Eu vou sempre estar com você, gatinha. Vamos? Eu ainda tenho que passar no meu apartamento para alimentar a minha cadelinha gulosa e pegar uma muda de roupa para dormir agarrado com você. – Demi o olhou sorrindo e também sorriu se sentindo protegida e feliz. E não podia ser diferente. Ela estava com Joe.


Continua.. Oi! Tudo bem com vocês? Eu tô bem! E como sempre, minha vida está uma correria e se resume em provas e trabalhos. Espero que vocês tenham gostado desse capítulo, eu achei que ficou legal... Ah, só para lembrar, o caso Rose não vai passar batido! Já já essa menina entra em ação de novo e a coisa pode ficar feia para o Joe. Obrigada pelos comentários!  

12.5.17

Capítulo 39



   O que estava acontecendo naquela empresa era uma loucura. A Gyllenhaal Enterprise não era conhecida por escândalos, bem pelo contrário! Jason Gyllenhaal tinha construído o matrimonio multibilionário com muito esforço, dignidade e sabedoria. Pessoas tinham construído a vida trabalhando naquela empresa. E depois de quase quarenta anos, escândalos envolvendo a empresa estavam acontecendo. Jason Gyllenhaal estava morto porque foi assassinado dentro do próprio escritório e o neto herdeiro, Jake Gyllenhaal, saía do magnífico prédio principal acompanhado por policiais. Não dava para entender nada do que estava acontecendo, as pessoas arriscavam diferentes palpites. A imprensa pressionava de um lado e o povo do outro. O calor da tarde começava a castigar e estar no meio de uma horda de pessoas não era uma escolha inteligente. Quando Jake adentrou a viatura da polícia acompanhado por dois policiais e o carro finalmente partiu, o alvoroço aos poucos foi se desfazendo.

   - O que está acontecendo aqui? – Demi arregalou os olhos e precisou de alguns segundos para processar as palavras de Selena. Ela tinha acabado de chegar semelhante a um furacão, e claro, Mary estava grudada a ela como as novas melhores amigas que elas eram.

   - Oi para você também. – Tudo bem, Demi até mesmo poderia estar chocada com o que tinha acabado de presenciar com Jake e tudo mais, porém não deixaria passar de jeito nenhum a oportunidade de implicar com Mary e Selena. Ela era a melhor a amiga, não Mary.

   - Nós não sabemos, quando eu cheguei a polícia já estava no prédio. – Ed puxou Selena para os braços e a beijou na boca. Demi revirou os olhos e forçou um sorriso claramente falso para Mary percebendo que ela a olhava. Aquilo era horrível! Por que aquela mulher a olhava?

    - O Joe está melhor? – Mary se aproximou, tocou-a no braço e fixou o olhar ao dela. Demi arqueou uma sobrancelha observando tudo atentamente. Ela não tinha comentado com Mary nada a respeito de Joe, aquilo era obra de Selena!

   - Ele está muito bem. – Disse rispidamente, porém se sentiu mal por ser grossa. Até mesmo Ed tinha a olhado de uma forma diferente claramente não aprovando o comportamento. – Ele está repousando. Obrigada por perguntar. – Ela tinha forçado um sorriso para aliviar o clima e sentia que as bochechas estavam coradas.

   - Qualquer coisa que vocês precisarem, é só falar. – Demi sustentou o olhar de Mary por alguns segundos e então sorriu assentindo. Ela não conseguia! Aquela mulher não a enganava. Mary poderia ser aquele amor de pessoa por fora, mas por dentro tinha alguma coisa de errado.

   - Vamos meninas? – Disse Ed. Demi trocou um breve olhar com Selena e como não tinha escolha, teve que caminhar ao lado de Mary já que Sel e Ed estavam de mãos dadas e conversavam entre eles.

Dentro do prédio da Gyllenhaal estava bagunça! As pessoas que trabalhavam por ali estavam deslocadas e queriam uma resposta, e bem, os seguranças estavam ocupadíssimos com os repórteres insistentes.

   - Você não precisa ser grossa com ela. – A voz de Selena fez com que Demi engolisse em seco. Ed e Mary tinham se aproximado de outras pessoas para saber o que estava acontecendo.

   - E você não precisa esfregar na minha cara que ela é a sua nova melhor amiga, eu já entendi muito bem o recado. – Ok. Ciúme. Não tinha como controlá-lo e também Demi não fazia questão.

   - Nova melhor amiga? Por favor, Demetria. – Disse Selena respirando fundo porque não queria discutir com Demi. – Você está com ciúme. – Elas trocaram olhares ameaçadores e não gritaram uma com a outra porque estavam cercadas de pessoas que já estavam horrorizadas.

   - Você não larga do pé dela. Qual o seu problema? Vocês nasceram grudadas? – Disse Demi e Selena cerrou os dentes.

   - Ao menos ela não está sendo uma chata ciumenta neurótica. – Pronto. Era o suficiente para que as duas saíssem no tapa como geralmente acontecia.

   - Você me chamou de neurótica? – Demi desviou o olhar de Selena e umedeceu o lábio inferior antes de mordê-lo.

   - Chata ciumenta neurótica. – Disse Selena sem perder a pose. – Você está imaginando coisas. Eu não te troquei, a culpa não é minha se você não tem mais tempo para nada além do seu namorado. Você deveria pensar primeiro antes de acusar uma pessoa inocente.

   - Até parece. Não se faça de santa Selena, coisa que você não fica com o Ed. E é o tempo todo. Ah, tirando o tempo que você não está animadíssima conversando com a sua amiguinha sobre desfiles bregas. E aquela lá não tem nada de inocente, aposto que ela já ferrou a vida de muita gente com aquela cara de sonsa. – Estava prestes a acontecer, Selena umedeceu o lábio e Demi cerrou os olhos a observando. Elas estavam prontas para trocar insultos e tapas, só não aconteceu porque Marcus, o então cunhado de Jake, pediu atenção de todos.

   - Pessoal! – A voz do homem era forte e autoritária o suficiente para fazer com que todos ficassem calados esperando. Demi sentiu o olhar calculista dele a analisando e ela não teve coragem de olhá-lo de volta. Marcus era irmão de Susan, a esposa de Jake! – A empresa funcionará normalmente essa tarde, podem voltar ao trabalho. – Os múrmuros foram indiscretos e constrangedores, porém Marcus não disse mais uma palavra! E para surpresa de Demi, ele a olhou novamente até que Susan se aproximou dele e o abraçou. Ela deveria ter acabado de descobrir que Jake tinha sido preso ou o que tenha acontecido com ele..

   - Olha, eu vou para o meu escritório. – Era o melhor a fazer. Selena parecia disposta a continuar discutindo, porém Demi não queria ter que se deparar com Susan e ouvir as histórias estranhas dela. A situação era embaraçosa demais, todos sabiam que ela era a amante e Susan a esposa. E ninguém fazia questão de ser discreto ou não julgar. A prova disso foi quando Demi atravessou a multidão em direção ao elevador e as pessoas lançaram olhares curiosos a ela, e entre elas, Demi tinha certeza que Susan também a olhava.

Ficar sozinha no elevador era a melhor coisa que poderia ter acontecido naquele começo de tarde. A viagem até o departamento de Design foi tranquila e para não pensar em Jake e na confusão que ele estava metido, Demi focou todos os pensamentos exclusivamente em Joe. Ela até mesmo sorriu quando olhou em direção a mesa dele antes de abrir a porta do escritório. Se Joe estivesse na empresa, ele poderia passar à tarde todinha no escritório com ela. Trabalhar com ele seria divertido, aliás, fazer tudo com Joe era bom.

O sorriso tomou os lábios de Demi quando ela se acomodou à cadeira, ela até mesmo fechou os olhos. Joe era o motivo de toda a felicidade que irradiava daquela mulher! Ele estava na lembrança dela a olhando daquele jeito intenso enquanto a beijava sem se cansar. A vontade de Demi era de abraçá-lo e mover o corpo contra o dele sem cessar, estar com aquele homem era bom demais e ela poderia passar o resto da vida nos braços dele. Por alguns minutos ela ficou daquele mesmo jeito: tranquila pensando em Joe. E o silêncio no departamento era tão bom que Demi até mesmo cochilou e sonhou com o namorado e com os beijos dele. E como tudo que estava bom era suspeito, bateram à porta e Demi só ouviu na terceira batida. Ela estava tão sonolenta e mole que precisou de uns segundos para se recompor antes de permitir a entrar de quem quer que fosse.

   - Que cara é essa? – Ah, era Ed! Demi espreguiçou e esboçou o seu melhor sorriso de menina quando Ed se acomodou a cadeira da mesa.

   - Acabei cochilando. – Disse corada e como Ed era malicioso demais, ele arqueou uma sobrancelha e riu voltando atenção para o que estava na prancheta. – O que te traz aqui? – Perguntou buscando pelo notebook e as outras ferramentas de trabalho já que era o que ela deveria estar fazendo.

   - Eu estou sozinho. – Disse Ed a olhando e foi Demi quem arqueou uma sobrancelha. Ora, Selena tinha deixado até mesmo o namorado para ficar com Mary.. – O meu melhor amigo não está aqui, e eu sou o único homem por aqui. A fofoca está séria lá fora, elas estão conversando mais que trabalhando. – Demi imaginou que o nome dela deveria estar rolando solto, e de certa forma aquilo a incomodou muito.

   - Não estou com coragem para enfrentá-las. – Às vezes uma bronca resolvia muita coisa. E nem mesmo estando no cargo mais alto do departamento Demi tinha coragem de submeter-se a todos aqueles olhares femininos. Era demais para ela. – Onde está a Selena? – Para não levantar muitas suspeitas que estava com ciúme, Demi voltou toda a atenção para o notebook como se ele fosse a coisa mais interessante do mundo e na verdade tudo que ela olhava era para área de trabalho.

   - Ah! – Ed adentrou o cabelo escuro com as mãos e aproveitou para se espreguiçar. – Ela está fofocando também. – Disse estalando os dedos e Demi fez careta quando o olhou. – O Jake saiu daqui escoltado de policiais, não tem como ignorar isso. – Era verdade, não tinha como ignorar aquele fato e encaixá-lo a tantas teorias. Por que diabos Jake tinha sido preso? Aliás, ele estava preso? Poderia ter surgido uma nova pista do assassinato e talvez Jake precisasse de proteção para não acabar como o avô. Ora, tinha um assassino a solta e muitas perguntas sem respostas. E a principal pergunta era: Por que Jason foi assinado?

   - Você acha que o Jake..? – Demi umedeceu os lábios e sustentou o olhar de  Ed quando ele a olhou atentamente depois que ela tinha feito a pergunta. Não. Ela não conseguia pensar que Jake era capaz de tal absurdo. Era demais até mesmo para ele.

   - Que ele matou o próprio avô? – Os olhos de Ed eram verdes como os de Joe, só havia uma pena diferença entre as tonalidades. E pensar nos olhos de Joe e como eles eram intensos e bonitos quase que fez Demi sorrir. – Você acha que ele é inocente. – Não tinha sido uma pergunta e Ed não estava nada feliz. Ele desviou o olhar do de Demi para fitar a prancheta, relaxou o corpo na cadeira e respirou fundo.

   - Ele foi.. – Começou a dizer sem saber exatamente o que poderia descrever o que sentia sobre Jake. – Um verdadeiro canalha. – Completou buscando pelo olhar de Ed que não deixava de fitá-la por um segundo sequer esperando pelo que ela tinha a dizer. – Ele me manipulou e me usou. Isso é tão nojento e covarde. E a forma que ele tratou a Selena não tem explicação. – Por que diabos Ed a olhava daquela forma? Demi sentia que se ela dissesse uma palavra errada, Ed viria com o maior sermão que alguém poderia ouvir. – Eu te devo desculpas por tudo que aconteceu, eu sinto muito por ser uma idiota. Eu deveria ter ouvido a Selena, aliás, eu deveria ter ouvido todos vocês, mas.. Eu só sinto muito Ed, de verdade. – Com muita coragem Demi guiou a mão até a de Ed e a apertou com força. – Eu fui péssima com você. E desculpa por só dizer isso agora, eu sinto muito sobre a Sophia. – Será que tinha sido certo tocar naquele assunto? Ed desviou o olhar do dela porque os olhos dele estavam marejados. Droga! Tinha como se sentir pior? Demi se levantou e mesmo sem jeito, ela abraçou Ed com força e por alguns minutos apenas o consolou enquanto ele chorava calado.

   - Está tudo bem. – Eles trocaram sorrisos verdadeiros e mais um abraço apertado. – Você está perdoada. Só nos escute. – Disse sorrindo quando Demi o beijou na bochecha e assentiu prontamente. – E, por favor, não machuque o Joe, ele te ama e merece ser amado. – Demi assentiu. Ela nunca machucaria Joe, e faria de tudo para que nunca acontecesse. Ele era especial demais para perdê-lo.

   - Você o ajudou tanto. – Ela voltou para poltrona e se acomodou mais no espaço macio feliz porque estava falando do homem que mais amava em todo o mundo. – Quando eu o conheci no hospital ele era tímido a pondo de gaguejar. – O sorriso estava nos lábios dela ao se lembrar daquele Joe desajeitado e que gaguejava, ele conseguia ser mais fofo do que era. – Sabe, depois que descobri a verdade sobre o meu pai, perdi a vontade de construir uma família. Mas com o Joe, eu sinto que nós podemos lutar para conseguir tudo que quisermos. – Ed sorriu. Joe era um bom homem e o elemento que preencheria com amor todas as lacunas de infelicidade, carência e solidão da vida de Demi.

  - Se você quiser que ele fique corado e todo atrapalhado como antigamente, é só colocar camisinhas na compra de supermercado dele. – Demi riu junto com Ed. As bochechas coradas e o jeito atrapalhado eram exatamente como Joe reagia à camisinha. E ele ficava fofo.

   - Bem... – Ela sorriu corada e Ed arqueou uma sobrancelha começando a rir mais alto. Ele teria que zoar Joe, era a obrigação de melhor amigo. – Ed! Eu não vou falar com você sobre isso. – Sim, as bochechas dela estavam coradas e Demi escondeu o rosto com as mãos. Ela só estava se complicando.

   - Por que não? Nós somos amigos. – Ed riu de como Demi estava vermelha. Ela combinava com Joe até naquele detalhe. – Aposto que você e a Sel conversam sobre sexo. – Ele disse e Demi revirou os olhos, e era claro que Ed estava apenas brincando como sempre.

   - Nós conversamos. – Demi sustentou o olhar de Ed por alguns segundos, mas os dois acabaram rindo. – Você conversa com o Joe sobre sexo? – Perguntou curiosa e tímida, ela mal conseguia sustentar o olhar de Ed, mas o fez com muito custo.

   - Algumas vezes. Ele ainda é muito tímido sobre algumas questões, mas eu sinto que ele luta contra timidez da melhor forma possível para a gente conversar sobre sexo. – Demi desviou o olhar de Ed, mas o sorriso tímido ela não conseguiu esconder. Joe realmente lutava contra a timidez, e quando ele estava na cama com ela, fazia o mesmo e era fofa a forma como ele tentava driblar algo que era uma característica natural dele. – Tudo bem, não vamos conversar sobre sexo, você e o Joe. – A tarde estava prevista para ser desastrosa, porém estar com Ed era divertido e Demi tinha gargalhado tanto das coisas que o rapaz dizia. Eles se divertiram e trabalharam como os bons amigos que sempre foram.


   - Você deveria levar o Joe para conhecer a cidade, ele só conhece o Central Park. – Disse Ed mais concentrado no que fazia no notebook e Demi não estava diferente, mas ela assentiu com um murmuro. – Posso emprestar o carro. – Disse e a conversa foi interrompida quando bateram à porta.

  - Estão precisando de você. – Selena não adentrou o escritório, ela entreabriu a porta, lançou um rápido olhar sobre Demi e voltou à atenção para o namorado que assentiu.

   - Volto daqui a pouco. – Disse Ed a Demi enquanto se ajeitava. E quando ele se levantou e deixou o escritório dando um rápido beijo na namorada, Selena continuou na porta e Demi fingindo que estava concentrada no notebook.

   - Você deseja alguma coisa? – Tinha soado tão profissional! Demi até mesmo enlaçou os dedos e fitou os olhos de Selena com toda a educação que tinha. Ora, era melhor quebrar aquele gelo a manter todo o clima chato e tenso que se estendia entre elas desde o começo da tarde.

   - Você está com ciúme. – Disse Selena fechando a porta do escritório para que elas finalmente pudessem conversar. – Eu já disse e repito: jamais vou te trocar. – Demi desviou o olhar para o vidro da mesa e conforme Sel se aproximava, o frio na barriga aumentava.

   - Se eu estou com ciúme é porque você está dando motivos. – Demi fitou os olhos de Selena e respirou fundo organizando os pensamentos. – Selena, qual foi a última vez que nós ficamos juntas? A sua vida literalmente se resume em Ed e Mary. O Ed, eu até entendo. Ele é o seu namorado. Mas essa.. essa garota? Que droga! Eu sinto sua falta e odeio ter que te dividir! – Ela chegava gesticular as mãos. Compartilhar Selena com outra pessoa nunca tinha sido uma opção, era egoísta, mas era o desejo de Demi.

   - Eu sei, só não fica emburrada. – Aos pouquinhos Sel se aproximou e aproveitou para sentar no colo de Demi a abraçando apertado. – Eu te amo muito! Não seja boba, a Mary pode até ser uma amiga, mas você é a minha irmã de alma e nós sempre mais estar juntas. – Elas se olharam e acabaram emocionadas, trocaram sorrisos sinceros e um abraço aconchegante. O sentimento era fantástico. Demi sorria feliz abraçada a Sel que também sorria. Estavam felizes uma com a outra e por minutos compartilharam o momento em silêncio e trocando carinhos.

   - Faz carinho no meu cabelo? – Pediu Demi de olhou fechados e Selena sorriu observando todas as sardinhas no rosto da amiga. Ela era tão linda e não era à toa que os homens ficavam loucos quando o assunto era Demi.

   - O que você quiser, gatinha. – Demi fez careta, mas riu quando olhou para Selena que tinha uma sobrancelha arqueada.

   - Não vale copiar o apelido do meu gatinho, você tem que ser original Selly. – Selena riu escondendo o rosto no pescoço de Demi, que também riu porque sentia cócegas.

   - Gatinho, Dem? Sério? – Demi mostrou língua e forçou Selena a se levantar para que ela também pudesse. – Você já foi mais criativa. – Selena sorriu quando Demi a abraçou por trás a guiando em direção ao sofá onde elas se deitaram abraçadas.

   - Eu o chamo de amor porque ele é o meu amor. – Selena revirou os olhos com tanta vontade e Demi riu alto se acomodando no peito da amiga.

   - Viu? Você não pode reclamar do Ed porque você passa o tempo todo com o Joe. – Era verdade e Demi deu de ombros.

   - Se eu pudesse eu passava o meu dia todo com você e ele. – Selena sorriu e adentrou o cabelo de Demi para que pudesse acariciá-la como sabia que a amiga gostava. – Vocês são as pessoas que eu mais amo no mundo todo. – Disse Demi de olhos fechados e logo suspirou. O peito subia e descia tão tranquilamente, e Demi gostava de ouvir os batimentos cardíacos de Selena e de toda a intimidade que elas tinham e o carinho que Sel fazia era tão bom que ela poderia cochilar a qualquer momento.

   - Você está tão manhosa. – Comentou Selena puxando levemente o cabelo da nuca de Demi para que ela a olhasse. – Eu conheço essa cara. – Disse quando fitou os olhos de Demi e verificou que as bochechas estavam coradinhas. – O seu almoço deve ter sido excelente. – Demi riu corada quando Sel a acariciou no bumbum. Excelente era pouco. Estar nos braços de Joe era umas das melhores sensações que Demi já tinha experimentado. – Você não tem jeito Demetria. – Disse quando Demi se aninhou a ela de olhos fechados pronta para dormir. – Que tal uma noite das garotas? – Perguntou Sel minutos mais tarde. Ela também estava quase dormindo, mas os sentidos estavam atentos a qualquer loucura que poderia acontecer naquela empresa. Ultimamente as coisas mais insanas aconteciam de um segundo para o outro pegando todos desprevenidos.

   - Amanhã, hoje eu preciso ficar de olho no Joe. – Todo cuidado ainda era pouco. A saúde de Joe era frágil e Demi não queria nunca mais ter que voltar no hospital com o namorado desmaiado.

   - Essa é a pior desculpa que você já inventou, mas vou fingir que acredito. – Demi se ergueu e fez careta fitando os olhos marrons de Selena.

   - Não é desculpa, eu preciso cuidar do meu amor. – Disse voltando a deitar a cabeça no peito de Selena que assentiu esboçando um pequeno sorriso. – Pelo menos essa noite. – Não tinha como negar que uma parte pedia para que ela cuidasse do namorado e a outra pedia para que ela estendesse o que eles tinham feito na hora do almoço..

   - Você está apaixonada. – Selena conhecia Demi bem o suficiente para saber tudo sobre ela. As manias, defeitos, paixões, pontos fracos e fortes, ela literalmente sabia tudo sobre Demi. Os olhos sempre tinham aquele aspecto sonhador, um pouco triste e perdidamente apaixonado. O marrom tinha o brilho especial e toda vez que Demi ficava quieta demais, Selena a flagrava com um pequeno sorriso nos lábios e tão pensativa. A culpa toda era de Joe. Ele era dono do sorriso e de toda a felicidade de Demi, e no fundo Selena tinha medo que Demi se machucasse.

   - Estou. – Ela afirmou cochilando. – E eu queria ter ficado com ele. – Selena nada disse, apenas brincou com o cabelo de Demi que aos poucos relaxava cedendo ao sono, porém todo o sossego foi interrompido quando bateram à porta impacientemente.

   - Estou indo. – Murmurou Demi se erguendo de cenho franzido. O mundo deveria estar acabando! Era a única explicação para toda aquela insistência. Antes de abrir a porta, Demi arrumou o cabelo e olhou para Selena que já estava sentada no sofá com pose e com o cabelo arrumado. – Pensei que você derrubaria a minha porta. – Resmungou quando abriu a porta e Ed adentrou o escritório ofegando.

   - Você está bem? – Selena estava tão confusa quanto Demi. Ed respirava fundo e tinha as mãos apoiadas aos joelhos. Ele ofegava tanto que as bochechas chegavam estar coradas. – Ed? – Sel se levantou e caminhou até que estava ao lado do namorado o observando melhor.

   - A polícia está aqui. – Disse o rapaz franzindo o cenho e caminhando até o sofá. – Eu subi as escadas correndo. – Disse fechando os olhos e Demi e Selena ainda não entendiam o porquê de todo o exagero. – O pessoal quer falar com você Demi. – A surpresa foi tão grande que Demi arregalou os olhos e ela estava literalmente sem palavras. Porque diabos a polícia queria falar com ela? O coração de Demi disparou no peito e ela ficou tão pálida quanto uma folha de papel quando bateram à porta.

   - Respira fundo. – Os olhos marrons de Selena entraram no campo de visão de Demi por poucos segundos, eles tentavam passar confiança e serenidade, mas foi uma missão falha. Demi sentia o coração tão acelerado que pensava que podia ouvi-lo. Ela não teve coragem de abrir a porta e não sabia como iria se comportar, por isso Sel tinha cuidado daquele detalhe e tentou ser o mais normal possível quando abriu a porta do escritório e um único agente adentrou ao escritório depois de se identificar com o distintivo.

   - Boa tarde. Srta. Lovato? – Sim, ele estava falando com ela! Demorou alguns segundos para Demi assentir fitando os olhos azuis do detetive, mas ela o fez num gesto automático e assim como demorou a assentir, quase que ela deixou o homem no vácuo quando ele estendeu a mão para que ela a apertasse. A postura séria era quebrada por aquele ar sexy. Ele era bonito! E como era! O que não ajudava em nada e Demi sentiu as bochechas corarem com o olhar que recebia. – Detetive Chris Pine. – Apresentou ainda a olhando intensamente e Demi teve que desviar o olhar para Selena. – Eu gostaria que a senhorita me acompanhasse até a delegacia para prestar depoimento. – Delegacia? Demi franziu o cenho sem saber o que pensar, e ela não teve coragem de encará-lo porque ele era bonito demais e ela estava nervosa com a situação.

   - Depoimento? – Ed se levantou prontamente para defender Demi, ele não deixaria que ela se submetesse a situação sem que saber todas as incógnitas que estavam envolvidas. – Você tem um mandato? – Arriscou dizer e Selena levou a mão à testa. Ela queria mandar Ed calar a boca e Demi também, piorar a situação não era uma alternativa.

   - Você é? – Demi observou que não era apenas ela que estava afetada pela beleza do detetive. O olhar de Selena analisando o homem queria dizer muita coisa, e caso Ed não estivesse muito envolvido em sustentar o olhar do detetive Pine, ele surtaria.

   - Jesse Metcalfe, trabalho no setor. – Eles trocaram um aperto de mão firme e se olharam quebrando um pouco daquela tensão masculina. Ed só era curioso e esperto demais para deixar que um homem desconhecido mesmo com um distintivo adentrasse o escritório de Demi e pedisse que ela o acompanhasse a delegacia.

   - Nós vamos esclarecer mais a situação quando chegarmos à delegacia, onde é mais adequado para tratar o assunto. – Os três assentiram. Não tinha saída, mas era como aquela típica frase: quem deve não teme. E foi pensando naquilo que Demi buscou pela bolsa e se preparou psicologicamente para sair daquela sala acompanhada por um detetive. Era mais um motivo para as pessoas falarem. Todos já estavam a julgando e lançando olhares feio a ela. Poderia ficar pior?

   - Ela tem que ir com vocês? Quer dizer, não podemos levá-la? – Selena arriscou perguntar ao detetive quando percebeu que Demi já estava preparada para ir à delegacia.

   - A decisão está em suas mãos. – Demi assentiu ruborizando com o olhar do detetive. Seria melhor se ela saísse com Selena a sair escoltada por policiais para dentro de uma viatura. – Mas nós precisamos da senhorita na delegacia agora, estarei esperando lá fora. – Respirar fundo só foi possível quando o homem deixou o escritório. Ed estava escorado no sofá e não estava muito feliz, já Selena estava preocupada e Demi assustada e pálida.

   - Isso é coisa daquele assassino doente. – Disse Ed bruscamente atraindo os olhares de Demi e Selena. – Não o deixe te arrastar junto, nós sabemos de coisas suspeitas e você deve contar tudo a polícia Dem, lugar de criminoso é atrás das grades. – Selena lançou um breve olhar a Ed o repreendendo. Não era hora para ele falar demais mesmo que fosse verdade. – Sinceramente? Eu não consigo acreditar nisso! – Ed adentrou os cabelos com as mãos e respirou fundo. Ele se sentia revoltado e sabia que quebraria Jake em dois caso ele estivesse naquele prédio.

   - Eden! Por favor. – Disse Selena mais preocupada em acalmar Demi que fazia contagem para controlar o nervoso. – Dem, é normal ficar com medo, mas pense que tudo vai dar certo. É só contar a verdade. – Demi assentiu sem fitar os olhos de Selena. Ela focou o olhar num ponto qualquer e por alguns segundos não conseguiu pensar em nada além da bagunça que tinha arrumado quando permitiu que Jake invadisse seu mundo.

   - Ed, não fala nada com o Joe, ok? – Disse Demi. Ela não queria preocupá-lo e sabia que ele não podia passar por aquele tipo de situação, ele tinha saído do hospital não tinha vinte e quatro horas e tudo que ela menos queria era prejudicá-lo de alguma forma.

  - Dem! – Ed a repreendeu a olhando atentamente e Demi umedeceu o lábio inferior. Era preciso ter paciência com Ed, quando ele queria, ele conseguia ser a pessoa mais persistente e questionadora que ela conhecia.

   - Eu vou resolver essa situação, é só um depoimento e nada mais. – Disse arrumando a bolsa sobre o ombro. – Vou contar tudo que eu sei e vou para casa. Converso com o Joe mais tarde, não quero assustá-lo. – Selena lançou um olhar feio a Ed que já se preparava para contradizer Demi. Na cabeça do rapaz, Joe tinha que estar ao lado da namorada para protegê-la das canalhices de Jake, mas ele respeitaria a decisão de Demi. – Você vai tomar conta do departamento. – Disse a Ed que assentiu se ponto de pé. – Sel, eu posso ir com o detetive, não quero te prejudicar. – Selena negou balançando a cabeça.

    - Nada disso, eu vou te levar e vou ficar com você o tempo que for preciso. – Demi sorriu fitando os olhos de Selena mesmo estando nervosa. – Não seja chato, ok? Só deixe tudo no lugar. – Enquanto Selena beijava Ed, Demi preferiu checar as mensagens no celular apenas para dar mais privacidade para os amigos. A família de Joe era realmente grande! Eram tantas pessoas do estado do Texas que curtiam a foto que ela tinha postado na noite passada no restaurante. Só faltava alguém curtir: Rose. Demi procurou pelo nome da menina na enorme lista de curtidas e não o encontrou. Era óbvio que ela tinha visto! Curiosa como sempre, Demi espiou Selena e Ed que prolongavam o beijo e fez careta. Ela estava ali! Ed abraçava Selena e uma das mãos dele já estava no bumbum o apertando. Homens! Voltando a atenção para o celular, Demi procurou pelo perfil de Rose nos amigos de Joe, e quando o adentrou, bem, ela estava bloqueada. A menina tinha a bloqueado! Aquilo definitivamente não era um bom sinal. E o murmuro de “droga” foi o suficiente para que Ed abrisse os olhos e deixasse os lábios de Selena com um selinho molhado.

   - Nós podemos ir? – Perguntou Demi um tanto sem jeito, irritada e nervosa. Era só o que faltava! Ela teria que depor e a prima de Joe tinha a bloqueado. Podia ficar pior? Ah, sim! Ed e Selena começariam a fazer coisas se ela não os interrompesse.

   - Podemos! – Selena sorriu para Ed ainda concentrada nos lábios dele, então ele a beijou novamente a fazendo sorrir timidamente. – Ei, animo! – Disse Sel a Demi assim que Ed a abraçou por trás para que eles pudessem caminhar para fora do escritório.

   - Animo? Eu estou indo para delegacia. Não tem como ficar animada. – Demi revirou os olhos quando Selena sorriu com algo que Ed disse no ouvido dela. Era melhor deixá-los sozinhos ou até mesmo ir a delegacia dentro de uma viatura. Quando viu que não teria jeito, ela saiu daquela sala o mais rápido possível e assim que pisou fora do escritório sentiu os olhares sobre si. Será que ela estava vestida como uma palhaça ou algo do tipo? Demi preferiu fitar o chão a retribuir o olhar das colegas. Ora, elas sempre tinham sido unidas e formavam uma família. O departamento de Design era o melhor porque uma ajudava a outra e juntos elas conseguiam fazer o impossível. Para não ficar parada sem fazer nada chamando mais atenção, Demi caminhou até a mesa de Selena para buscar a bolsa dela para que não demorasse mais. Tudo que ela menos precisava era que o detetive bonitão subisse para levá-la para delegacia pela orelha. O que diabos Ed estava fazendo com Selena? Demi pensou em adentrar o escritório, mas no fundo não sabia se estava muito disposta a descobrir o que aqueles dois faziam..

   - Demi, está tudo bem? Eu soube que a polícia está na entrada do prédio. –
Ótimo, Mary! Demi revirou os olhos mentalmente. Quem Mary queria enganar com aquela cara de anjo? Era simplesmente a pior atuação que Demi já tinha visto.


   - Está, não é nada demais. – O sorriso forçado só saiu porque Selena tinha acabado de sair do escritório com Ed e a última coisa que Demi queria e precisava era brigar com Sel. – A gente se vê. – Ela forçou um sorriso e pegou a bolsa de Sel deixando Mary curiosa. – Vamos? – Disse assim que se aproximou de Selena e Ed.

   - Vamos. – Disse Sel pegando a bolsa. – Vamos te manter informado, cuida de tudo. – Por que diabos eles tinham que se beijar toda hora? Demi observou a cena com cara de poucos amigos e deu graças a Deus quando elas finalmente caminharam em direção ao elevador depois de Ed beijá-la carinhosamente na testa desejando boa sorte.

   - Você demorou. – Disse a Selena quando o elevador chegou ao hall. Foi impossível não sentir a barriga doer de nervoso. Dessa vez era ela quem estaria no foco, e Demi rezava para que não fosse fotografada pelos malditos paparazzi. – Eu estou nervosa, Sel. – Disse assim que as portas se abriram e por um pouco elas ficaram para trás já que quem tinha que adentrar o elevador o adentrou e elas não saíram.

   - Não precisa ficar nervosa, nós vamos resolver isso. – Demi não esperava pelo beijo na bochecha e muito menos que Selena enlaçasse os dedos aos dela, mas ela tinha se sentido segura e confiante que tudo realmente daria certo. O ruim era que as pessoas olhavam e não eram discretas. Quando atravessaram o hall do prédio super movimentado, as pessoas pararam o que estavam fazendo para olhar e comentar não tão baixinho. O que dava forças a Demi eram os dedos de Selena enlaçados aos dela a guiando para fora daquele prédio, e quando ela finalmente saiu pelas portas de vidro, o alivio a tomou. Ela não era famosa como Jake, então não tinha a mesma quantidade de curiosos como mais cedo e o transito não estava interditado até porque a viatura era apenas uma e o detetive parecia entretido demais com o conteúdo do jornal para notá-las.

Nova York tinha tirado aquele dia para ter uma tarde quente! Os raios de sol estavam fortíssimos iluminando tudo ferozmente. Senti-los penetrar a pele era um castigo e até mesmo estava ruim para respirar de tão abafado que estava. Era o que dava trabalhar num prédio cheio de ar-condicionado e todas as outras regalias. Demi olhou em direção a viatura observando o detetive enquanto caminhava com o braço enlaçado ao de Selena em direção ao carro. O rapaz era novo para ser detetive, e bem, também era bonito demais. Claro que não mais bonito que Joe. Pensar no namorado foi o suficiente para que Demi se sentisse mal por admirar um pouco demais o detetive Pine, porém não deu muito tempo para se sentir culpada. O trânsito seguia o seu curso normal: com muitos e muitos carros. As pessoas como sempre eram como uma horda e estavam em todos os cantos. Os arranha-céus eram literalmente altos a ponto de sombrear algumas áreas da cidade assim aliviando os raios de sol. Como Nova York já costumava ser agitada por si só, Demi e Selena não perceberam quando um pequeno grupo de repórteres amadores e paparazzi se aproximou correndo atrapalhando o percurso das outras pessoas apenas para conseguir informações.

   - Demi, o seu affair com Jake Gyllenhaal chegou ao fim? Você já pensou em como toda a repercussão dos vídeos vai influenciar na sua carreira? – De onde tinha saído aquele rapaz? Demi arregalou os olhos quando teve a câmera apontada para a face por mais um homem e então pelo menos cinco deles estavam ao seu arredor fazendo perguntas e mais perguntas.

    - Lovato, olha para câmera! – Outro reporte gritou e a confusão começou. Apressar o passo parecia ser a solução perfeita, porém conforme andava rápido Demi sentia a batata das pernas doer e ela estava com medo de cair por conta do sapato de salto, por isso agarrou com mais força o braço de Selena que estava tão assustada quanto ela. Elas chegavam a ofegar e a perseguição não acabava, os homens insistiam em gritar: Lovato, olha para câmera! Ou gritar perguntas sobre Jake.

   - Para viatura, garotas. – De onde ele tinha surgido? Elas não estavam nem mesmo perto do carro de Sel porque a perseguição tinha sido o suficiente para atordoar as duas mulheres. O tom de Chris era duro e tudo que elas tinham feito foi seguir em direção à viatura em paz com o homem logo atrás. – Tudo bem? – Demi e Selena estavam acomodadas no banco de trás e o detetive tinha acabado de adentrar a viatura lançando um breve olhar as estudando. E a coragem para respondê-lo? Demi assentiu balançando a cabeça e Selena murmurou um tímido “sim”.

Dentro do carro o calor ainda era mais cruel, porém quando Chris deu partida fechando os vidros das portas e ligando o ar-condicionado, foi possível repirar fundo e se sentir confortável mesmo estando numa viatura. O silêncio só era quebrado quando o rádio da polícia informava alguma ocorrência ou chiava, ninguém ousava em dizer uma palavra e todos sabiam que deveria ser daquela forma. Demi aproveitava para observar o movimento da cidade enquanto pensava no que ela poderia contar a polícia sobre Jake. Ele tinha aprontado muito! Começava pelos assédios com Selena e o abuso de autoridade com Joe, então tinham as câmeras que monitoravam áreas que não deveriam.. E as fitas. Demi sentiu um arrepio na espinha e no mesmo instante Selena cobriu a mão esquerda dela com a direita como se adivinhasse que aquele não era um bom momento. Os dedos delas estavam enlaçados e quando Demi desviou o olhar dos dedos para os olhos de Sel, Selena também a olhou e por segundos elas sustentaram o olhar. Apenas sustentavam aquele olhar sentindo o coração acelerar e tudo ficar bem.

   - Chegamos. – O carro estava parado e a voz de Chris soou firme o suficiente despertá-las daquele transe. Demi sorriu sem graça e Selena abaixou a cabeça também sorrindo, elas se olharam de novo e o nervoso atingiu Demi em cheio quando a porta da viatura foi aberta pelo detetive que não parecia nada paciente com toda a burocracia que tinha enfrentado.

   - Tudo bem? – Selena perguntou oferecendo gentilmente a mão a Demi, que aceitou no mesmo instante enlaçando os dedos aos dela porque sentir a segurança que Sel transmitia era a melhor forma de encarar a situação de cabeça erguida.

   - Estou nervosa, Sel. – Disse Demi colocando uma mexa do cabelo atrás da orelha. Elas caminhavam a passos largos logo atrás do detetive para o interior da delegacia que como o de costume estava lotada. – Eu queria que o Joe estivesse aqui. – Confessou Demi atraindo o olhar de Selena. Ela queria tanto sentir os braços de Joe a envolvendo e poder olhar para os lindos olhos verdes dele e admirar toda a inocência que eles transmitiam.

   - Posso ligar para ele. – Disse Selena a olhando nos olhos e por conta da correria na delegacia elas tiveram desenlaçar os dedos já que toda hora alguém pedia licença.

   - Eu não quero que ele fique preocupado. – Disse Demi. Ela não queria que ele ficasse preocupado, porém precisava muito que ele estivesse ali para tranquilizá-la e abraçá-la daquele jeitinho carinhoso que só pertencia a ele. – Ele saiu do hospital hoje pela manhã. – Completou para que Sel entendesse que a situação era delicada e Selena assentiu prontamente.

   - Só a testemunha. – Demi franziu o cenho quando o percurso foi interrompido por um marmanjo fardado que não permitia que Selena seguisse caminho com ela. O que ela faria sozinha no meio daquele tanto de gente desconhecia? O detetive já estava dentro da sala e a observava assim como o policial na porta da sala.

   - Vai dar tudo certo, meu anjo. – Só Selena para ter paciência! Demi assentiu fitando os olhos da amiga demonstrando como ela estava aflita e nem mesmo quando Sel enlaçou os dedos aos dela e sorriu, o sentimento foi embora. – Só diga a verdade, você é inocente. – Demi assentiu recebendo o beijo na testa e antes que Sel pudesse virar as costas para deixá-la sozinha, ela puxou a amiga para um abraço apertado.


O corredor parecia não ter fim. Demi caminhava ao lado do detetive e de uma policial e quando já estava achando tudo aquilo estranho, o homem parou em frente a uma porta e a abriu dando passagem para ela. Aquilo acontecia só em filme, não? A sala tinha a típica parede de vidro, a mesa e a cadeira onde certamente ela sentaria. Só faltou mesmo a iluminação do ambiente apenas com um "abajur".

    - Vocês vão me interrogar? – Tinha sido inteligente fazer aquela pergunta? Ela tinha soado desesperada e Demi se arrependeu de ter perguntado. Era óbvio que eles iriam interrogá-la de um jeito que não seria apenas um depoimento.

   - Nós estamos investigando um assassinato. Toda informação é necessária. – Disse Chris a olhando sem julgamentos e Demi assentiu um tanto deslocada. – Por favor, sente-se. – Ok, respira. Demi se acomodou a cadeira colocando a bolsa sobre a mesa. Havia problema? Ninguém tinha reclamado então ela se concentrou em relaxar esperando pelas perguntas do detetive, porém era tão difícil! O coração batia cada vez mais rápido e a mulher de guarda a deixava ainda mais nervosa.

   - Eu ao menos posso saber sobre o que vou ser interrogada? – Perguntou aflita porque era curiosa demais e o silêncio da sala a incomodava assim como todo o ambiente frio e profissional. – Desculpe, eu nunca fui interrogada e eu estou nervosa. – Disse chamando a atenção de Chris que folheava algumas folhas grampeadas.

   - Você não precisa ficar nervosa. – De repente os olhos azuis que fitavam a papelada estavam sobre ela e Demi assentiu automaticamente. – Você quer um copo com água? – Perguntou e novamente Demi assentiu. Não foi preciso dizer nada para que a policial buscasse por um copo com água no corredor em menos de um minuto.

Uma coisa era certa: ser a atração principal era uma droga! Demi tomou toda a água sentindo olhares sobre si e ela se repreendeu porque estava louca para perguntar se aquela parede vidro era uma parede falsa e atrás dela pessoas importantes assistiam ao interrogatório.

   - Você precisa de mais água? – Ele perguntou sério e Demi queria dizer que sim, ela poderia beber pelo menos três copos com água, mas o interrogatório precisava começar.

   - Eu estou bem. – Disse tentando manter a calma e foi impossível se controlar internamente. Até mesmo o gesto do detetive se acomodando a cadeira a deixou agitada e nervosa.

   - Preciso que você assine esse campo. – A folha de papel estava à disposição de Demi e ela arqueou uma sobrancelha quando olhou Chris. Uma coisa era estar nervosa, outra completamente diferente era assinar um documento sem saber do que se tratava. – O seu depoimento será registrado e estudado a favor do caso Jason Gyllenhaal, precisamos da sua assinatura constando que você concorda em registrar todo o procedimento. – Demi assentiu prontamente entendendo o que Chris queria dizer. Se fosse para ajudar a descobrir quem tinha feito aquela atrocidade com Jason, ela faria o que fosse possível. Mas mesmo antes de assinar, Demi preferiu conferir alguns tópicos e as outras folhas. – Podemos começar? – Demi fechou os olhos e segundos depois ela assentiu. Será que todo o comportamento estranho a fazia suspeita?

Respirando fundo algumas vezes, Demi assentiu novamente e disse um firme “podemos”. Ela diria a verdade e apenas aquilo, não deixaria que o nervoso a dominasse. O detetive Pine buscava por um bloquinho e sobre a mesa tinha um gravador, a policial estava impassível e o silêncio era agonizante.

   - Onde você estava quando Jason Gyllenhaal foi assassinado? – A pergunta era tão direta e simples de responder.

   - Eu estava com Jake Gyllenhaal.. – Disse sentindo as bochechas corarem porque sabia que Jake tinha sido interrogado e deveria ter dito que estava com ela.

   - Onde vocês estavam? – Perguntou Chris a fitando tão intensamente que Demi teve que umedecer o lábio inferior para que pudesse sustentar o olhar dele.

   - Nós passamos a noite no apartamento dele. – Disse sempre mantendo aquele mesmo padrão de resposta: segura e olhando para os olhos de Chris.

   - Você deixou o apartamento em que horário? – Perguntou.

   - Às sete e quarenta da manhã.

   - Você usaram algum tipo de droga ou consumiram álcool? – Demi negou já sentindo as bochechas corarem. – Em algum momento da noite você ou ele deixou o apartamento? – Perguntou depois de anotar no bloquinho.

   - Nós passamos à noite toda juntos no apartamento dele. – Disse desviando o olhar já corada.

   - O que vocês fizeram? – Por que diabos ele tinha feito a pergunta? Não estava óbvio? Demi fechou os olhos porque estava realmente envergonhada e consequentemente não conseguiu sustentar o olhar de Chris por muito tempo.

   - Sexo. – Murmurou mordendo o lábio inferior. – À noite toda.. Até o amanhecer. – Como ela se arrependia daquela noite e de todas as outras que tinha compartilhado com Jake. Ele não tinha acrescendo em nada além de problemas e mais problemas. Demi adentrou o cabelo com os dedos e respirou fundo sem muita paciência.

   - Onde vocês se encontraram? – Chris parecia bravo e Demi não gostou nada do olhar dele, mas o sustentou por alguns segundos enquanto formulava o que iria dizer.

   - Minha mãe me convidou para jantar em um dos restaurantes que ficam em frente ao Central Park, não me recordo o nome, mas é perto de onde eu moro. Eu a encontrei por volta das sete e meia, deixei o restaurante poucos minutos depois porque nós discutimos. – Disse tentando se recordar do máximo de detalhes que podia, e antes que Chris pudesse perguntar, ela completou: - Nossa relação é complicada.. Quando saí do restaurante segui o curso da rua chorando, poucas quadras a frente e eu esbarrei com o Jake. – Aquela era definitivamente a parte mais complicada e Demi não sabia a incluía ou pularia direto para o apartamento do rapaz. A pausa dela foi tão longa que Chris arqueou uma sobrancelha esperando e foi aí que Demi se lembrou dos conselhos de Selena e Ed. Ela deveria contar a verdade, apenas a verdade. – A gente já se conhecia do Café Wha? e de outra noite, eu não sabia que ele era neto do Jason. Aliás, eu nem sabia que o Jason tinha família, ele comentou sobre o neto na tarde que foi assassinado e eu definitivamente não sabia que se tratava do mesmo Jake que eu estava saindo.

   - O que o Jason disse sobre o Jake? E há quanto tempo você conhecia a vítima? – Perguntou sem dar oportunidade para Demi continuar.

   - Foi a última vez que eu o vi. Eu o conheci na minha formatura. Dois anos atrás. – Comentou sem conseguir controlar as emoções. – Como comentei, o meu relacionamento com a minha mãe é conturbado e quase sempre nós estamos discutindo. Poucos dias atrás, para ser exata no dia dos pais, descobri que sou fruto de um estupro. Foi nesse mesmo dia eu conheci o Jake no Café Wha? e nós dormimos juntos. – Ela respirou fundo um tanto sem jeito por compartilhar aquela informação com a polícia. – Na tarde em que o Jason foi assassinado, a minha mãe entrou em contato e eu não sabia o que fazer a respeito. Como de costume, eu sempre levava os documentos da empresa para o Jason no final do expediente. Quando adentrei o escritório dele, ele percebeu que eu estava triste e me fez contar o que estava acontecendo. Ele me aconselhou a dar mais uma chance para minha mãe e acabou comentando o Jake. Ele disse que o Jake era um bom empresário e tinha ideias incríveis, mas que era muito ambicioso e impaciente com a empresa que tinha acabado de montar. Ele também disse que tinha discutido com o Jake na noite passada, mas não entrou em detalhes. – E Jason a expulsou do escritório depois que eles trocaram um abraço caloroso. Demi sorriu triste porque sentia falta do amigo. Ele era como um pai e ela tinha certeza que Jason não deixaria que Jake fizesse toda a bagunça que tinha feito, e bem, ele iria adorar Joe.

   - Depois você foi para casa e mais tarde encontrou a sua mãe no restaurante? – Perguntou mais concentrado em anotar no bloquinho a olhá-la. – Você encontrou o Jake na mesma rua do restaurante, certo? – Demi tornou a assentir.

   - Na verdade eu acabei esbarrando com ele. – Comentou o corrigindo.

    - O que ele estava fazendo? – Demi não queria responder a pergunta porque era complicado demais. Jake tinha mentido e estava estranho, o que a deixava apavorada de medo.

   - Bem.. – Diga a verdade! Apenas a verdade! A consciência gritava e Demi respirou fundo. – Quando a gente se esbarrou, ele me acalmou e pediu que eu o esperasse. Ele não falou o que iria fazer, e não perguntei porque eu estava magoado e ainda envolvida com a história da minha mãe. Ele disse que voltava em cinco muito, mas demorou mais de dez e quando voltou, ele estava assustado, as mãos tremiam e toda hora ele olhava para trás. Cheguei a perguntar se tudo estava bem, e ele disse que só estava nervoso por conta do jogo dos Yankees, faltava apenas um arremesso para o time ganhar o jogo, segundo ele.

   - Os Yankees não jogaram naquela noite. – Selena tinha dito a mesma coisa e Demi teve que assentir. Ela não tinha muito a dizer, não gostava de esportes como aquele.

   - Foi o que ele me disse. – Continuou fitando os olhos do detetive. – Nós comemos no McDonald’s e fomos para o apartamento dele, o resto da noite você já sabe o que aconteceu.

   - Você concordou em ser amante do Jake Gyllenhaal? – A pergunta a pegou de surpresa e Demi se sentiu desconfortável. As pessoas a enxergavam daquela forma?

   - Não, definitivamente não. Para mim, nós estávamos namorando.. Ou começando um relacionamento já que ele sempre dizia que eu era especial. – Disse sem muita paciência. – Eu não sabia do casamento e dos filhos até descobrir no dia que coloquei um ponto final em tudo que nós tínhamos. – Aquele dia tinha sido terrível e se não fosse André para socorrê-la e Joe para animá-la, Demi teria passado o resto do dia em lágrimas.

Ela contou sobre o assédio sexual de Jake com Selena, o abuso de autoridade dentro da Gyllenhaal, e eram tantas outras coisas para contar que Demi precisou de alguns copos com água e fazer algumas pausas para recuperar o fôlego. Como ela não tinha percebido que a história da câmera era mentira? Chris tinha desmentido no mesmo instante e Demi se sentiu mal por ter acredito nas palavras de Jake. Contar sobre Dianna e Jake e a repercussão na conferência foi duro e Demi sentiu vergonha de olhar para Chris que não conseguiu disfarçar quando arregalou os olhos.


   - Você disse fitas e CDs? – Demi assentiu já cansada. Deveria ter muito tempo que ela estava confinada naquela sala, e até então aquela deveria ser a informação mais importante da tarde já que o detetive lançou um breve olhar a policial. – Onde você viu essas fitas, Demi? Você pode descrever o local? – Ele perguntou pacientemente repousando o bloquinho sobre a mesa para que pudesse pegar o gravador e ajustá-lo para gravar aquela parte com toda a precisão possível.


   - Bem.. – Começou a dizer fitando os olhos azuis de Chris. – Uma tarde eu fui ao escritório do Jason, o atual escritório do Jake.. Ele me pediu para esperá-lo na sala porque ele precisava sair para resolver alguns problemas. – Demi respirou fundo, desviou o olhar de Chris para que pudesse se concentrar melhor. – Ele estava demorando e eu começando a ficar entediada, então eu caminhei até a estante de livros do escritório e tirei alguns para ler. O livro de Beethoven chamou a minha atenção, a capa dele era de cor crua e tinha fotos do autor assim como algumas passagens. – Disse se esforçando para se lembrar de todos os detalhes. – Quando fui colocar o livro de volta na estante, os outros estavam atrapalhando. Deu um pouco de trabalho empurrá-los, e quando eu fui encaixar o livro, atrás dos demais tinha fitas e CD’s com letras e números em preto. – Chris tinha ganhado na loteria? Ele quase saltitou de felicidade e Demi tinha medo do que aquilo poderia significar. Ela sabia que aquela era uma pista importante do assassinato de Jason, mas será que significava que Jake tinha assassinado o próprio avô? Ela tinha se envolvido com um assassino psicopata?

   - Ross, quero toda a equipe na Gyllenhaal atrás desse material. – O detetive assinou um documento e o entregou para a policial que saiu da sala os deixando a sós. – Você pode me contar mais? – Perguntou voltando a buscar o bloquinho.

   - É tudo que eu sei e vivi com o Jake, não tenho nada mais para contar. – Ela estava exausta e tinha as costas doloridas. Há quanto tempo ela estava sentada naquela cadeira? Não dava para saber se ainda era dia ou qualquer coisa.

   - Tudo bem Srta. Lovato. O depoimento está encerrado. – Significava que ela poderia ir, certo? Demi observou Chris finalizar a gravação e as anotações no bloquinho, então ele se levantou assim como ela que sentiu o corpo todo reclamar.


***


   - Lucy, o que eu já disse sobre morder os meus sapatos? – Ficar em casa era literalmente um saco! Joe repreendeu Lucy com um olhar quando puxou o sapatênis da cama da cadelinha. Se ela roesse todos os sapatos dele, seria complicado.. – Eu não te perdoo. – Resmungou quando Lucy começou a pular e latir como se nada tivesse acontecido, ela só queria brincar e Joe estava impaciente demais para brincadeiras e qualquer coisa. Ele queria era Demi, apenas Demi! Mas tudo estava estranho demais. Ed tinha enviado uma mensagem falando que o pessoal estava numa reunião e que demoraria bastante. Já era quase sete e meia! Como aquilo era possível? Onde diabos estava Demi? – Lucy, eu não quero brincar. – Ele estava emburrado, ah, como estava! Joe deitou no sofá e choramingou. Ele queria Demi! Queria fazer amor com ela pelo resto da noite e ouvir a risada gostosa dela toda vez que ele corava com as coisas que ela dizia no ouvido dele. Era pedir demais ter aquela mulher só pra ele? – Lucy, não! – Tinha soado tão manhoso! As unhas da cadelinha estavam grandes e como ele só estava de cueca, bem, não foi nada interessante quando Lucy tentou subir no sofá apoiando as patinhas na coxa direita já que ele estava deitado de bruços. – Você é tão insistente, menina. – Joe sorriu sem conseguir resistir ao charme da cadelinha, ela deu um jeitinho de deitar colada a ele e Joe a acolheu colocando o braço sobre ela para que pudesse acariciá-la no peito. – Não estou bravo com você. – Disse quando Lucy começou a lambê-lo nos dedos. – Eu só quero a minha gatinha. – Murmurou fechando os olhos. Ele estava carente, e como estava! Joe franziu o cenho quando sentiu que o membro começava a ficar rígido e ele não conseguia parar de pensar em Demi, principalmente quando ela estava nua e deitada sobre ele o guiando para dentro e para fora. – Ei, vai brincar. – Disse a Lucy se levantando porque ele iria buscar Demi na Gyllenhaal como tinha planejado mais cedo. Caso continuasse pensando na namorada, ele não sabia como iria se livraria da ereção. – Estou falando sério, depois a gente brinca. – Aquilo era tão constrangedor! Joe colocou uma almoçada sobre o volume da cueca e acariciou as orelhinhas de Lucy que o olhava como se pedisse para ele ficar brincando com ela. E ele estava com vergonha a ponto de ficar vermelho! – Depois, ok? – O corpo estava todo quente, principalmente naquela região e Joe apressou o passo em direção ao quarto onde Lucy não poderia ficar com ele uma vez que a porta estava fechada. Um banho resolveria? Não, apenas Demi resolveria!

“Gatinha, cadê você? Estou com saudades.” – Joseph.

Era melhor tentar em contato com Demi, ele só não ligaria porque ela poderia ainda estar em reunião e atrapalhá-la não era uma opção.

“A Demi ainda está em reunião” – Ed.

Que diabo de reunião era aquela que nunca terminava? Joe franziu o cenho não gostando nada daquilo, Ed estava o vigiando por acaso? Quando era mais cedo, Joe tentou fazer algumas flexões e abdominais para se exercitar, Lucy não tinha deixado porque o atacava com lambidas no rosto e apoiava as patinhas nas cotas dele achando que era uma brincadeira e nem Ed enviando uma mensagem atrás da outra. Demi estava em reunião desde mais cedo? Somavam praticamente três horas de relógio de reunião...

“Está demorando muito, eu vou buscá-la” – Joseph.

Ed começou a escrever, mas outra mensagem chegou e Joe sentiu o coração quase sair pela boca. A mensagem não era de Demi. Ela pertencia a Rose e só de pensar em tudo que a menina tinha dito, o membro voltou ao normal. Droga! Joe tinha tentado não pensar sobre Rose durante toda à tarde, ele até mesmo tinha dormido e feito outras coisas para se distrair.

“Você não assiste noticiários.. Olha esses links.” – Rose.

Rose ainda não tinha enviado os links, e Joe esperou ansiosamente para saber do que se tratava. Alguns segundos depois ela enviou dois links e ele clicou no primeiro sem pensar duas vezes. Jake Gyllenhaal é preso nessa tarde. Preso? Jake? Joe arqueou as sobrancelhas e não conseguiu controlar o sorriso, era simplesmente a melhor notícia do dia! O lugar de Jake era na cadeia! Mas como praticamente boa parte das reportagens da internet tinham o título bombástico e exagerado para um conteúdo simpes, aquela reportagem não era diferente.

No início da tarde de hoje, o neto do multimilionário Jason Gyllenhaal foi levado à delegacia de Manhattan pelo delegado Chris Pine. Jake Gyllenhaal é um dos principais suspeitos e deve prestar depoimento ainda nessa tarde.

O que Rose pretendia com o site? Aquela era a única informação que ele tinha encontrado sobre o título da matéria, e logo abaixo havia uma foto de Jake com Jason.

Jake Gyllenhaal assumiu a Gyllenhaal Enterprise uma semana depois do assassinato avô e está causando. O administrador é proprietário da Innovate, empresa fundada com o cunhado e sócio Marcus Giant. O status da Innovate não é positivo e a empresa quase foi fechada mês passado por conta da baixa taxa de lucro e a falta patrocinadores.

O atual presidente da Gyllenhaal chocou os tabloides quando assumiu o affair com Demi Lovato, de vinte e três anos e uma das melhores designers da cidade. A morena nova-iorquina é destaque no mundo da tecnologia quando se trata de jogos eletrônicos e das conferências ao lado de Jason Gyllenhaal, que investiu na carreira da jovem recém-formada e dona dos melhores designes dos produtos da Gyllenhaal. Jake é casado e tem três filhos com a modelo Susan Giant. A modelo e a designer foram fotografadas em clima amigável de conversa no backstage da última conferência da empresa e os boatos são que Demi não sabia que Jake era casado e muito menos que tinha filhos. O relacionamento da designer com o presidente da Gyllenhaal chegou ao fim recentemente, tudo indica que Demi traiu Jake com o analista de redes da Gyllenhaal Joseph Jonas e não queria continuar mais com o relacionamento com o administrador. Inclusive a morena e o analista assumiram o relacionamento na noite de ontem no maior clima de romance no Asiate com direito a foto e declarações no instagram. Assim como Jake, Demi também foi intimada a depor na delegacia nessa tarde e segue em depoimento. Será que Jake Gyllenhaal assassinou o avô com a ajuda da ex-amante? A qualquer momento traremos mais noticias.

O cenho de Joe estava franzido. Então o mundo estava praticamente acabando e ninguém queria dizer nada para ele? Demi estava numa droga de delegacia e ele tinha passado praticamente toda a tarde dormindo?!

“Por que você mentiu para mim? Pensei que nós fossemos amigos!” – Joseph. A mensagem para Ed foi visualizada no mesmo instante e Joe não esperou para ler a resposta do amigo, ele abriu a conversa com Rose e viu que a menina estava online.

“Traição, Joseph? Sério? Você ajudou essa puta trair o namorado?” – Rose.

“Por favor, não diga coisas que você não sabe. Nós já conversamos sobre isso, nem tudo que está na internet é verdade.” – Joseph. Ele enviou a mensagem para a prima se sentindo agoniado e nervoso. – “Eu vou ligar para você e nós vamos conversar, agora eu tenho que sair.” – Joseph. Era o que ele deveria fazer, ir atrás de Demi e dar suporte para ela mesmo estando chateado por ninguém ter avisado.

“Você olhou o segundo link?” – Rose.

“Ro, eu não quero ler mais uma fofoca sem sentido. Por favor, não julgue a Demi, ela não é isso que todos estão dizendo e eu a amo.” – Joseph.

“Abra o link, banana! Quero ver se você vai amá-la depois disso.” – Rose.

Do que Rose estava falando? Joe franziu o cenho quando olhou o endereço do link. Eram letras e números.. Mas quando ele clicou, o celular redirecionou para o Browser e bem, era um link de site pornográfico. Ele nunca tinha acessado aquele tipo de conteúdo. O que Rose pretendia? A ansiedade era tanta misturada a vergonha e desconforto. Aquilo era nojento!

VAZOU! A gostosa com o presidente da empresa.

Ele não iria ler a descrição. As mãos chegavam a tremer e Joe preferiu voltar a conversa de Rose sem saber o que fazer. Ele estava vermelho!

“Você assistiu?” – Rose. O que? Nem se ele tivesse assistido, contaria a menina.

“Não, eu não assisti. Que droga, Ro! Desde quando você assiste esse lixo? E porque você está me enviando isso? Eu vou contar para os seus pais, você está passando dos limites.” – Joseph.

“Assista ao vídeo, Joseph! Deixa de ser sonso e assista. ps. Eu não estou assistindo pornografia.” – Rose.

“Não? E esse site é o que?” – Joseph.

“ASSISTA AO VÍDEO JOSEPH!” – Rose.

Ele pensou em continuar debatendo com Rose, mas resolveu deixar pra lá, ele não iria assistir um único vídeo daquele site. A mensagem de Derick o assustou, porque todos resolviam chamá-lo para conversar só porque ele precisava sair? Joe ignorou as tantas mensagens de Ed e abriu a conversa com o amigo. Era um vídeo e o celular já tinha feito o download. Derick tinha costume de enviar milhares e milhares de vídeos de sustos e outros bobeiras, Joe mandou um emoji de joinha para o amigo e quando abriu o vídeo, ele franziu o cenho.

A câmera apontava para o peitoral de um homem que a posicionava, foram segundos e segundos entediantes filmando aquele peitoral. Joe revirou os olhos quando tudo ficou escuro e ele apostava que aquela era a parte que ele tomaria um susto, mas não foi o que aconteceu.. A porta do quarto foi aberta e um casal adentrou o quarto aos beijos. Foi como levar um soco no estomago quando a luz do quarto foi acesa. Ele conhecia aquele corpo, o movimento do cabelo que caia nas costas claras.. Era Demi e Jake.

   - Filho da puta.. – O punho de Joe estava cerrado e ele estava tão nervoso que as mãos tremiam. Como poderia existir um homem tão nojento como Jake? Ele tinha filmado Demi e ela era tão inocente que não sabia! Vê-la nos braços daquele canalha era triste e com certeza os piores minutos da vida de Joe. O vídeo ficou pela metade e ele não respondeu as mensagens de Ed, as de Rose e muito menos as de Derick.

***

   - Srta. Lovato, você tem um minuto? – Disse Chris chamando a atenção de Demi que já estava quase no final do corredor. Ela tinha acabado de sair da sala de interrogatório e estava cansada, só queria ir para casa descansar.

   - Mais perguntas? – Só porque eles estavam numa delegacia não queria dizer que o clima precisava ser tão tenso. Demi sorriu colocando uma mecha do cabelo atrás da orelha, ela fitou o cabelo loiro escuro de Chris e logo os olhos azuis dele. Não deveriam deixar aquele homem trabalhar daquele jeito, ele estava tão bonito todo vestido de preto e o coldre estilo suspensório carregava duas pistolas fazendo do homem ainda mais sexy.

   - Não, eu só queria agradecer toda a sua paciência. – Ele disse mostrando um pequeno sorriso e Demi assentiu educadamente. Ele era bonito, mas ela não trocaria Joseph por nada e nem ninguém. – Posso acompanhá-la? – Tinha como negar? O detetive sabia que ela era comprometida porque o anel cravejado de zircônia brilhava no dedo anelar direito. – O seu depoimento foi o mais importante e nos relevou muita coisa a respeito do caso. – Disse caminhando ao lado dela e Demi preferiu não olhá-lo toda hora.

   - O Jake está preso? – Perguntou por que ela ainda não sabia o que tinha acontecido com Jake.

   - Ele é um dos principais suspeitos. A placa do carro roubado está no nome da empresa dele, e há filmagens do Jake numa das saídas da Gyllenhaal conversando com a pessoa que estava nesse mesmo carro. Pouco antes de te encontrar, é claro. – Demi desviou o olhar do detetive sentindo que poderia passar mal a qualquer segundo. Ela precisou respirar fundo para não cair desmaiada. Aquilo significava muita coisa. – Nós temos provas fortes contra ele, agora é só estudar o caso e ir para o tribunal.

   - Ele está preso? – Ela tornou a perguntar porque estava com medo de Jake e do que ele poderia fazer.

   - Está. – O alívio foi tão grande e no mesmo instante ela avistou Selena sentada num banco tomando café. Sel deveria estar preocupada. – Foi um prazer conhecê-la. – Não, ele não estava fazendo aquilo! Demi sorriu envergonhada quando Chris estendeu a mão para que ela apertasse, e foi o que ela fez. Fitou os olhos azuis dele sem conseguir esconder o sorriso.

   - Já está com outro? – O sorriso irritante. Ele não estava preso? Demi sentiu um frio insuportável quando Jake a olhou de cima a baixo e sorriu de lado. Ele vestia o paletó e tinha dois homens o acompanhando. – Já largou o nerd, Demi? Você é rápida. – Ele arqueou uma sobrancelha e sorriu arrumando o cabelo daquele jeito debochado e convencido.

   - A Srta. Lovato confirmou que estava com o Jake na noite do assassinato. – Aquele homem baixinho e gordo deveria ser o advogado, Demi já tinha o visto na Gyllenhaal. – O habeas corpus, detetive. – Chris parecia tão surpreso quanto Demi. Ele aceitou o documento e começou a ler cada linha do documento de cenho franzido. O melhor a fazer era ignorar Jake que lançava aquele olhar cretino sobre ela. Ele não tinha vergonha? Selena tinha se aproximado e Demi sorriu quando olhou para o lado constando que a amiga estava ali para apoiá-la.

   - O documento é válido. – Foi tudo que o detetive disse frustrado.

   - Eu esperava mais da justiça dessa cidade. – Jake não estava brincando, ele sustentava o olhar de Chris e o clima entre eles estava tão tenso e carregado. – É uma pena detetive. – Então o sorriso zombeteiro estava nos lábios dele, Jake olhou Demi e depois para Selena e piscou daquela forma descarada. Ele é um idiota! Demi e Selena pensaram ao menos tempo. – Vejo vocês na empresa. – A frase cheia de duplo sentido foi praticamente ignorada.

Os passos pesados podiam ser ouvidos e eles eram rápidos e ferozes. Os punhos estavam cerrados e Ed estava logo atrás de Joe para garantir que ele não faria nenhuma besteira, mas estava difícil controlá-lo. Joe arrastava olhares por onde passava e estava furioso! Ele passou por policiais e nem mesmo quando pediram para ele parar, ele parou. Você não pode entrar, essa área é restrita para terceiros. Ora, quem iria impedi-lo? Joe passou com tudo e quando chegou ao final do corredor, ele parou quando o encontrou.

   - Joe, vamos esperar lá fora. – Ed que ofegava tentou repreendê-lo, mas Joe balançou a cabeça assentindo negativamente. Ele não se intimidou com o detetive e com os outros policiais logo atrás. Nem mesmo tinha olhado para Demi e Selena. Todos olhavam para ele, mas Joe só olhava fixamente para Jake.

Como podia existir alguém como aquele homem? Ele era tão repugnante e só pensava no próprio umbigo. Joe cerrou mais os punhos pensando que não deveria fazer o que pretendia, ele estava dentro de uma delegacia e não seria nada bom o que estava por vir... Mas Jake não podia ficar impune, não mesmo, e ele, como namorado de Demi não podia deixar aquilo passar. Em um gesto brusco Joe acertou o queixo de Jake com um soco certeiro o suficiente para projetar o corpo atingido para o lado. O soco foi tão forte que Jake cambaleou mal conseguindo ficar de pé e Joe o atacou novamente com socos e mais socos descontando toda a raiva e frustração que sentia sem ao menos dar a oportunidade para Jake revidar. Um dos homens que estava com Jake até tentou impedi-lo, mas Joe o empurrou e continuou batendo até que Ed o puxou.

   - Joseph, para com isso! – Ed precisou da ajuda de mais dois policiais e mesmo assim ainda era difícil segurá-lo. Joe estava tão nervoso que estava vermelho e as veias dos braços estavam alteradas.

   - Você está maluco? – Quando Jake tentou partir para cima de Joe, Chris apressou-se em segurá-lo já que ele estava um pouco mole e ensanguentado.

   - O aviso está dado. – Joe tentou se soltar sem sucesso. Ele ofegava e fitava Jake como um touro enfurecido. – Se você tocar na Demi mais uma vez, eu não respondo por mim. Eu não quero você perto dela, seu covarde maníaco nojento! Você está me entendendo? – Ah, ele conseguiu escapar e quando o punho iria acertar o rosto de Jake, Ed o puxou com toda a força que tinha pela cintura. – Você não vai tocar mais nela! Não vai!

   - Você está despedido! – Jake gritou enfurecido e tentando se soltar, mas Chris era forte o suficiente para segurá-lo e o fato de Jake estar fraco e machucado também ajudava. – A sua carreira está com os dias contados.

   - Eu vou te quebrar. – Quem ligava para carreira? Joe forçou mais para tentar se soltar, e ele franziu o cenho quando sentiu o toque delicado no peito.

   - Joe, por favor, para com isso. – Demi pediu com lágrimas nos olhos o olhando. Ele iria passar mal, a saúde era fraca e Demi sabia que a pressão arterial de Joe estava altíssima. Ela estava assustada com toda a violência que tinha presenciado, aquele Joe não era o mesmo que ela conhecia. Onde estava o cara fofo e tímido? Ele mais parecia uma fera incontrolável e sedenta por sangue. – Amor, para com isso. – Pediu subindo as mãos pelo peito dele e aos pouquinhos Joe relaxou o corpo e a abraçou com força. Ele estava agitado demais e as mãos estavam machucadas e doloridas. Joe escondeu o rosto na curva do pescoço de Demi e respirou fundo ainda se controlando. Ele jamais deixaria ninguém machucá-la e humilhá-la como Jake tinha feito. Demi não merecia nada de ruim, ela era tão especial e deveria ser tratada com respeito e carinho.

   - Prendam-no. – Ordenou o detetive. Jake estava desmaiado e tinha o rosto coberto de hematomas assim como sangue. Joe engoliu em seco quando fitou os olhos de Demi e viu que ela chorava. Ele estava sendo algemado e não sabia o que diria a namorada, e também não teve a oportunidade. O local já estava lotado de policiais e um paramédico socorria Jake.

   - Você não pode prendê-lo. – Disse Demi a Chris enquanto Joe era escoltado para dentro da delegacia por dois policiais que eram mais fortes e maiores que ele, e durante todo percurso ele olhava para ela.

   - Não? Por favor, Srta. Lovato. Ele quebrou as regras da delegacia e ainda deixou um homem inconsciente. O meu dever é prendê-lo. – Chris não deu muita atenção para Demi, não quando Jake Gyllenhaal estava desmaiado e ensanguentado e a policial Ross tinha acabado de chegar com o resto da equipe que o delegado tinha mandado para fazer a busca das fitas na Gyllenhaal. Seria bombástico quando a notícia chegasse à mídia, e o detetive faria de tudo para abafar o caso.


   - Eu tentei impedi-lo, mas ele estava furioso e fui eu quem quase apanhou. – Demi se jogou nos braços de Selena e mal tinha ouvido o que Ed tinha dito. O que ela faria agora com Joe preso? 


Continua... Oi! Tudo bem com vocês? Eu estou super cansada, mas bem. Eu deveria ter postado esse capítulo ontem, mas acabai dormindo e só tive tempo de revisá-lo hoje à tarde, e nem sei se está tudo perfeito.. Enfim, espero que vocês tenham gostado desse capítulo, sinceramente, não foi o que eu esperava, eu tô travada, tem tempo que eu tô imaginando esse capítulo, acho que tô perdendo o jeito de escrever :/ Vou ficar devendo as respostas dos comentários, o livro de eletrônica tá me esperando. Vou tentar melhorar, sério! Beijo e obrigada por TODA paciência!